Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

67ª Dica Arte Bem Viver

image.jpeg

Olá,
é desde a nascença que aprendemos a monitorizar, a gerir as competências individuais e sociais e os recursos quanto ao sofrimento. Apesar de sabermos que o sofrimento faz parte da condição humana, aparentemente, é confuso avaliar os limites do sofrimento. Isto é, saber a diferença, quando o sofrimento é útil, catalisador da mudança e maturidade vs. sofrimento disfuncional, autopiedade (vitimização), controlo e gerador de mais sofrimento.

Na maioria das vezes, sofremos de forma inútil. Não se aprende nada, não se muda nada, com a agravante de aumentar a tolerância à pena, que sentimos de nós mesmos - mártir. Sofrer, como condição autoimposta, não justifica a nossa existência e/ou determinados valores/princípios; evocam-se causas nobres, mas na realidade, nada muda; como ser humano. Continua tudo na mesma, com tendência para piorar e gerar mais sofrimento e drama às nossas vidas. “Os homens (mulheres) não se medem aos palmos.”

Qual foi a lição (aprendizagem) mais recente, que você passou, em relação ao sofrimento?

Se está numa fase dolorosa da sua vida, defina um propósito, isto é, qual é o sentido para o seu sofrimento? O sofrimento acrescenta valor à sua vida?

  • Gestão das emoções dolorosas
    Procure soluções ao enfrentar os problemas. Como sabe, as coisas têm o valor que nós decidimos que elas tenham. Se der demasiada atenção aos problemas insolúveis; o mundo irá conspirar contra si. 

    Não procure agradar e dizer Sim, quando, na realidade, quer dizer Não. Seja o mais honesto/a e autentico consigo, possível.

    Não faça da sua vida, uma antecipação de cenários catastróficos. Não confie sempre nos seus pensamentos e nas suas emoções. Você é aquilo que faz com os pensamentos e sentimentos; não aquilo que sente e ou pensa, irracionalmente.

    Defina metas realistas, específicas e objetivas. Se quer atingir os seus sonhos, é preciso sair da zona de conforto, tire partido de todas as oportunidades (arrisque).

    Procure, nas pessoas de confiança, uma oportunidade para receber feedback (escuta activa).

    Invista na  auto estima; dignifique os seus valores/princípios (pilares).

Votos de uma semana em harmonia; momentos de felicidade e gratidão.

Cumprimentos

 

Nota: caso você esteja interessado/a em receber a Dica Arte Bem Viver, na sua caixa de correio eletronico, é simples, basta enviar um email para joaoalexx@sapo.pt e escrever Dica Arte Bem Viver no assunto da mensagem. È gratis e todos os seus dados são confidenciais. Bem haja

Nação resiliente no facebook

2.jpg

 

Publicação reditada do Facebook de novembro de 2014.

 

Alguns de nós passam uma parte muito significativa das suas vidas, ansiosos a afirmar: "Nunca tenho tempo para nada e nunca consigo gerir bem o tempo. Ando sempre numa correria..."

 

Sabia que os níveis elevados de ansiedade contribuem para a diminuição drástica da capacidade de raciocínio e da memória? Afecta as funções basicas, por exemplo, a memoria de curto prazo e processamento da informação simples e a mais complexa. Interfere na capacidade de diferenciar entre as tarefas importantes e as irrelevantes. Quando estamos ansiosos é tudo urgente.

Dependemos do tempo a fim de conseguirmos gerir as nossas competências e prioridades; urgentes e importantes. 

1) O que é urgente? 

2) O que é importante? 

3) Ou será tudo urgente devido aos níveis elevados de ansiedade, de preocupação e incapacidade em dizer não devido aos sentimentos de culpa?

3 Factos importantes sobre os sentimentos

Gestão dos sentimentos e o auto conhecimento: É Ok sentir, é sinonimo de estarmos saudáveis e vivos.

 

De acordo com determinados paradigmas disfuncionais somos educados a: 1. “Manter a cabeça fria”, 2. “Manter as emoções ao largo”, 3. “Não deixar que as paixões interfiram na logica” 4. A negar e/ou reprimir o medo, a vergonha e a raiva 5. A valorizar as aparências em detrimento do Eu genuíno. Como resultado, concebemos os sentimentos como uma faculdade mental excessiva, imatura e "lamecha" um parceiro do pensamento racional que é dispensável e imposta. Se o sentimento é doloroso sofremos com ele como um intruso indesejado. 

 

Não rotule os sentimentos de “bons” ou “maus”, “certo” ou “errado”. Valorize os seus sentimentos, quer sejam de felicidade e contentamento ou dolorosos e tristeza. É através dos sentimentos que tomamos decisões, que buscamos a motivação para superar a adversidade, que damos azo à criatividade, que intuímos sobre determinada situação importante, que nos aproximamos ou afastamos de pessoas (encontros e desencontros), que valorizamos as nossas necessidades.

Aprenda a discernir e a interpreta-los através da componente cognitiva e assim desenvolver a sua literacia emocional.

Dica:

  • O que é que me provocou este sentimento?
  • O que é que eu penso em relação a _____________ . (incidente associado ao sentimento)?
  • Qual é o significado do sentimento?

Partilhe os seus sentimentos com pessoas de confiança e disponíveis para ouvir. Se deseja explorar os sentimentos, procure  feedback crítico. Recuperar é que está a dar.

 

Há palavras que mudam as pessoas

É através da palavra que expressamos os pensamentos e os sentimentos. É através da palavra que comunicamos as nossas necessidades uns com os outros.

A palavra é uma ferramenta que utilizamos para enaltecer e legitimar, mas também se pode transformar numa arma para humilhar e ofender.

- Quais são as palavras que normalmente, você utiliza para se valorizar? Considera que também utiliza as mesmas palavras para valorizar as pessoas significativas?

- Quais são as palavras que normalmente, você utiliza para se criticar? É uma critica construtiva ou o oposto? Considera que também utiliza as mesmas palavras para criticar o outro?

 

No dia-a-dia, monitorize o efeito das seguintes palavras no seu desenvolvimento pessoal:

"Sou estúpido/a",

"Sou feio/a",

"Não sou boa pessoa",

"Não presto para nada",

"Não sou capaz",

“Eu devia…”,

“Eu tenho…”.

Pare de usar estas palavras contra si. Pode estar a criar, na sua mente, uma ideia disfuncional (pensamentos automáticos negativos), de algo que não tem valor.

 

Mude as suas palavras e mude o seu mundo interior

28ª Dica Arte Bem-Viver, de 02/10/2011

Olá, exclusivamente para si, Bom Ano de 2014.

A 28ª Dica Arte Bem-Viver, está relacionada com o trabalho e o espírito de equipa.

 

Durante catorze anos consecutivos trabalhei num contexto de equipa, com supervisão individual, altamente dinâmico, que me possibilitou um conhecimento muito significativo a nível pessoal e profissional.

 

Passamos uma parte significativa das nossas vidas a trabalhar. Enquanto crianças, ouvimos com muita frequência: «O que é que queres ser quando fores grande?». Desde cedo fazemos um grande investimento na realização profissional e levamos adiante esse projecto, com altos e baixos, avanços e recuos, até ao final dos nossos dias. Crescemos e amadurecemos a trabalhar. Somos ensinados a ambicionar segurança, prestigio, reconhecimento, poder e sucesso. Se não monitorizarmos os objectivos e o propósito, podemos até ficar adictos ao trabalho (workaholics), desenvolvendo expectativas irreais, e assim sacrificar todas as outras áreas das nossas vidas, exemplos: relacionamentos de intimidade, família, incluindo os filhos, auto conceito, amigos, hobbies.

 

Considero, ao contrário daquilo que muitos pensam, que a questão financeira não é a motivação principal para um excelente desempenho profissional. Considero dois factores importantes. Primeiro: A gratidão (paixão) de desempenhar algo pela qual estamos dotados e que se enquadra no nosso perfil. Segundo: um óptimo ambiente de trabalho (ex. espírito de equipa).

 

Não é sinónimo de excelência, de compromisso e/ou profissionalismo ser medico, engenheiro, advogado, ou possuir um MBA (master business admnistration ) etc. Na minha opinião, acima de tudo é preciso atitude, compromisso, liderança e dedicação à causa. Quero dizer com isto que, existem pessoas que desempenham a sua profissão e/ou seguem as suas carreiras, mas poucas são profissionais de excelência.

 

Trabalha em equipa? Algumas curiosidades, sobre o espírito de equipa, baseadas na minha experiência profissional:

1. Em termos de potencial, o que é que você acrescenta à sua equipa de trabalho (espírito de equipa)?

2. Em termos de potencial, o que é o/a distingue dos seus colegas?

 

Sabia que tudo aquilo que acontece no seio do trabalho de equipa/grupo influencia cada um dos seus membros, ainda que possa não ser notado. Alguns factores que influenciam a dinâmica de grupo de trabalho: aceitação, apoio e esperança, altruísmo e vivências (diversidade), avaliação. E o potencial (mais valia) que cada membro da equipa proporciona aos restantes membros do grupo.

 

Sabia que as pessoas que nunca tenham trabalhado num contexto de grupo/equipa, de início, apresentam a tendência para percepcionar o grupo como uma entidade fechada e confusa à qual sentem uma certa hostilidade. Algumas pessoas pensam: «Que grande confusão» ou «Tanta gente! Isto vai ser um complicado.» Não conseguem ter uma perspectiva organizada.

 

Um dos factores mais importantes, para o êxito ou o insucesso no trabalho de grupo, é a disponibilidade, de cada indivíduo para este tipo de contexto, assim como, as suas características pessoais. Refiro-me ao compromisso e/ou a falta dele.

 

Sabia que o trabalho em equipa pode fornecer um nível de estimulação significativo capaz de activar processos que permitem a tomada de consciência das suas próprias qualidades, das suas áreas de maior dificuldade no relacionamento com as outras pessoas e facilitar novas crenças construtivas.

« I Love My Job» e você?

 

Votos de uma semana de trabalho motivada para a auto realização e para o espírito do grupo.

 

Cumprimentos,

 

 

Comentário: Sabia que a Dica Arte de Bem-Viver começou com uma "brincadeira" para os amigos, em Abril de 2011? Atualmente é enviada para mais de 500 pessoas e vários países de expressão portuguesa (Portugal, Angola, Moçambique e Brasil) e para os Estados Unidos da América. À data deste post vai na sua 145ª publicação. Caso deseje receber a Dica Arte Bem-Viver (semanal) basta enviar um email para joaoalexx@sapo.pt. No assunto da mensagem escreva: Dica Arte Bem-Viver. Todos os dados são confidenciais. É grátis. Recuperar É Que Está A Dar. 

Negar a realidade significa agravar os sintomas

 

 

Sabia que uma parte significativa das pessoas com comportamentos adictivos (drogas, álcool, jogo, distúrbio alimentar, sexo, codependência, compras, furto) retardam um tempo considerável, em alguns casos décadas, até finalmente reconhecerem que perderam o controlo das suas vidas? Derivado a um conjunto complexo de factores, onde podemos destacar os mecanismos defesa psicológicos (por exemplo a negação, a ambivalência), ficam incapacitados de interromper o comportamento problemático, associado à procura do prazer intenso (excitação, bem estar, alivio) mesmo com a consciência dos danos e consequências associadas à adicção. A Adicção é uma doença primária, não é um sintoma de outro tipo de doença.

 

Quando o passado (memorias) se torna um "peso" intolerável e esmagador é necessário um plano de emergência, para o presente. É um desperdício de tempo e energia reparar algo, do passado, no presente que na realidade é irreparável. O tempo não pára ou volta para trás, mas a adicção pode afectar e comprometer seriamente o individuo com consequências trágicas.

 

Muitas das pessoas que pedem ajuda, para os comportamentos adictivos, o seu nível de motivação é significativamente reduzido, porque consideram que não é algo divertido. Consideram ser assustador pensar que devem preocupar seriamente com o comportamento problema em questão, na prática, se preocuparem pode significar responsabilidade pela mudança e pelo compromisso. É do senso comum que a dor faz parte do desenvolvimento das nossas competências e talentos, todavia, fugimos dela; negando, iludindo, justificando, racionalizando e mentindo. Por vezes, nem sequer reconhecemos que estamos a mentir, a nós mesmos, auto ilusão.  

 

  • Evite o consolo no prazer imediato (drogas, e/ou comportamentos adictivos), evite culpar os outros de coisas que eles, na realidade, não são culpados. Evite a autopiedade e desafie o seu ego (dogmático).
  • Procure as respostas às suas dúvidas e questões dentro de si mesmo, através do auto conhecimento.
  • Procure alternativas recompensadoras para se mimar.
  • Procure pessoas genuínas e honestas. Se você está doente, faça aquilo que a maioria das pessoas doentes faz, procure apoio, a fim de interromper a progressão da doença e iniciar a sua recuperação.

24ª Dica Arte Bem-Viver de 04/09/2011


Olá, 

a Dica da Arte de Bem-Viver desta semana é dedicada ao Medo. Como bem sabe o medo faz parte das nossas vidas. Sem ele (medo) não estaríamos vivos, mas se levado a extremos pode contribuir para níveis elevados de ansiedade, preocupação, pânico, ódio, agressividade. É uma questão de saber e conseguir interpretar os pensamentos que originam o medo (equilíbrio). Infelizmente aprendemos, na nossa cultura e agravado pelo estilo de vida consumista e hedonista, a fugir e a negar as emoções, acreditando que assim iremos livrar-nos do Medo. Na realidade, esta atitude não funciona em abono da verdade, bem pelo contrario, é necessário enfrenta-lo e conhece-lo. Sabia que uma das manifestações mais comuns sobre o medo, no dia-a-dia, é a projeção de cenários catastroficos geradores de preocupação excessiva e controlo?

 

Pergunte a si mesmo: Qual o motivo pela qual esta situação me está a causar medo? Qual é o sentido em sentir este medo?

 

  • Alguns medos mais comuns:

Medo do abandono, medo da rejeição, medo da intimidade, medo do medo, medo falhanço/sucesso, medo do desconhecido.

 

Da mesma maneira que valoriza a gratidão e a felicidade, sugeria que abençoe o Medo, como uma dádiva da Vida. É através do medo que desafiamos as nossas questões existenciais mais complexas do nosso devir (intuição, motivação, curiosidade, introspecção, reflexão) e desenvolvemos as competências cognitivas e emocionais. Quando procuramos identificar competências e recursos para enfrentar o Medo (paralisa, incapacitante), isso significa que ao mudar de padrões/rotinas/status (atitudes e comportamentos), por vezes as coisas pioram antes de ficar melhor. Isto não é sinónimo de falhanço, mas avanço. Identificou-se o medo, fomos apresentados a ele.

Factos sobre o medo. Conforme vamos crescendo e desafiando os nossos limites (status) o medo não irá desaparecer. Paradoxalmente, enfrenta-lo melhora os niveis de auto estima, o auto conceito e é mais recompensador do que adotar condutas de evitamento (medo do medo). Todos nós sentimentos medo em contextos desconhecidos.

 

A coragem não é ausência do medo; mas o compromisso em transformar o mito e/ou o status em realidade. Siga o seu proposito (objetivos) e proporcione ao medo um sentido construtivo na sua vida - Liberdade de escolha e expressão.


Votos de uma semana com coragem

 


Comentário
: Sabia que a Dica Arte de Bem-Viver começou com uma "brincadeira" para os amigos, em Abril de 2011? Atualmente é enviada para mais de 500 pessoas e vários países de expressão portuguesa (Portugal, Angola, Moçambique e Brasil) e para os Estados Unidos da América. À data deste post vai na sua 100ª publicação. Caso deseje receber a Dica Arte Bem-Viver (semanal) basta enviar um email para joaoalexx@sapo.pt. No assunto da mensagem escreva: Dica Arte Bem-Viver. Todos os dados são confidenciais. É grátis. Recuperar É Que Está A Dar.

 

O que é que aconteceu à felicidade da mulher?

Recue uns 40 ou 50 anos e imagine-se, como mulher, a viver nos anos do Portugal do Estado Novo. Nesse passado não tão longínquo, as mulheres casadas não podiam ausentar-se do país sem autorização escrita do marido e as enfermeiras não podiam casar. A gestão dos bens do casal, incluindo da mulher, pertenciam ao marido e numerosas profissões estavam legalmente vedadas às mulheres.

 

 

Hoje os tempos são outros e, comparativamente, a situação da mulher melhorou muito, mesmo que ainda haja muito a fazer culturalmente. As mulheres são mais independentes, têm mais direitos e liberdades, formam-se em maior número nas universidades, distinguem-se em diversas profissões e ascendem a lugares de adminstração ou cargos politicos.

 

 

Com estas mudanças, teriamos, assim, muitos motivos para ter elevados índices de felicidade nas mulheres, mas paradoxalmente tal não acontece. Segundo alguns estudos* de referência, desde a década de 70 que o nível geral de felicidade da mulher nos EUA e na Europa, tende a cair e acentua-se à medida que a mulher avança na idade, contrariamente ao do homem. Em Portugal, as mulheres trabalham mais e dormem menos, as doenças associadas ao estilo de vida e ao stress, assim como o consumo de tabaco e anti-depressivos tendem a aumentar.

 

 

O que é que aconteceu?

 

Podemos associar vários factores que comprometem a saúde e o bem-estar da mulher, tais como factores biológicos mais propensos à depressão, a sobrecarga de trabalho resultante da desigualdade na distribuição das tarefas domésticas e responsabilidades familiares, o dilema carreira - família, as exigências da educação dos filhos na sociedade actual, a pressão cultural para corresponder a padrões de beleza e de desempenho irrealistas, entre outros.

 

 

 


Em recuperação, qual é a sua Vocação?

Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa, 6ª Edição da Porto Editora a designação de Vocação é: acto de ser chamado ou predestinado para um determinado fim; inclinação e predisposição para um certo género de vida, profissão, estudo ou arte. Tendência, talento; jeito; índole.

 

 

Hoje em dia, existem numerosos livros e investigação sobre os interesses vocacionais; individuais e/ou sociais. Uma grande parte dessa literatura está direccionada para a área profissional por ex. liderança, gestão de recursos humanos, trabalho em equipa. Desde sempre que o trabalho é considerado uma das mais importantes actividades nas nossas vidas. Sabia que a maioria dos adultos gasta mais tempo a trabalhar do que a dormir e/ou a divertir-se? Outra parte dos adultos apresentam dificuldades acrescidas na altura de escolher as suas carreiras e/ou profissões. Esta questão existencial desconfortável é também idêntica aos relacionamentos românticos e intimidade (vivência com o/a parceiro/a). Uma parte significativa de indivíduos sentem remorsos e/ou arrependimento depois de fazer as suas escolhas.

 

Em recuperação (re) encontra-se a vocação.

O que é que a vocação tem a ver com a recuperação dos comportamentos adictivos? Antes que alguém possa desenvolver comportamentos adictivos (seja substâncias adictivas lícitas, incluindo o álcool, e ou ilícitas, jogo, sexo, dependência emocional, compras (shopaholics), distúrbio alimentar, shoplifting (furto) convém recordar, antes demais, que somos seres gregários e dependemos das conexões (vínculos) com as pessoas à nossa volta, principalmente as pessoas significativas. Somos dependentes, por exemplo, quando estamos doentes, assustados (ex. desemprego), deprimidos (ex. separação/divorcio), angustiados (doença de alguém significativo), inadequados, fragilizados, impotentes e perdemos o controlo. Todavia, o oposto também sucede quando partilhamos as nossas vitórias (ex. carreira profissional de sucesso), ambições (projectos de vida, superar doença), sucessos (casamento, nascimento) e gratidão (recuperação da adicção). Todavia, dificilmente aprendemos a desenvolver e a investir em determinados valores individuais, sociais e espirituais (não religioso, sem dogmas e/ou divindades) como por exemplo o amor, o propósito e o sentido da vida, a honestidade, o desapego, a intuição, a resiliência, assim, e de uma forma abrupta, a meio da adolescência, somos “empurrados” para o mundo dos adultos (cultura) e ensinados a estudar para ter sucesso, afim de arranjar uma profissão bem remunerada, constituir família e comprar casa. A independência e a autonomia, definida pelos adultos, exige um estabelecido status com base nas referências anteriormente descritas; sucesso, profissão, casar e casa.

 

 

 

Dizer Não em contextos sociais - Lista de Não(s)

 

 

Para os indivíduos que estão abstinentes de álcool e/ou substâncias psicoactivas (Recuperação) apresento uma lista de respostas para aquelas situações caricatas e desconfortáveis (pressão social) quando surge alguém e pergunta “Queres beber um copo? Vamos divertir à grande… Não sejas careta…É só hoje..”

 

A abstinência de bebidas alcoólicas ou substâncias ilícitas (drogas) é um compromisso individual, mas em alguns contextos sociais pode ser um acto isolado, isto é, não se pode pedir a outra pessoa para ser responsável por isso, mesmo que não seja entendido ou respeitado. Por isso, não necessita justificar as suas decisões, assuma essa atitude, perante a pressão social.

 

Conheço um caso de um indivíduo abstinente de substâncias psicoactivas, incluindo o álcool, há dez anos, o próprio pai sugeriu ao filho “Olha lá, estamos aqui a festejar e já passou tanto tempo desde que estás abstinente, não achas que já podes beber um copo de champanhe?!” O filho optou por continuar abstinente, sem justificar, ao pai a sua escolha pessoal.

Quando o ambiente (ex. festa, jantar entre amigos/as) é desconfortável pode sentir uma sensação de vulnerabilidade perante cenários imprevistos.

 

Dizer Não pode ser difícil, mas com habilidade criativa e competência treinada os resultados são satisfatórios e encorajadores. Na comunicação podemos escolher as respostas que mais se adequam aos nossos valores e decisões, é um direito que nos assiste - Assertividade. Qualquer resposta serve, sem ser justificada.

 

Algumas dicas:

 

  • Não obrigado, estou a beber uma água.
  • Bebidas alcoólicas interferem com a medicação para a asma.
  • Obrigado pelo convite, mas tenho imenso trabalho para fazer em casa.
  • Não obrigado, prefiro beber a minha bebida favorita (ex. coca-cola ou outra qualquer).
  • Sou alérgico ao álcool.
  • Não bebo bebidas alcoólicas, porque esta noite vou conduzir.
  • Amanhã tenho um teste importante.