Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

As aparências podem iludir

Jazmín de Grazia (04 de Julho de 1985 / 05 de Fevereiro de 2012)

 

Uma notícia no jornal (JN)de 07 de Fevereiro, atraiu a minha atenção, o título referia o seguinte “Modelo argentina afogou-se na banheira. Jazmín de Grazia, de 27 anos, foi encontrada morta em casa pelo namorado. Droga pode ser a causa.”

 

Após pesquisar, pela internet, soube que Jazmín após a sua participação num reality show argentino, na altura com 18 anos, tornou-se modelo, mais tarde chegou a ser capa da revista Playboy, também era apresentadora de vários programas de televisão. Mais um caso, de uma jovem que alcançou o estrelato, de rápida ascensão, através dos tão badalados e afamados programas denominados reality show. Todavia, com um trágico desfecho aos 27 anos.

 

De acordo com a notícia, teria sido encontrado restos de cocaína no seu apartamento, todavia a autópsia revelou que a causa da morte foi “asfixia devido a imersão na água”. Foi também referido que Jazmín terá deixado uma mensagem no espelho da casa de banho, afirmando “Vocês não têm culpa que este mundo seja tão feio.”

 

Evitando especular sobre as causas da morte desta rapariga gostaria de realçar o fenómeno, sobejamente conhecido, sobre a vulnerabilidade dos jovens em relação ao flagelo associado ao consumo e abuso das drogas lícitas, incluindo o álcool, e/ou ilícitas.

Actualmente em Portugal, o consumo e o abuso das drogas lícitas, incluindo o álcool, e/ou ilícitas fazem parte integrante do convívio, acto social, de um numero significativo de jovens. Felizmente, não são todos os jovens. Na minha opinião, este fenómeno é encarado como um ritual de passagem para a idade adulta. Isto é, a negação, pressupõe que os consumos de drogas são de curta duração, todavia, não podemos negligenciar os factos; para alguns jovens os consumos esporádicos, aparentemente inofensivos, revelam-se uma via (porta aberta) ao abuso das drogas com graves consequências para as suas vidas a médio e longo prazo. Infelizmente, o caso de Jazmín foi mais um a acrescentar a muitos outros.

 

Aparentemente, através da suposta mensagem que Jazmín que terá deixado, no espelho da casa de banho, parece revelar algumas fragilidades de cariz emocional. Para alguns jovens o consumo de drogas surge como uma almofada às pressões e ao stresse do dia-a-dia. Nesse sentido, o consumo de substâncias psicoactivas lícitas, incluindo o álcool, e/ou ilícitas, poderá assumir um estatuto significativo, semelhante ao de auto medicação e controlo das emoções/oscilação do humor na busca do alivio e bem-estar.

 

Dica:

Caso identifique pressão e/ ou a sensação de vazio em relação aos afectos acompanhado de sentimentos de inadequação, evite consumir substâncias psicoactivas lícitas, incluindo o álcool e/ou ilícitas, visto a sensação que proporcionam ser somente sensações falsas e efémeras de prazer e bem-estar. Com a agravante de puder agravar ainda mais os sintomas de algum eventual problema emocional, por exemplo: depressão, solidão, tristeza.

 

Se identificar mudanças de humor e/ou vazio emocional evite o consolo no consumo de substâncias psicoactivas lícitas, incluindo o álcool e/ou ilícitas. Procure outras alternativas para se mimar. Procure pessoas genuínas, honestas e expresse os seus sentimentos. Invista mais nos afectos, menos nas coisas materiais e/ou nas aparências.

 

Não corra riscos desnecessários. O que, aparentemente, resulta para uma pessoa pode não resultar para outra. Não avalie o seu interior pelo exterior dos outros. Se considera que gosta de explorar o lado bom da vida, invista na sua literacia emocional. A vida encerra segredos que só são revelados aqueles que arriscam.

 

Caso reconheça que o problema que o/a atormenta toma conta da sua vida peça ajuda profissional. Você não está sozinho/a.

 

“O suicídio é uma solução definitiva para problemas provisórios, passíveis de mudar a qualquer momento” José Carlos Santos, psiquiatra.