Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Os Executivos nas empresas - O Stress e a Adicção

 

 

O stress e uma carreira profissional exigente e ambiciosa podem ser uma combinação explosiva e altamente adictiva nas vidas de alguns executivos - homens e mulheres. Em muitos casos este fenómeno pode permanecer oculto e minimizado, até ao dia em que tudo desaba e acontece o impensável (crises emocionais, financeiras, profissionais, familiares etc.) como consequência dos comportamentos adictivos (drogas licitas e/ou ilícitas, incluindo o álcool, relações disfuncionais, jogo patológico, compras, sexo compulsivo, etc.).

Todos os profissionais estão vulneráveis a este flagelo. Recordo alguns casos de executivos/gestores completamente derrotados, humilhados, com sentimentos de culpa e baixa auto estima, apesar da evidências negativas da adicção evitavam a todo o custo enfrentar a realidade das suas vidas destroçadas pelos comportamentos adictivos que os forçaram e encaminharam até tratamento. Não queriam acreditar que todo o seu potencial, competências e regalias tinham sido substituídos pela mentira, a negação, a manipulação, a desonestidade, a auto piedade, a ansiedade e a angústia. 

Características dos executivos

Uma personalidade “vencedora”, destemida e perfeccionista, aspiração à liderança e ao sucesso, ambição profissional e uma “forte queda” para os negócios são a “porta de entrada” para o mundo exclusivo dos executivos e para o mais alto nível empresarial. Principalmente, aqueles executivos - “ verdadeiros cérebros” - cujas empresas os valorizam como uma mais-valia para o seus negócios.

Viagens frequentes ao estrangeiro, subordinados e supervisores, relatórios e orçamentos exigentes e elaborados. Análises de projectos, investimento, liderança de equipas, operações de mercado de capitais e enfrentar todo o um conjunto de desafios colocados através da globalização, do desenvolvimento e do progresso. Um turbilhão de emoções constante e arrebatador gerador de produtividade, de recursos e ambição capaz de movimentar pessoas e empresas ao mais alto nível e exigência.

 

Num mundo empresarial cada vez mais competitivo, dinâmico, ambíguo e em permanente mudança o papel do executivo assume uma importância vital para o sucesso, e em última instancia para a sobrevivência das empresas. Os executivos são pessoas inteligentes, disciplinadas, gestores assertivos, determinados, organizados, directores, líderes e empresários. Indivíduos ambiciosos e motivados que demandam realização profissional e pessoal, assim como o desenvolvimento de boas praticas. È obvio que estas características não são associadas aos dependentes de drogas e/ou álcool.

Os executivos são indivíduos extremamente bem remunerados, usufruem de um larga amplitude nas tomadas de decisão para gerirem os seus negócios e as suas responsabilidades. Sabem como superar obstáculos em situações extremas e de pressão. Reagem depressa a desafios inesperados e a imprevistos. Todavia, estes atributos excepcionais em muitos casos encapotam uma necessidade exagerada de sucesso, de prestígio e de controlo - manifestam um medo patológico do falhanço e/ou uma percepção de si próprios negativa. Negócios e sucesso profissional são territórios sustentados por estas emoções disfuncionais e em alguns casos destrutivos. Diariamente, podemos observar alguns destes casos em gestores, políticos e executivos de topo na nossa sociedade.

Os “defensores” dos executivos – “braço direito.”

Os executivos são assistidos por subordinados e/ou assistentes cuja função se limitam a efectuar uma gestão rigorosa e organizada das agendas diárias - profissionais e pessoais - dos seus patrões/directores aliviando toda a “carga supérflua” que possa interferir no tempo exclusivamente necessário para gerir e gerar grandes empresas. Como é óbvio este tipo de vantagens e regalias proporcionam aos executivos/gestores um direito a eles assistido, todavia com os seus subordinados, pode passar-se precisamente o contrário. Quando surgem dificuldades aos assistentes, directamente relacionadas com o comportamento disfuncional dos seus patrões, é-lhes exigido respostas imediatas - protecção e encobrimento - porem podem cair em algumas “armadilhas” encapotadas e acarretam com algumas consequências negativas, alheias às suas funções. Parte, senão todo o sucesso profissional destes subordinados – mesmo que não as suas funções pelas quais foram contratados – é investido em proteger o executivo/gestor de todos os problemas alheios à empresa/companhia.

Executivos e a vulnerabilidade emocional

Enquanto alguns executivos exibem, no seu dia-a-dia, uma enorme exposição pública e uma vasta agenda de contactos, em muitos casos nas suas vidas privadas escasseiam as relações de intimidade e de amizade. Enquanto profissionais de topo, são incitados a tomar decisões rápidas e a serem autónomos sem tempo para consultarem outras pessoas. Por vezes, estes indivíduos são sujeitos a um grande sentimento de isolamento e pressão. Enquanto o dia de trabalho dos executivos pode ser intensivo e repleto de pessoas, na sua vida pessoal privada é caracterizado pelo isolamento. 

Estima-se que os gestores gastem aproximadamente 20% do seu tempo em negociações, provavelmente esses 20% afectem os restantes 80% das suas actividades (Baron 1989). Tanto a nível profissional como privado os executivos/gestores possuem uma capacidade acima da média para gerir e controlar o “mundo à sua volta” (pessoas, lugares e coisas). Quer seja pelo elevado estatuto e prestigio, que molda as suas personalidades, quer seja pelas suas responsabilidades elevadas; quando lhes é permitido refugiam-se numa “concha protectora” do mundo atribulado à sua volta. Alguns traços de personalidade tais como; o isolamento, percepção negativa de si próprio e/ou um desejo desproporcionado de valorização pessoal, uma necessidade exageradamente zelosa pelo sucesso, pelo controlo e o medo do falhanço são traços comuns ao individuo que apresenta comportamentos adictivos, assim como ao executivo. Contudo estes traços de personalidade podem ser exacerbadas em executivos de topo, o seu ambiente profissional assim o exige, promove e reforça por causa do impacto nos negócios, nas pessoas e nas empresas. Se qualquer tipo de comportamento problemático é identificado nos directores/patrões que possa representar uma seria ameaça à segurança no trabalho, aos orçamentos da empresa, assim como às suas reputações “manchadas” e/ou ameaçadas, imediatamente os seus assistentes podem sentir que o seu emprego esteja em perigo e insurgirem-se em defesa/protecção do seu director/patrão. Nestas situações “delicadas” o comportamento adictivo, do gestor/executivo, necessita de ser monitorizado, caso contrário, facilmente assume proporções destrutivas - área profissional e familiar - e dificilmente é controlado. Em muitos casos, os comportamentos disfuncionais (adictivos) em executivos são desculpados e, normalmente tolerados, por causa da posição elevada na hierarquia que ocupam dentro das empresas.Torna-se particularmente difícil intervir (questionar, abordar, enfrentar, confrontar, reflectir, etc.) directamente nestes casos específicos, seja pelos próprios colegas, pelos adjuntos e pelos subordinados, pelas mais variadas razões; ex. interesses financeiras e/ou pessoais, os valores instituídos na cultura da empresa como a lealdade, a amizade, a identificação e a compaixão legitimam a minimização, a protecção e a negação (não se vê, não se fala e não se sente – regra do silêncio). 

Todas aquelas medidas de intervenção que visem interferir e interromper os comportamentos adictivos dos executivos são anuladas e “boicoteadas” através destes mecanismos disfuncionais de facilitismo e encobrimento. Num cenário ainda mais catastrófico, se o comportamento adictivo do executivo/gestor é conhecido e banalizado por todos na empresa, pode desencadear um conjunto de adaptações negativas dentro das hierarquias, provocar desmotivação e perda do compromisso profissional de todos os seus colaboradores. O resultado final é uma redução exponencial na produtividade, fracos recursos humanos, falta de criatividade, comportamentos de incúria e depressão.  

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.