Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Os Meus Direitos

1. Tenho o Direito de fazer o luto da perda acerca daquilo que não tive mas, que tinha direito a ter; e de aquilo que tive mas que não queria ter.


2. Tenho o Direito de seguir os meus próprios valores e princípios.

3. Tenho o Direito de dizer NÃO a qualquer coisa da qual não me sinto preparado porque não é seguro ou vai contra os meus próprios valores.

4. Tenho o Direito à dignidade e ao respeito.

5. Tenho o Direito de tomar decisões baseadas nos meus sentimentos, valores, atitudes ou qualquer outra razão que encontre.

 


6. Tenho o Direito de definir e privilegiar as minhas próprias prioridades.

7. Tenho o Direito que os outros respeitem as minhas necessidades e vontades.

8. Tenho o Direito de terminar qualquer tipo de conversa em que não me valorizem ou humilhem.

 

9. Tenho o Direito de não me sentir responsável pelo comportamentos, atitudes, acções, ou problemas das outras pessoas.

 

10. Tenho o Direito de cometer erros e de não ser perfeito.

 

11. Tenho o Direito que os outros sejam honestos comigo.

 

12. Tenho o Direito de sentir; todos os meus sentimentos.

 

13. Tenho o Direito de sentir raiva da/as pessoa/as que amo.

14. Tenho o Direito à minha singularidade, sem que me sinta mal “na minha própria pele.

15. Tenho o Direito de me sentir assustado e de dizer, “Eu estou assustado/a...”

16. Tenho o Direito de sentir medo, culpa, vergonha e depois entregar (soltar).

17. Tenho o Direito de mudar de ideias quando quiser.

18. Tenho o Direito de ser feliz.

 

19. Tenho o Direito ao meu próprio espaço e tempo.

20. Tenho o Direito de descontrair, de brincar e de ser superficial.

21. Tenho o Direito de mudar e crescer como ser humano.

 

22. Tenho o Direito de ter mente aberta de forma a desenvolver as minhas próprias habilidades na comunicação, para que seja entendido pelos outros.

23. Tenho o Direito de fazer amigos e de estar confortável no meio das pessoas.

24. Tenho o Direito de não viver num ambiente abusivo.

25. Tenho o Direito de ser tão saudável quanto os outros.

26. Tenho o direito de cuidar de mim; aconteça o que acontecer.

 

27. Tenho o Direito de fazer o luto das perdas presentes ou daquelas que ameacem acontecer.

28. Tenho o Direito de confiar naqueles que mereçam a minha confiança.

 

29. Tenho o Direito de dar e receber amor.

(Dr. Charles Witfield: Limites e Relações; Conhecimento; Protecção e Beneficios)

Comentário: Acredito que a base da nossa sanidade mental e a qualidade de vida reside nos atributos das interpessoais. Necessitamos de pessoas à nossa volta que nos alegrem, surpreendam, aborreçam ,apaixonem e desiludam como forma mantermos “vivos”, activos e resilientes. 
Criamos sinergias e constituímos afectos e laços intensos como forma de sentir-mos seguros e protegidos. Fazemos parte de algo superior a nós mesmos, algo grandioso e imaterial, tolerante, bondoso e espiritual, não religioso sem dogmas e ou divindades.
Grande parte dos nossos problemas existenciais giram em torno dos relacionamentos; ex. marido e mulher, filho e pais, entre familiares, entre desconhecidos, empregados e patrões, vizinhos, entre pessoas que gostamos e pessoas que não gostamos , assim necessitamos de criar "papeis", limites saudáveis e construtivos e assegurar relações duradouras, estáveis e resilientes às crises do dia-a-dia e à intolerância (preconceito e estereotipo). Pessoas com carisma e positivas. Neste sentido, não existem limites.