Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Imoralidade ou doença? Shoplifting - Furto


 

Aqueles indivíduos que são dependentes de substâncias (lícitas, inlcuindo o alcool, e/ou ilícitas) e/ou comportamentos adictivos (jogo, sexo, compras - shopaholics, shoplifting - furto, codependência e distúrbio alimentar) estão expostos e vulneráveis a um conjunto de mecanismos (bio-psico-social) que contribuem e reforçam a progressão da doença da Adicção (ex. craving /ânsia, fixação, desejo poderoso e irresistível). Nos últimos 15 anos alguns estudos revelam que os comportamentos adictivos interferem no funcionamento normal do cérebro responsável pela aprendizagem e a recompensa (gratificação). Os genes “dão as ordens” perante determinadas “ameaças” e o cérebro executa-as.

 

A Adicção é uma doença do cérebro com sintomas psicológicos. Como seres humanos, possuímos um mecanismo maravilhoso e misterioso no cérebro que nos mantém vivos das mais variadas ameaças por ex. tragédias, acidentes, situações de perigo. O que é acontecia se não sentíssemos medo? Certamente morríamos. Todavia também aprendemos que a vida, desde a nascença até a idade adulta, apresenta um conjunto complexo e indeterminado de ameaças. Sentimos o isolamento e a tristeza, a dor da perda de algo ou alguém especial, a separação, o insucesso, a injustiça, a frustração e a angústia. Seremos bem sucedidos na gestão da adversidade? Gostamos de nós, tal como somos? Somos aceites? Os outros gostam de nós? E se nos acontece alguma desgraça?

 

O que é o Shoplifting  - furto?

O Shoplifter é um indivíduo que não consegue controlar-se perante a ânsia em roubar de uma forma repetitiva. Rouba diversas coisas, desde roupa, gadgets, produtos e dinheiro. Não o faz porque precise, mas porque não consegue controlar as suas atitudes e comportamentos. Rouba pela sensação de imoralidade e de perigo que provoca, não pelo objecto em si. Como sabemos a vida é difícil. A maioria dos shoplifters identifica uma sensação de grande injustiça nas suas vidas e roubar é a forma como actua sobre esse sentimento persistente, intenso e doloroso. Generaliza e reforça os seus comportamentos adictivos “Se os outros também roubam tenho o mesmo direito de fazer o mesmo.” Simbolicamente, roubar é repor a justiça e a igualdade.

 

Shoplifting é um Problema?

Em relação a este tipo de comportamentos, as pessoas em geral pensam que se rouba porque o indivíduo não tem recursos financeiros, é marginal. Na realidade, a maioria dos Shoplifters que conheço não se encaixa neste “perfil”, pelo contrário.

Quantas pessoas são detidas, diariamente, pelo shoplifting em Portugal? Nos centros comerciais? Nos supermercados? No local de trabalho?

 

Quantas centenas de euros são gastos em sistemas de segurança de forma a prevenir e minimizar o shoplifting em Portugal? Quantas pessoas respondem em tribunal por causa do shoplifting? É crime ou uma doença?

 

Imagine um indivíduo numa loja, acompanhado pelo filho menor, após roubar algo é detectado e detido pelo agente da lei. Quais as consequências para esta criança? A vergonha e a impotência para o shoplifter.  Imagine que são mais filhos? Imagine que o shoplifter vai acompanhado por alguém de família que não sabe do problema e que de repente se depara com uma situação insólita. Conheço alguns casos onde os membros de família negavam que a filha praticava o shoplifting? Afirmavam “João Alexandre, não é possível…A minha filha nunca faria uma coisa dessas. Não precisa de roubar. É impossível uma coisas dessas acontecer a alguém da minha família.”

 

Um caso

A Susana (nome fictício) tem 37 anos, é mãe separada, tem um emprego estável e apresenta comportamentos adictivos em relação ao sholifting desde a sua adolescência. Identifica a necessidade de mudança de atitudes e comportamentos adictivos que reforçam o acto (ânsia irresistível) do roubar, porém aparenta estar “presa” na ambivalência,  afirma “João, se os outros também roubam  tenho o mesmo direito” ou “ Se me roubam também faço o mesmo…e não me apanham.”. A ambivalência reforça ou reduz a motivação para a mudança.

 

Quais os factores positivos (reforço do acto do shoplifter) ?

Satisfação imediata,

Auto-controlo,

Aventura (quebrar a rotina/aborrecimento)

Risco associado ao perigo (quanto maior é o perigo e as eventuais consequências maior é a satisfação e o desafio)

Delinquência (fora do sistema legal e moral – é diferente). É um estilo de vida secreto -  vida dupla. Rege-se por outro tipo diferente de regras sociais.

 

Quais as consequências negativas possíveis?

Isolamento social,

Insónia,

Perda de controlo dos seus impulsos;

Perda da auto-estima;

Perda de confiança pela família, incluindo as crianças;

Medo de perder o emprego e amigos;

Problemas com a lei;

Viver na mentira e a negação (vida dupla – segredos).

 

Algumas emoções associadas ao shoplifting - furto

Raiva, Injustiça, ansiedade, inadequação, solidão, sentimento de culpa, desconfiança, pânico, depressão, vergonha, rejeição.

 

Alguns contextos sociais capazes de despoletar o Shoplifting.

Natal, Época de Saldos, Centros Comerciais, Supermercados, Casamentos, Festas Sociais.

 

Se identifica alguns destes sinais e ou sintomas peça ajuda, porque depois pode ser tarde. Se pratica o shpolifting você não é culpado, você está doente e é responsável para pedir ajuda.

 

Qual é a sua motivação para expor o seu problema? Identifica a ambivalência e o sentimento de injustiça na sua vida? Fale sobre essas emoções. Se desejar pode enviar um email para joaoalexx@sapo.pt . Todos os dados são confidenciais

 

 

1 comentário

Comentar post