Quarta-feira, 1 de Agosto de 2007
Codependência (Relações de Dependência)

Codependência  é um tipo de patologia emocional e de relacionamentos, recentemente descrita por estudiosos do comportamento humano. O termo Codependência surgiu na cena da terapia, no final dos anos setenta nos EUA



De inicio, a descrição deste quadro incluía apenas familiares de pacientes alcoólicos mas com o tempo o seu significado foi ampliado e actualmente o termo codependência também inclui a conduta de familiares e/ou pessoas significativas que têm um problema de comportamento no relacionamento de intimidade.

 

“Um individuo codependente é alguém que permite que o comportamento de outra pessoa o afecte, e sente obcecado por controlar o comportamento do outro.” Melody Beattie “Vencer a Co-dependencia

 

“Uma situação emocional, psicológica e comportamental que se desenvolve como resultado da exposição individual prolongada à pratica de um conjunto de regras opressivas – regras que impedem a expressão aberta dos sentimentos bem como a discussão directa de problemas pessoais e interpessoais” Robert Subby “Co-dependency, An Emerging Issue

 

“Comportamento autoderrotistas, aprendidos ou devido a defeitos de caracter, que resultam numa capacidade reduzida de iniciar ou participar em relações amorosas” Earnie Larsen

 

Tudo começa com o facto de uma pessoa se envolver (por amor, obrigação ou dever) com outra disfuncional que adopta comportamentos auto destrutivos, por ex a adicção (substâncias psicoactivas lícitas e/ou ilícitas, jogo, sexo, compras, furto, distúrbio alimentar) e precisa, aparentemente, do ponto de vista do dependente do seu apoio para se curar. Essa pessoa, pode ser um adulto deprimido, uma esposa ou amante bulímica, um irmão que não se sai bem na vida, um marido que tem problemas financeiros, uma irmã que tem a sua vida num caos e parece frágil para resolvê-las, um pai alcoólico ou um namorado que é adicto ao jogo ou ao sexo. Enfim, o importante não é o grau de parentesco ou a sua doença, o  aspecto central do problema está no codependente, não nos outros, na forma como permite que o comportamento do outro o/a afecte e como o codependente tenta influenciar e controlar através de jogos psicológicos (manipulação, desonestidade, mentiras, agressividade). Por ex. "Se gostasses verdadeiramente de mim não fazias uma coisa dessas. Por tua causa estou a sofrer imenso." ou ameaças vãs que não são concretizadas.

 

Uma reacção à autodestruição do outro que acaba afectar o codependente a nível físico e emocional. Isto é, o codependente torna-se vítima da sua própria atitude disfuncional, sem o reconhecer, e vitima da doença "alheia" recorrendo a estratégias disfuncionais, justificadas em prol da mudança de comportamento disfuncional do outro, ex abandonar o vicio/adicção activa. A relação entre o codependente e o adicto no activo fica extremamente afectada; por ex, perda de limites e papeis (ex. agressividade, mentiras), o codependente sente-se impotente (ansioso e deprimido) por não conseguir obter os resultados desejados. Existem casos  de codependentes que iniciaram o consumo de drogas ilícitas através de um relacionamento de intimidade com um individuo consumidor de drogas, responsabilizando este pelo seu infortúnio. Conheço codependentes que boicotam o processo de abstinência/recuperação do seu parceiro adicto, por considerarem que o seu tipo de de ajuda é mais eficaz do que a ajuda profissional. Conheço codependentes que só pedem ajuda para o problema da adicção quando as crises no relacionamento são frequentes, severas, por ex o codependente sofre de stress pós-traumático.  

 

Do ponto de vista do codependente o problema do outro (adicção) é o mais importante na sua vida. Não age por decisão própria (perde a liberdade de expressão e de escolha), fica agarrado a uma "teia" na adicção, processo idêntico ao dependente de substâncias psico activas lícitas, incluindo o álcool, e/ou ilícitas/adicto (heroína ou cocaína) reage à forma como o adicto age; facilitando, protegendo, mentido, manipulando  encobrindo, jogos psicológicos. Este tipo de comportamento disfuncional do codependente contribui para a progressão da adicção. Se o adicto está bem, então tudo está bem. O codependente faz planos, renova a ilusão e a vontade de viver. Quando reiniciam as crises associadas à adicção activa o codependente suspende a ida ao cinema com os amigos, suspende projectos e objectivos pessoais, isola-se não se relacionando com os outros, encobre da família os problemas do seu relacionamento, caso existam crianças,  estas são negligenciadas. Sente-se deprimido, zangado, ansioso, com sentimento de culpa e vergonha tóxica. O seu estado de humor depende, em muito, do comportamento e das atitudes da outra pessoa (adicto). O codependente anda a apagar o "fogo" da vidas dos outros.

 


Provavelmente você conhece pessoas que experimentaram situações semelhantes aquelas aqui descritas. Alguns investigadores consideram este comportamento de ajuda crónica e obsessiva ao outro, uma doença emocional grave e progressiva. Referem até que o codependente procura pessoas complicadas e disfuncionais para se envolver, só podendo ser “feliz” desta forma. Existem casos de codependentes que não consomem substancias psicoactivas (drogas e/ou álcool) que se envolvem em relacionamentos com adictos a drogas e/ou álcool. Muitos destes codependentes são oriundos de famílias desestruturadas onde existiam casos de alcoolismo e dependência de drogas, negados à varias gerações.

 

Algumas características comuns aos codependentes: 

São em geral pessoas de natureza passiva/agressiva,

Oriundos de famílias emocionalmente perturbadas,

Desde a infância quiseram consertar as coisas que estavam erradas na vida dos outros à sua volta,

Predisposição para se responsabilizarem e culpar por problemas,

A sua personalidade está enraizada na vergonha “tóxica” (auto-conceito negativo), não são merecedores de confiança e amor,

Perfecionistas,

Dependentes do “amor”, do elogio e da aprovação do outro,

Acreditam que sabem melhor (controlo) e que aguentam mais (tolerância à dor) do que os outros em determinadas situações e crises dentro da relação

Mentem para si mesmos, iludindo-se, afirmando  "Amanhã, as coisas estão melhores..."

Duvidas sobre a felicidade no futuro ou se algum dia encontram o verdadeiro amor

Sentem dificuldades em se relacionar com pessoas (intimidade e compromisso), em se divertir e ser espontâneas,

Alteração bruscas do humor. Entre um tipo de atenção carinhosa para uma pessoa deprimida e/ou agressiva

Com o passar dos anos vão se sentindo cada vez mais infelizes, deprimidos, ansiosos e isolados. Culpam o mundo à sua volta.

Distúrbio alimentar (bulímia, anorexia e compulsão alimentar), stress e fatiga crónico, desenvolvem outro tipo de adicção drogas lícitas, incluindo o álcool e os tranquilizantes (benzodiazepinas), e/ou ilícitas, shoplifting - furto, shopaholics - compras.

 

Esta doença do comportamento de uma forma genérica está associada ao abuso/negligência infantil. A codependência afecta o individuo em cinco vertentes:

1- Baixa auto-estima;

2- Estabelecer de limites saudáveis nos relacionamentos de intimidade;

3- Reconhecer e assumir sua própria realidade disfuncional (negação e ilusão);

4- Assumir a responsabilidade em gerir as suas necessidades adultas (atitudes, emoções e comportamentos);

5- Identificar e expressar suas emoções de forma moderada (ex. raiva, ressentimento, medo, culpa e vergonha).

 

Em algumas famílias codependentes o desenvolvimento das crianças é afectado porque o sistema familiar (homeostase) é caótico.

 

Em Portugal existem os grupos ajuda mutua, como por ex. grupos para famílias de alcoólicos onde se discute e apoia os familiares e pessoas significativas designados de (Famílias Anónimas e Al-Anon ).

Tal como em todas as adições é importante identificar padrões de comportamentos potenciadores de sofrimento a médio e longo prazo. Em muitos casos, já não é possivel interromper esta escalada de crises sistematicas e progressivas com promessas irreais e novos alibis, é preciso consultar um profissional experiente ou alguém significativo que consiga apoiar no processo de mudança (confiança e esperança) de um novo modos de vida.

Não é a mudança que é difícil, mas a nossa resistência à mesma

 

 

 

 

 

Bibliografia

Beattie,Mellody – Vencer a Co-dependencia. Publicações Sinais de Fogo 2005

Cermak,T.L.- Diagnostic criteria for Codependency- Journal Of Psychoatctive Drugs. 18(1):15-20, 1986,

citado por Mellody , Pia.- Facing Codependence, Harper & Row, Publishers, San Francisco ,1989.

Mellody , Pia.- Facing Codependence, Harper & Row, Publishers, San Francisco ,1989.



publicado por João Alexandre Rodrigues às 18:59
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Comentários:
De Maria a 20 de Dezembro de 2011 às 15:06
Viva João,
Já li alguns textos sobre codependencia e este é sem duvida o melhor para codependentes! Aproveito para dizer que faço parte dessa grande "familia" e que gostaria que me indicasse um grupo de ajuda "não religioso" para frequentar.
Obrigada


De Sônia lucia a 28 de Dezembro de 2011 às 18:54
Maria,
gostaria de lhe indicar o grupo do AMOR-EXIGENTE,que é para ajuda aos familiares de adictos,ou seja os codependesntes.
Pesquisa pra ver se tem na sua cidade,e,leve a serio.
Não é um grupo religioso.
Tenho visto a mudança para melhor, na vida das pessoas ,depois que passam a freguentar esse grupo.
abraços
Sônia Lucia


De Rúben Brito a 20 de Maio de 2012 às 01:54
Olá,

A minha namorada acabou comigo à uns dias, nisso descobri que o problema era o eu ser co-dependente... ela quer o melhor para mim e fez me ver que a unica forma de ultrapssar esta doença é a de não tentar voltar para ela.... Ela fez-me ver também que vai seguir a sua vida, e que não vais estar à minha espera... Esta relação durou 2 anos e 5 meses... O problema é que eu amo-a verdadeiramente, acho-a uma pessoa fantástica e gostava de me curar acima de tudo mas também gostava de não demorar muito a fazê-lo para poder voltar a namorar com ela...

Não sei como vou conseguir manter estas duas lutas, pois vejo-as como incompatíveis mas recuso-me a aceitar tal coisa, pois faz parte do meu ser lutar pelos meus sonhos....

Agradecia imenso se alguém me ajudasse com isto.


De João Alexandre Rodrigues a 20 de Maio de 2012 às 22:02
Boa noite,
Desde já parabéns pela sua participação no Recuperar das Dependências. Qual é o tipo de ajuda que procura e que refere no seu comentário?
Caso não deseje expor, publicamente a sua questão pode envia-la para joaoalexx@sapo.pt
Todos os dados são confidenciais
Cumprimentos

João Alexandre Rodrigues
Addiction Counselor e Coach
(Art of counseling)


De Rúben Brito a 20 de Maio de 2012 às 22:44
Gostava imenso de saber se é possível... tal coisa... manter as duas lutas...


De João Alexandre Rodrigues a 25 de Maio de 2012 às 19:04
Ok. nesse sentido sugeria o seguinte. Arranje uma folha de papel e divida em duas colunas: numa coluna escreva PROS e na outra coluna escreva os CONTRAS em relação às suas "...duas lutas."
Se no final deste pequeno exercício constatar que vale a pena continuar, isto é, existem mais PROS do que CONTRA, com o tempo irá encontrar a resposta que pretende obter, mas que agora ainda não tem.
Cumprimentos
João Alexandre Rodrigues


De di a 8 de Abril de 2014 às 17:13
o problema é não saber quando parar... de lutar.
Não o soube fazer, fiquei de rastos e teve de ser o suposto adicto que me libertou dquilo. E fica-se vazia...


Comentar post

Acerca de mim
João Alexandre Rodrigues
Conselheiro de Comportamentos Adictivos (Addiction Counselor - Art of Counseling) desde 1993. Conselheiro Certificado em Abuso de Drogas e Álcool. Formação em Inglaterra (Farm Place e Broadway Lodge) e EUA (Hazelden Foundation).

Marcação directa de consultas: Tm 91 488 5546
Envie a sua questão
Consultas Online
Sabia que para Recuperar das Dependencias pode fazê-lo atraves das consultas online e assim evitar confusões de transito, perda de tempo em viagens e despesas extras? Se optar por esta modalidade pode enviar um email para joaoalexx@sapo.pt e solicitar toda informação. Estou disponivel para ajudar.
Gosto
Facebook
Perfil de Joao Alexandre Rodrigues
Perfil no Facebook de Joao Alexandre Rodrigues
Create Your Badge
Networking - Partilhe
Bookmark and Share
Twitter
Pesquisar neste blog
 
Publicação sem copyright
Estas publicações não têm copyright. Incentivo a sua utilização, reprodução e tradução sem necessidade de autorização sempre que a mesma seja efectuada sem lucro. Agradeço, no entanto, que mencione a fonte.
Viver no aqui-e-agora
Acreditar é dar autoridade a si próprio, para tomar as decisões que você entender; coerentes com as suas convicções. Acreditar é ter medo, mas é a fé que guia as decisões. Dê legitimidade aos seus actos acreditando nos seus talentos.
Visitas
Subscrever feeds
Abril 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


Você sabia que é possível...

REEL Recovery Film Festiv...

Como é que posso mudar o ...

Being rich is not... veja...

O «Vicio» de drogas, incl...

O jogo problemático é um ...

A adicção não é um vírus

Dr David J. Powell, um et...

28ª Dica Arte Bem-Viver, ...

Boas Festas 2013

Arquivos

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Temas

12 passos

a criança interior

abstinência

aconselhamento

adicção

adicção ao jogo

adicção ao jogo patológico

adicção ao jogo patologico

adicção ao sexo

adicção às compras

alcoolismo

alimentação

alimento para o pensamento

ansiedade

aparência física

aparência fisica

arte

assertividade

atitudes e comportamentos

auto estima

codependência

comunicação

comunidade

controlo

crianças

cultura

dependência ao tabaco

dependencia ao tabaco

dependência emocional / relacionamentos

dependencia emocional / relacionamentos

dependência emocional/relacionamentos

dependência financeira

dependências

dependencias

dependências mulher

desporto

distúrbio alimentar

doença

doze passos

drogas

emprego

entrega

espiritualidade

família

familias

forum - drogas

forum - jogo patológico

gestão das emoções

gestão do stress

gratidão

hepatite c

honestidade

intervenção

intimidade

investigação

jogo patológico

jovens

lidar com a raiva

lidar com a vergonha

lidar com a vergonha tóxica

lidar com a vergonha toxica

limites

linguagem dos afectos

luto

medicação

meditação

mudança

mulher

natal

negação

nicotina

partilha

pessoas especiais

prevenção da recaída

programa apoio empresas

recuperação

recuperação das dependências

recuperação das dependencias

recuperação das substâncias

recuperação das substancias

reflexão

regra do silêncio

relações

rendição

resiliência

ressentimento

retiro espiritual

sentimentos

shoplifting

sociedade

stress

tratamento das dependências

tratamento das dependencias

vergonha

vergonha tóxica

vergonha toxica

vida

vih

vozes

workaholism

todas as tags

blogs SAPO
Links