Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

A Filosofia dos 12 Passos na abordagem da adicção - evidência cientifica

Estudos recentes procuram revelar a forma como a abordagem espiritual, não religiosa sem dogmas e divindades, influencia o individuo na recuperação da adicção.

Para indivíduos dependentes de drogas lícitas, incluindo o alcool, e/ou ilícitas a filosofia dos 12 Passos, dos Alcoólicos Anónimos (AA) provoca causa um impacto profundo e positivo na manutenção da abstinência e no estilo de vida. Estes resultados comprovam-se através dos Grupos de Ajuda-Mutua desde 1935, ou de uma abordagem num contexto (setting) terapêutico (profissional) por atraves do Modelo Minnesota de Hazelden Foundation ou do 12 Step Facilitation.

Nos últimos anos, alguns investigadores estudaram a abordagem através do qual a filosofia dos 12 Passos, dos AA, influencia os resultados deste programa espiritual, não religioso sem dogmas e divindades, de recuperação da adicção. Os estudos revelam:

1. Existência de uma rede social de apoio na manutenção da abstinência,

2. Efeito da auto-eficácia (desenvolvimento de competências cognitivas e emocionais),

3. Confiança na manutenção da abstinência (sobriedade). Consequentemente, estes três factores são promotores de saúde e de prevenção do abuso de drogas lícitas, incluindo o alcool, e/ou ilícitas.

 

A espiritualidade, não religiosa sem dogmas e divindades, na recuperação da adicção é outra componente importante que contribui para o impacto da filosofia dos 12 Passos dos AA. É um paradoxo, reconhecido ao longo da história, sobre os seres humanos quando sujeitos a experiencias geradoras de sofrimento e carência estas revelam-se uma oportunidade para um despertar espiritual. Os fundadores dos Alcoólicos Anónimos, Bill W e o Bob S., descobriram que a adicção às drogas e/ou álcool proporciona uma disposição emocional para determinadas experiências espirituais. Espiritualidade, não religioso sem dogmas e divindades, é o núcleo central do programa do AA, da qual os 12 passos fazem parte. Os princípios espirituais referem a admissão da doença da adicção (dependência de drogas lícitas, incluindo o álcool, e/ou  ilícitas) a necessidade em confiar no outro indiviudo em recuperação e no programa e o compromisso em manter um “contacto consciente” com um poder superior não religioso, sem dogmas e divindades, exterior ao indivíduo. Este conceito é individual e imaterial.

 

A nível científico torna-se difícil estudar o conceito de espiritualidade. Por ex. se perguntar a 10 pessoas como definem espiritualidade irá ouvir 10 respostas diferentes. Para uns a pratica da espiritualidade pode implicar uma conexão com algo metafísico, quer seja o conceito tradicional de Deus ou através de um conceito não-tradicional de um poder superior. Para outros, espiritualidade é um conceito interligado com religião e um conjunto formal de práticas frequentes, tais como, frequência de locais de culto e grupos de oração. Alguns investigadores iniciaram o estudo sobre o papel que a espiritualidade desempenha na recuperação de indivíduos dependentes apesar das diferenças de conceito e dos desafios quanto à uma avaliação concreta.

 

Resultados obtidos até à data.

Observa-se entre indivíduos que procuram tratamento, cuja dependência atingiu níveis severos, níveis baixos de bem-estar espiritual, sugerindo que uma relação oposta também pode existir. Também se tem observado que o conceito de espiritualidade se exterioriza gradualmente durante o curso do tratamento.

 

Um estudo realizado por Sterling e colegas, consistiu em comparar 36 indivíduos que após tratamento recaíram em álcool 30 dias antes de participarem neste estudo e, que posteriormente, foram seguidos durante três meses (follow-up) com outros 36 indivíduos que correspondiam ao controlo/manutenção da recuperação – abstinência. È de salientar que através do curso do tratamento, desde a recolha de dados clínicos passando pelos instrumentos de diagnóstico até à alta de tratamento a maioria dos participantes exibiu um aumento significativo na pontuação da espiritualidade em 5 instrumentos/medidas diferentes. O follow-up, do refeirdo estudo, durante os três meses contemplava benefícios em experiencias espirituais diárias; coping espiritual e religioso, crenças espirituais, gratidão, tolerância e humildade. Entretanto constatou-se entre aqueles que recaíram que a pontuação, referente à espiritualidade, desceu significativamente durante o período do follow-up.

 

Existe uma conexão entre os níveis de espiritualidade (ex. conceito) e a prática da espiritualidade para uma efectiva melhoria da qualidade de vida, assim como, a prática do 11º Passo (oração e meditação). Um nível elevado de espiritualidade contribui para um estilo de vida satisfatório entre os membros de AA e entre indivíduos em tratamento que desenvolvam um sentido de propósito na vida, de gratidão, perdão e uma crença num poder superior. Consegue prever-se que contribua para trabalhar os Passos (aplicação da filosofia dos 12 Passos do AA, ex. abstinência a longo prazo) e para a qualidade de recuperação individual (através de um proposito e sentido, assim como o envolvimento em relacionamentos interpessoais).

 

Um estudo efectuado por Robinson e os seus colegas junto de indivíduos, com historial de dependência severo, após 6 meses de tratamento, veio revelar a relação entre a abstinência de álcool e uma disposição para experiências espirituais diárias (propósito e sentido da vida).

Aparenta também existir um impacto importante entre a filosofia do tratamento e a aplicação de princípios espirituais geradores de motivação para a mudança de comportamentos e atitudes.

 

Estudos recentes, examinaram o impacto da abordagem espiritual anexada ao aconselhamento comportamental. O referido estudo mostra que não existe diferenças entre aqueles participantes que receberam sessões de terapia de orientação espiritual e aqueles que receberam a sessões de terapia de orientação tradicionais. De qualquer forma, as sessões de terapia de orientação espiritual não foram aplicadas num contexto de tratamento, cuja filosofia do programa seja orientada para princípios espirituais. Importa salientar que o nível da abordagem espiritual era reduzido, assim como, a equipa de profissionais não exibiam experiência significativa no trabalho com indivíduos com dependências de substancias e em orientação espiritual.

 

Conduzir a investigação a outra dimensão

Ao longo de varias decadas, alguns profissionais têm observado o processo espiritual transformador de estilo de vida associado à filosofia dos 12 Passos, em membros do AA em recuperação, e nos mais diversos grupos de ajuda mútua que também utilizam os 12 Passos. De qualquer forma, são necessários mais estudos de forma a compreender os mecanismos específicos sobre a abordagem espiritual e como os resultados são influenciados. O referido estudo revela o papel importante da espiritualidade na recuperação e reclama mais atenção da comunidade científica.

O centro de investigação Butler Center, sediado em Hazelden Foundation, lançou um estudo extensivo de forma a investigar o processo de mudança espiritual na recuperação dos indivíduos porque a espiritualidade é o núcleo da filosofia por detrás dos Grupos de Ajuda Mutua que aplicam a filosofia dos 12 Passos. Convém acrescentar que Hazelden Foundation é pioneira na abordagem do Modelo Minnesota. Ao referido estudo denominaram “A Transformação Espiritual e a Recuperação” e este projecto procura compreender os mecanismos da mudança espiritual e o impacto na vida dos indivíduos com dependências de drogas lícitas e ilícitas, incluindo álcool.

 

É um factor a ter em conta tentar compreender, entre indivíduos dependentes, a correlação entre a mudança do egoísmo, do egocentrismo, ressentimento e o desenvolvimento do desejo e da necessidade de intimidade/compromisso com um poder superior, não religioso sem dogmas e divindades.

Finalmente, uma compreensão profunda da essência e do impacto da espiritualidade poderá influenciar a abordagem, numa variedade de programas de conteúdos teóricos, na recuperação de indivíduos dependentes de substâncias adictivas.

 

Estudar a filosofia dos 12 Passos do AA (ex. descrita no Big Book - edição inglesa) irá permitir a compreensão da componente espiritual e da forma como influencia a mudança de estilo de vida. Através de projectos idênticos ao desenvolvido em Hazelden Foudation será possivel revelar o impacto da espiritualidade na mudança e na recuperação. Após longos anos de experiência comprovada é fundamental fornecer uma validação científica à espiritualidade, que tanto merece, nesta área.

 

Valerie Slaymaker, PhD, é directora executiva do Centro de Investigação Butler em Hazelden Center City, Minnesota.

 

Referencias:

  1. Emrick CD, Tonigan JS, Montgomery H, et al. Alcoholics Anonymous: what is currently known? In McCrady BS and Miller WR (eds.), Research on Alcoholics Anonymous: Opportunities and Alternatives. New Brunswick N.J.:Rutgers Center for Alcohol Studies; 1993.
  2. Owen PL, Slaymaker V, Tonigan JS, et al. Participation in Alcoholics Anonymous: intended and unintended change mechanisms. Alcohol Clin Exp Res 2003 Mar; 27:524-32.
  3. Tonigan JS, Toscova R, Miller WR. Meta-analysis of the literature on Alcoholics Anonymous: sample and study characteristics moderate findings. J Stud Alcohol 1996; 57:65-72.
  4. Bond J, Kaskutas LA, Weisner C. The persistent influence of social networks and Alcoholics Anonymous on abstinence. J Stud Alcohol 2003; 64:579-88.
  5. Connors GJ, Tonigan JS, Miller WR. A longitudinal model of AA affiliation, participation, and outcome: retrospective study of the Project MATCH outpatient and aftercare samples. J Stud Alcohol 2001; 62:817-25.
  6. Humphreys K, Mankowski ES, Moos RH, et al. Do enhanced friendship networks and active coping mediate the effect of self-help groups on substance abuse? Ann Behav Med 1999 Spring; 21:54-60.
  7. Morgenstern J, Labouvie E, McCrady BS, et al. Affiliation with Alcoholics Anonymous after treatment: a study of its therapeutic effects and mechanisms of action. J Consult Clin Psychol 1997; 65:768-77.
  8. Alcoholics Anonymous World Services, Inc. AA Fact File, 1998. Available at http://www.alcoholics-anonymous.org.
  9. Bliss DL. Severity of alcohol dependence: impact on spirituality in early treatment process. Alcohol Treat Quarterly 2009; 27:66-81.
  10. Sterling RC, Weinstein S, Losardo D, et al. A retrospective case control study of alcohol relapse and spiritual growth. Am J Addict 2007; 16:56-61.
  11. Carroll S. Spirituality and purpose in life in alcoholism recovery. J Stud Alcohol 1993 May; 54:297-301.
  12. Corrington JE. Spirituality and recovery: relationships between levels of spirituality, contentment and stress during recovery from alcoholism in AA. Alcohol Treat Quarterly 1989; 6:151-65.
  13. White JM, Wampler RS, Fischer JL. Indicators of spiritual development in recovery from alcohol and other drug problems. Alcohol Treat Quarterly 2001; 19:19-35.
  14. Robinson EA, Cranford JA, Webb JR, et al. Six-month changes in spirituality, religiousness, and heavy drinking in a treatment-seeking sample. J Stud Alcohol Drugs 2007 Mar; 68:282-90.
  15. Miller WR, Forcehimes A, O'Leary M, et al. Spiritual direction in addiction treatment: two clinical trials. J Subst Abuse Treat 2008 Dec; 35:434-42.
  16. Alcoholics Anonymous World Services, Inc. Alcoholics Anonymous. New York City: 1976.