Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Regra do silêncio na adicção (Não fala, Não sente e Não confia)

A Regra do Silêncio aplica-se quando o assunto da Adicção e as suas consequências adversas não é tido em conta, valorizado e/ou negado, num relacionamento entre duas pessoas (por ex. marido adicto e a esposa) e também perante as dinâmicas da família. Todos são afectados, directa e indirectamente, mas acaba-se por conformar e resignar, como sendo algo normal, que faz parte do destino e infortúnio. Algumas pessoas afirmam “Não vale a pena tocar no assunto…”

 


Ao longo da minha experiencia em trabalhar com famílias de adictos/as e indivíduos (ex. esposas) com relações de intimidade com adictos no activo (dependências de drogas licitas, incluindo o álcool, e ou ilícitas, jogo, sexo, distúrbio alimentar) constato, em alguns casos, que a progressão da doença da Adicção, associado a determinados comportamentos disfuncionais e insanos caracteristicos, advêm da complacência, da passividade, do conformismo determinado pela Regra do Silêncio. Em muitos casos, esta Regra do Silencio é adoptada, pelas pessoas, não adictas, derivado ao estigma, à negação e/ou à vergonha.

 

Regras nos Relacionamentos

Existem regras para a comunicação e para o bom entendimento entre duas (ex. marido e esposa) ou mais pessoas, uma família (pai, mãe e filhos – ex. hierarquia), moralmente institucionalizadas, implícitas e/ou explícitas. Em muitos casos, estas regras são adoptadas ao longo de gerações, de uma maneira muito imperceptível, mas conscientes dos seus efeitos. Por ex. imagine uma família de cinco indivíduos; pai, mãe, um filho de 13 anos, uma filha de 9 anos e o filho mais novo de 5 anos. Nesta família, através da mãe ou do pai, de uma forma subtil, vão passando a mensagem, aos filhos, de que aquilo que se passa em casa não é para ser falado fora de casa, com a família (tios, primos, avós), amigos e ou na escola, por ex. quando o pai, se torna violento verbalmente com a mãe (esposa) durante uma discussão ao jantar; quando se discute questões relacionadas com o dinheiro, por ex. o pai discute com a mãe porque ela gastou (esbanjou) mais dinheiro do que devia numa ida ao shopping, a mãe confronta o pai porque foi ao casino com os amigos e gastou o dinheiro que não devia, o pai acusa a mãe de ser uma protectora dos filhos ao fazer todas as vontades, sendo estes assuntos tema constante e gerador de conflitos e “guerras” em casa. Os pais, em conjunto ou individualmente, certificam-se de que as crianças não falam com absolutamente ninguém, fora de casa, sobre estes assuntos. Todavia, e quando essas regras impostas, pelos adultos, são disfuncionais e comprometem, negativamente, os relacionamentos, os limites e os afectos? Que ocultam o abuso, a desonestidade, a negligência, a insanidade.

 

 

Recordo inúmeras histórias verídicas da Regra do Silêncio em acção, em famílias afectadas pela Adicção activa. Trabalhei numa instituição para indivíduos adictos, em regime residencial de internamento de curta duração. Aos domingos à tarde, havia um palestra destinado às famílias (visitantes) e aos respectivos familiares que estavam internados na referida instituição. As famílias eram convidadas a participar no plano de tratamento, com o intuito de promover, essencialmente a comunicação, afectada pelas consequências e o desgoverno da adicção activa. Formávamos um grupo com todos os convidados (famílias visitantes) e participantes (residentes internados) numa sala. Gostaria de acrescentar, na primeira sessão, a maioria dos convidados (famílias visitantes) não se conhecia entre si. Reunia-se por ex. a família do Pedro (nome fictício de um residente) composta pelo pai e mãe, a família da Isabel (nome fictício de uma residente) pais e irmã, a família do Xavier (nome fictício de um residente) avó e mãe e assim sucessivamente. Após a palestra cujo tema abordava as dinâmicas da família e a adicção no activo, iniciávamos o grupo de discussão e partilha onde era esperado todos participarem. Entre as duas dezenas de indivíduos naquela sala, recordo uma mãe, que decidiu participar, afirmando:

 

“Boa tarde, chamo-me Catarina (nome fictício), sou mãe aqui da Eduarda (nome fictício de uma rapariga internada na instituição) e gostaria de afirmar que a minha filha nunca fez mal nenhum lá em casa. Apesar do uso das drogas e do álcool, ela nunca prejudicou ninguém, a única pessoa que ela prejudicou foi ela mesmo. Só roubava dinheiro em casa de vez em quando, e isso só aconteceu aí umas duas vezes. Não pense que não falei com ela sobre o roubo, assim que descobri, imediatamente discuti com ela e a partir dai escondi a carteira longe do seu alcance. Lá em casa, falamos de tudo, por isso, neste momento, já não tenho mais nada a dizer... Vou deixar outras pessoas participarem, porque se calhar elas precisam mais de falar do que eu. Obrigado... Desculpe, já agora, quanto tempo mais é que vamos ficar aqui sentados?!...”

 

Esta mãe permaneceu em silêncio durante o resto do grupo. Durante a sua participação, a filha manteve contacto visual comigo, encolhendo os ombros e revirando os olhos, num aceno de embaraço e reprovação. Esta reacção física da filha talvez estivesse relacionada com o facto de ela, umas semanas antes, já ter verbalizado danos à mãe e família, em terapia de grupo, consequência da sua Adicção activa, que incluía agressividade verbal, roubos variados de dinheiro e objectos valiosos, também era frequente o pai, perante a sua impotência e perante a compulsão da filha para abusar das substâncias psicoactivas, gerar imensas discussões em casa, que assumiam contornos violentos entre os pais. Também sabíamos que esta família estava afectada pela vergonha e evitava relacionar-se com a vizinhança ou convívios familiares.

 

Uns dias após este programa familiar, a Eduarda verbalizou o seguinte: “Queria dizer uma coisa em relação à participação da minha mãe, naquele programa de família, que me esta a causar mau estar, por sentir-me responsável. Quando a minha mãe chegou ao centro, no parque de estacionamento, ela fez uma grande festa e abraçamo-nos e disse que eu estava muito bonita e com um óptimo aspecto e que já não me via assim há imenso tempo. Após a recepção calorosa, ambas dirigimo-nos para a casa e ela indagou sobre o que era o Programa de Família e o que é que se fazia. Imediatamente a seguir, respondi que não sabia nem queria saber. Avisei-a que se ela fosse com intenções de falar seja sobre o que for sobre o passado, que eu abandonava a sala, ia fazer as malas e ela nunca mais me punha a vista em cima.

 

Este “desabafo” da Eduarda acaba por ilustrar na perfeição o poder da Regra do Silencio naquela família. Aquela mãe, com receio da filha, optou pelo silêncio desconfortável e negar os seus sentimentos. Não é permitido sentir, Não é permitido falar e Não é permitido confiar. Foi a filha, que determinou a “regra” em relação aquilo que é ou não permitido verbalizar.

 

Questão: Então se é a filha adicta, e doente, que determina as regras da comunicação e o nível de honestidade, qual papel da mãe, na comunicação honesta?

 

Você identifica na sua família e/ou relação de intimidade a Regra do Silencio? Partilhe a sua história e envie por correio electrónico. Toda a informação e dados pessoais são totalmente confidenciais.

 

Brevemente irei escrever um post sobre como quebrar a “Regra do Silêncio”

 

3 comentários

Comentar post