Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperação Inicial e Recuperação Duradoura


 


Alguns estudos empíricos e longitudinais revelam que a recuperação é um processo de desenvolvimento que necessita de uma evolução constante.

Se por um lado o processo de reabilitação inicial tem como objectivos a elaboração e aprendizagem de competências de vida (sociais, de resolução de problemas, de higiene básica, de comunicação) necessárias para realizar uma série de comportamentos ajustados ao que é esperado pelas normas sociais e penais vigentes, de forma a que o dependente adquira recursos internos para lidar de forma construtiva com as adversidades do dia-a-dia, estes mesmos desenvolvimentos podem ser insuficientes com o passar do tempo.

Partindo da premissa que com o início de uso de substâncias alteradoras do humor o desenvolvimento emocional é travado ou desenvolvido de forma insuficiente, é necessário um acompanhamento mais orientado numa fase inicial de recuperação.

A incapacidade de lidar com a frustração e com sentimentos de cariz negativo, a categorização da realidade em categorias exclusivas (ex.: confia totalmente ou não confia nada), a instabilidade emocional são factores que podem fragilizar o processo individual de adaptação a uma realidade raramente por eles vivenciada durante o tempo de consumo.

Um dos factores também verificado em muitos dos casos é uma visão distorcida de si mesmo, dos outros e do mundo, e do futuro, que impede, por vezes, uma saúde mental estável necessária para o crescimento associado a uma vida saudável sem recurso a drogas lícita e ou ilícitas, incluindo o álcool. Esta visão foi elaborada tendo em conta crenças que o paciente adquire durante a infância e todo o percurso de uso de substâncias. No entanto se não forem trabalhadas durante o seu processo de recuperação podem criar obstáculos que por vezes são considerados pelos mesmos como intransponíveis.

Assim sendo é necessário ter em consideração que a recuperação é um processo em constante mudança que tende a ser cada vez mais elaborado e preciso, e consequente, também por vezes necessário é um acompanhamento individual a médio prazo para uma melhor adaptação ás dificuldades que se vão apresentando.

Dr Pedro Garrido - Psicólogo Clínico
965172940


 

 


 

Comentario: Agradecemos a colaboração, a dedicação à causa e a disponibilidade do dr Pedro Garrido em colaborar connosco no nosso blog. Precisamos de todos aqueles que abraçam esta missão. Um grandioso e iluminado Bem Haja.

1 comentário

Comentar post