Sexta-feira, 9 de Maio de 2008
Dependência emocional - " O amor é cego"

  

A dependência emocional é um tipo de patologia emocional e de relacionamentos, recentemente descrita por estudiosos do comportamento humano nos EUA. È uma experiência comportamental patológica alteradora o estado de humor. Este designação faz parte do jargão profissional, que é incompreensível para as pessoas que se encontram fora desta actividade e incoerente para alguns que trabalham nesta área. Todavia, considero mais importante observarmos o significado desta patologia que afecta milhares de homens e mulheres.

Todos nós, seres humanos, precisamos de criar e desenvolver vários tipos de elos/ligações com os outros. Somos seres gregários. Precisamos de relações amorosas, criar vínculos, laços de pertença. Contudo, surge um serio problema quando esses vínculos e laços se tornam padrões disfuncionais repetitivos de insatisfação, insegurança, infelicidade e rejeição, de vergonha e culpa, baixa auto estima, isolamento, raiva e ressentimento e dependência.

Isto significa que o amor levado a um extremo pode conduzir ao sofrimento e desgoverno a que podemos designar de dependência emocional – “o amor é cego”. Por vezes, evocamos e abusamos da palavra/conceito Amor quando na realidade o comportamento é o oposto. A nossa cultura/sociedade reforça a crença disfuncional de que devemos procurar a felicidade “mágica” no amor-paixão e/ou no parceiro/a ideial (principe perfeito e/ou princesa perfeita).

Consideramos perfeitamente natural que a exaltação amorosa seja o tema principal na literatura, no espectáculo, na canção. Somos constantemente bombardeados, através dos media, através de promessas de uma relação apaixonada que nos traga satisfação e realização pessoal. Diariamente, assistimos a telenovelas, programas de televisão, revistas, romances, anúncios que apelam às nossas emoções (à imaginação, ao sonho, à sedução e à sensualidade) e às relações perfeitas e fáceis.

Quase que dependemos dos relacionamentos de “sucesso” para conseguimos um propósito e sentido na vida. O amor apaixonado é aquilo que alguém sente geralmente por um parceiro/a impossível. De facto, é exactamente, por ser impossível que existe tanta paixão. Para que exista a paixão, terá de existir uma luta continua, obstáculos a ultrapassar e um desejo de obter mais do aquilo que é oferecido. Literalmente, paixão significa sofrimento, e frequentemente, quanto maior é o sofrimento maior é a paixão. A prioridade e a razão da felicidade gira em torno da conquista, da sedução, do romance, do flirt, do sexo. A intensidade emocional, de um caso de amor apaixonado não é comparável ao conforto mais subtil, de um relacionamento estável, de confiança e empenhado. Assim se o parceiro/a, finalmente recebesse por parte do alvo da sua paixão, que tão ardentemente deseja, o sofrimento terminaria e a paixão em breve se esfumaria. Nessa altura, provavelmente iria deixar de gostar dessa pessoa, porque a magoa doce-amarga teria desaparecido.

 A sociedade prepara-nos para o desafio da vida; adquirir a liberdade, autonomia e espiritualidade, (não religioso, sem dogmas e divindades), sem ser a “custa” de outra pessoa/, parceiro/a ou coisas materiais? Como é que aprendemos a amar, sem que a nossa propria identidade se dilua na dependencia do amor?
A nossa tradição ocidental de amar e ser amado é na minha perspectiva um conceito ultrapassado e disfuncional que promove a dependência emocional. Actualmente não existe tempo suficiente para amar e ser amado. Vivemos para a posse das coisas (materiais) e o poder sobre os outros. Aprendemos que ser homem é reprimir sentimentos e ser “duro” (macho) as únicas emoções permitidas são a raiva, a excitação e o desejo sexual. Quando o homem se sente embaraçado, inseguro e triste sente-se inadequado e zangado.
Ser mulher é agradar, ser submissa, saber satisfazer e adaptar-se ao parceiro e casar, mesmo que não seja feliz no casamento. Por vezes, é a mulher que se preocupa em comunicar e zela pela saúde da relação. Ser mulher é ser dependente da paixão amorosa. Tanto os homens como as mulheres sofrem nas relações amorosas. Como o homem e a mulher são diferentes aprendemos erradamente que as diferenças significam desigualdade, incompatibilidade, competição exacerbada e afastamento.

Os dependentes emocionais são pessoas reactivas. Sobre-reagem ou sub-reagem, mas raramente agem poderadamente, na area dos afectos e das relações. Reagem aos problemas, sofrimento e comportamentos dos outros. Reagem aos seus próprios problemas, dor e comportamentos. Muitos comportamentos impulsivos são reacções ao stress e à incerteza e à impotência de viver ou crescer. Não é necessariamente anormal , mas é heróico, salvaguardando a sua identidade, e pode salvar a vida saber como não reagir e actuar de formas mais saudáveis e construtivas. Porém a maioria das pessoas dependentes do amor precisa de aprender a fazê-lo.

Na dependência emocional, uma das razões pelas quais este tipo de problema é uma realidade, deriva do facto de ser progressivo, isto é, à medida que os parceiros ficam mais disfuncionais, o dependente emocional começa a reagir de forma mais intensa à pressão. Um tipo de acontecimento que tenha gerado uma pequena preocupação pode desencadear isolamento, depressão, ansiedade, doença física e ou emocional e ou fantasias suicidas. Um evento conduz instabilidade emocional.
Na minha experiência profissional, alguns pacientes referem que quando as coisas não resultam nas relações sentem-se deprimidos, desorientados, deprimidos, ansiosos e confusos. Muitos comportamentos destrutivos e disfuncionais nas relações tornam-se hábitos (padrões), adquirem vida-própria. É um padrão característico de pensar, de sentir e de agir que gera sofrimento. O dependente emocional, frequentemente reage às pessoas que se auto-destroem, aprendendo a auto destruir-se. Este padrão de comportamentos podem conduzir ou permanecer em relações disfuncionais. A obsessão e a compulsividade pode sabotar os relacionamentos, que de outro modo podiam funcionar. O dependente emocional fica impedido de encontrar a paz e a felicidade,acima de tudo com as pessoas mais importantes – eles mesmo.



Algumas características de dependência emocional

Viver em função da própria relação. Não restam energias para outros compromissos e/ou actividades.

Limites débeis nas fronteiras do ego. (A noção errada de que os dois devem ser um).

Abuso físico e/ou emocional.

Após a perda do amor ficar incapaz de terminar a relação.

Medo de assumir riscos saudáveis e resistência exacerbada à mudança. Sente-se ameaçado/a.

Limitados na evolução/desenvolvimento individual.

A verdadeira intimidade é percepcionada como uma ameaça. Sente-se exposto, defensivo e vulnerável.

Representação de jogos psicológicos (a relação é um palco de representações) – vitima, salvador e perseguidor.

Falta de espontaneidade na troca de afectos – “Só dou se receber em troca...

O dependente emocional foca-se (fixação) nos outros e naquilo que eles precisam de mudar.

Depender dos outros para se sentir completo, seguro e equilibrado.

Procurar “milagres” externos para resolver os problemas na relação – "Ainda acreditam no Pai Natal e/ou na cegonha e o recém nascido?"

Desenvolver expectativas irreais (exigências, promessas) em receber amor incondicional. “Se eu sofrer por ti, amas-me?

Assumir uma atitude de auto-controlo e recusa de compromisso na relação. – “È mais confortável rejeitar do que ser rejeitado.

Depender dos outros quanto à própria auto-afirmação e vigor (auto conceito distorcido)

Sentimentos de abandono, solidão e extrema insegurança na relação.

Antecipar situações catastróficas e negativas (ansiedade, depressão, excitação, controlo, culpa e baixa auto-estima).

Evitar aquilo que receia, por ex. medo da intimidade.

Esperar que o parceiro/a adivinhe, bem como seja o responsável pelo bem estar do outro (necessidades, sentimentos, dificuldades)

Comportamentos manipuladores/controlo (jogos de poder) de forma a manter a desigualdade na relação. “A melhor defesa é o ataque.

Segundo Greenberg e Bornstein (1988b) um indivíduo com orientação de personalidade dependente encontra-se em risco para variadas condições psicopatológicas, inclusive depressão, alcoolismo, obesidade e dependência do tabaco.

“As relações são como uma dança, com energia visível a correr de uma parceiro para o outro. Algumas relações são uma dança de morte lenta e obscura.” Colette Dowling

“Não é correndo atras do amor que o encontramos; basta abrir o nosso coração e encontrar-lo-emos dentro de nós “ Charlotte D. Kasl



Como recuperar da dependência emocional

Não existe uma solução mágica para este tipo de patologia. Não existe um medicamento. Acredito que a recuperação seja um processo de avanços e recuos graduais e constantes no proprio diagnostico, nas crenças disfuncionais sobre intimidade, confiança e entrega. Recordo vários casos que acompanho cujas pessoas procuram, de uma forma genuína, viver segundo padrões saudáveis e construtivos, todavia longe daquilo que consideram que é a perfeição. Não existem pessoas perfeitas, assim como não existem relacionamentos perfeitos. Existem valores morais (confiança, intimidade, liberdade, altruísmo, respeito, desapego) que promovem o individuo e a relação com o/a parceiro/a.
Aprenda a desenvolver competências cognitivas (informação/consciência) que aumente a sua motivação para a mudança/acção com o apoio pessoas significativas/profissionais de confiança. Aprenda a perdoar-se através de caminhos espirituais, não religiosos sem dogmas e divindades. È importante centrar-se no positivo e largar a rigidez de pensamento. Conheça e examine honestamente a sua historia pessoal,a sua familia de origem, as crenças e os mitos e os medos.

Faça meditação e oração.

Faça exercício físico

Escreva diários

Pratique leitura sobre o tema

Aprenda a desfrutar de estar na sua própria companhia

Aprecie o contacto com a natureza.

Aprecie e pratique hobbies (pintura, musica, jardinagem, voluntariado, etc.)

Faça afirmações positivas diárias (Eu sou uma pessoa..................)

Envolva-se com pessoas positivas e autenticas.

Frequente grupos de ajuda mutua

“Juntos conseguimos aquilo que sozinhos não fomos capazes”

Referencias:Norwood, Robin “Mulheres que amam demais” Editora sinais de fogo; Beattie, Melody “Vencer a codependência “ Editora sinais de fogo; Scheaffer, Brenda “Será amor ou dependência?” Editora Bizâncio ; Carnes, Patrick “Out of the shadows” Hazelden, Pauwels, Louis “Aprendizagem da Serenidade” Verbo



 


publicado por João Alexandre Rodrigues às 12:17
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Comentários:
De Josefa dias de sousa a 2 de Março de 2011 às 16:53
Ola. Infelizmente eu sofro de dependencia emocional desde que me separei a 4 anos. Nao e nada facil viver com esta doenca pois, foram muitas as vezes que caí em depressao, e para fugir dela comprei sempre roupas novas e resultou porque aumentou minha auto-estima. Foi muito bom ter emcontrado vossa ajuda. Espero que mais pessoas possam ler e mudar de atitude para que todo mundo viva em paz


De Camila Silva a 3 de Março de 2012 às 17:57
Muito bom o artigo... Vou seguir as dicas para ver se funciona. :D


De carlos a 14 de Abril de 2012 às 06:35
muuuuuito bom o artigo, excelente, parabens e continue publindo! v ta ajudando milhoes de pessoas.

obrigado!!!!!


De Ana a 12 de Outubro de 2012 às 23:59
Fantástico! Parabéns! Obrigada.......


De miche a 9 de Março de 2013 às 02:47
Ola !! li a matéria muito boa. Sou dependente emocional descobri fazendo terapia .sofro muito ,tenho uma relação falida e sou muito humilhada e agredida verbalmente e morro de vergonha mais não sei como sair dessa relação .ja a 11 anos assim e não consigo me desligar tentei varias vezes com separações mais acabo voltando para uma relação q não me faz bem mais me prende .acho q nem tem mais amor prq não sinto a falta dele . gostaria muito de ajuda!!!! ate a minha alto -estima esta lá em baixo e todos dizem q sou bonita e q eu era tão vaidosa e hj não tenho mais vaidade .


De Marina a 23 de Abril de 2013 às 21:20
Vivo isso, por dois homens, não consigo tirar nenhum dos dois da minha vida, e não posso deixá-los, e não quero que me deixem. Mas não dá pra viver com dois ao mesmo tempo. Se um me deixa caio na depressão e outro eu surto. Já larguei de um e pensei que fosse morrer, não queria fazer mais nada na minha vida. Faço trabalho voluntário e outras atividades, mas não posso deixar de pensar nos dois.


De marluce a 25 de Junho de 2014 às 03:39
Foi valido pois descobri que nao sou mais dependente emocional embora ame minha familia e meus amigos. 7


Comentar post

Acerca de mim
João Alexandre Rodrigues
Conselheiro de Comportamentos Adictivos (Addiction Counselor - Art of Counseling) desde 1993. Conselheiro Certificado em Abuso de Drogas e Álcool. Formação em Inglaterra (Farm Place e Broadway Lodge) e EUA (Hazelden Foundation).

Marcação directa de consultas: Tm 91 488 5546
Envie a sua questão
Consultas Online
Sabia que para Recuperar das Dependencias pode fazê-lo atraves das consultas online e assim evitar confusões de transito, perda de tempo em viagens e despesas extras? Se optar por esta modalidade pode enviar um email para joaoalexx@sapo.pt e solicitar toda informação. Estou disponivel para ajudar.
Gosto
Facebook
Perfil de Joao Alexandre Rodrigues
Perfil no Facebook de Joao Alexandre Rodrigues
Create Your Badge
Networking - Partilhe
Bookmark and Share
Twitter
Pesquisar neste blog
 
Publicação sem copyright
Estas publicações não têm copyright. Incentivo a sua utilização, reprodução e tradução sem necessidade de autorização sempre que a mesma seja efectuada sem lucro. Agradeço, no entanto, que mencione a fonte.
Aqui-e-agora
Relacionamentos: Estabeleça rituais e tradições com significado no seu sistema de relacionamentos (amizade, familiar, romântico, ou outro). Os rituais como sabe, são actividades repetidas, determinadas, coordenadas e que têm um significado. Comprometa-se a celebra-los. Evite fazê-lo quando é apenas conveniente para si e/ou para os seus interesses egoístas. O poder dos rituais reside na repetição e na conjugação de esforços. Sem estas características o ritual torna-se numa mera rotina e "seco e pobre" de significado. Faça um investimento abnegado nos rituais que reforcem a confiança mutua.
Visitas
Subscrever feeds
Agosto 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
28
29
30

31


REEL Recovery Highlight 2...

Robin Williams- Homenagem...

Nação resiliente no faceb...

Prescrição de opioides no...

Ao contrario do que se pe...

Dr William D. Silkworth

"I love You"

Desafio ou estorvo

Filhos de pais alcoolicos

As crianças são vitimas s...

Arquivos

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Temas

12 passos

a criança interior

abstinência

aconselhamento

adicção

adicção ao jogo

adicção ao jogo patológico

adicção ao sexo

adicção às compras

alcoolismo

alimentação

alimento para o pensamento

ansiedade

aparência física

aparência fisica

arte

assertividade

atitudes e comportamentos

auto estima

codependência

comunicação

comunidade

controlo

crianças

cultura

dependência ao tabaco

dependencia ao tabaco

dependência emocional / relacionamentos

dependencia emocional / relacionamentos

dependência emocional/relacionamentos

dependência financeira

dependências

dependencias

dependências mulher

desporto

distúrbio alimentar

doença

doze passos

drogas

emprego

entrega

espiritualidade

família

familias

forum - drogas

forum - jogo patológico

gestão das emoções

gestão do stress

gratidão

hepatite c

honestidade

intervenção

intimidade

investigação

jogo patológico

jovens

lidar com a raiva

lidar com a vergonha

lidar com a vergonha tóxica

lidar com a vergonha toxica

limites

linguagem dos afectos

luto

medicação

meditação

medo

mudança

mulher

natal

negação

nicotina

partilha

pessoas especiais

prevenção da recaída

programa apoio empresas

recuperação

recuperação das dependências

recuperação das dependencias

recuperação das substâncias

recuperação das substancias

reflexão

regra do silêncio

relações

rendição

resiliência

ressentimento

retiro espiritual

sentimentos

shoplifting

sociedade

stress

tratamento das dependências

tratamento das dependencias

vergonha

vergonha tóxica

vergonha toxica

vida

vih

vozes

workaholism

todas as tags

blogs SAPO
Links