Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Jogo On line: "Uma Adicção dentro de Uma Adicção"


 


O Jogo on line é uma forma recente de jogar que acompanha a evolução da globalização. Hoje em dia, pode-se jogar pelo telefone, televisão, pelo telemovel, atraves da Internet em plena privacidade e “liberdade”.

Não são apenas os jogadores patológicos que jogam on line, mas sim um vasto e variado segmento da população entre o qual se encontram os idosos e os jovens, sobre os quais é díficil exercer qualquer tipo de controlo. Nos USA o perfil do jogador on line caracteriza-se por uma média de idade de 30 anos, solteiro, com licenciatura ou mais formação e ter uma relativa disponibilidade financeira.
 
As mulheres que tradicionalmente se dedicavam muito menos ao jogo, surgem agora a querer equilibrar forças com os homens. Em 2004 havia 15% de mulheres com problemas de jogo patológico no Poker on line, tendo esse número subido para 30%, em 2007, são identificados a este grupo características de agressividade, (H. Bowden-Jones, 2005). Pode ser identificado, neste caso um padrão idêntico ao das mulheres que têm problemas com o álcool, bebem em casa e enfrentam todos os seus sentimentos na “companhia solitária” do líquido alienante.

Sabemos hoje que o jogo tem essa dupla função de alienar e mudar a percepção da realidade, mas também de servir de "gatilho" para a necessidade de desafio, de estímulo, de “jogo de poder” que os adictos a este comportamento possuem. Estas duas facetas de mesma personalidade, aparentemente contraditórias, obtêm um terreno fértil para se desenvolver no jogo on line.
Existem diversos atractivos suplementares para optar pelo jogo on line, começando pela disponibilidade de serviços que são de 24 horas por dia durante todo ano.
 
O acesso é fácil e sem controlo, pois pode jogar a partir de casa, dum cyber café, da casa de um amigo, do proprio telemovel, do local de trabalho com qualquer cartão de crédito. A confidencialidade é garantida por quem presta o serviço e é fácil estar a jogar sem que ninguém em redor se aperceba. O jogador está assim duplamente “protegido” no que diz respeito a manter oculta a sua actividade. Se optar por jogos menos solitários, existem competições e campeonatos para todos os gostos, mas com especial incidência no Poker, podendo até aumentar a interactividade nos “chat rooms” especialmente criados para o efeito.

Existiam em 2005, mais de 2300 sites na Internet destinados ao jogo, o que significa que o mercado duplicou nos últimos 5 anos. Também aumentou significativamente o número de pedidos de ajuda contabilizados nas linhas S.O.S. criadas para o efeito (dados relativos a Inglaterra).
Podemos apontar algumas estratégias para minimizar os riscos e os danos colaterais, todavia estas alternativas não são facilmente postas em prática:
Pode bloquear os computadores dos jogadores com problemas;
Ddefinir um limite de tempo e dinheiro antes de começar a jogar;
Aumentar os folhetos de informação e prevenção ao jogo on line assim como as linhas de ajuda via telefone e via Internet que podem incluir o aconselhamento psicológico.

Tal como a proximidade de locais de jogo faz aumentar o número de jogadores com problemas, também a disponibilidade e acessibilidade do jogo on line, aliada a uma legislação inexistente ou cada vez mais permissiva cria um “aumento na prevalência dos jogadores compulsivos” (m. Potenza, 2001).

Atraves do jogo On line é fácil perder a percepção da realidade, é próximo, cómodo, sem controlo e serve bem os traços característicos dos jogadores. Reforça a relação obsessiva entre jogador e jogo pois nada existe no meio excepto um teclado; “não se toca em dinheiro”, é imediato perante uma vontade súbita e é incógnito.

No entanto, não é a apologia do jogo on line que se tenta fazer, mas sim proceder á tomada de consciência de um perigo que ameaça, em especial as camadas jovens com acesso à Internet. Muitas vezes este problema de adicção junta-se com a paixão do futebol que se traduz em todo o tipo de apostas em relação aos resultados. Os seniores com pouca mobilidade, mais vulneráveis pela idade, com dinheiro sempre renovado das pensões, representam outro segmento da população em risco. Esta forma de jogar assenta como uma luva ás pessoas com predisposição ao abuso e dependência do jogo.

O perigo é real, em Portugal, ano de 2007, pois para além de inúmeros casos sinalizados, temos tido tendência a seguir a evolução de outros países a nível cultural, social, legislativo, etc. As consequências desta forma de jogo são tão destrutivas ou mais do que outros métodos tradicionais. Tenho seguido um paciente, que no jogo on line, a partir do local de trabalho (roleta e em especial resultados desportivos) perdeu muitos milhares de Euros, colocou em risco o seu casamento e relações com familiares, teve problemas profissionais e sociais para não falar de todos os problemas pessoais de baixa auto-estima, culpa, vergonha, depressão, etc.
Quase poderia chamar-se uma adicção escondida noutra adicção.

Sugestão para leitura: "Parar" de David Kundtz,

08/10/2007

Dr. Pedro Hubert
96 264 11 61
http://www.pedrohubert.com/
 
Comentario: Um grande bem haja ao Dr Pedro Hubert por colaborar connosco neste blogue.