Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Viver em função de numeros compromete a autoestima

11666156_10153428586879235_1437848439552407395_n.j

 

«Não é o peso que dita a saúde e o amor próprio» Redefinir a Imagem Corporal

E atrevo-me a acrescentar, peso e imagem. Contrariamente, ao que podemos pensar, algumas pessoas com o peso e imagem, dito, «ideal» não são pessoas com autoestima, visto adotarem comportamentos e dietas disfuncionais, em relação a uma alimentação saudável e equilibrada. No caso da perturbação do comportamento alimentar (anorexia, bulimia, ingestão compulsiva, vulgo binge eating) é o equivalente à ditadura dos números (vive-se em função do numero das calorias, do peso na balança e da imagem).

Segundo o Dr. Walter Kaye, investigador da Universidade da Califórnia (San Diego, EUA) afirma que as crianças predispostas a desenvolver a perturbação do comportamento alimentar são perfecionistas, ansiosas e os comportamentos são orientados por desafios rigorosos, competição excessiva e extremamente exigentes consigo próprios, assim como, estão vulneráveis às dietas restritivas e à imagem corporal. Contudo, a perturbação do comportamento alimentar revela-se mais complexa do que as características perfecionistas e pessoas extremamente competitivas.

Normalmente, quando temos acesso a informação sobre a perturbação do comportamento alimentar (PCA) são através de noticias, nas revistas ou na televisão, de figuras publicas a assumirem o seu problema. Na maioria dos casos, são mulheres, atrizes ou modelos. Desta forma, podemos ficar com a ideia errada, de que a perturbação do comportamento alimentar está somente associada aos fatores externos; à pressão cultural do «corpo perfeito» e às pessoas do sexo feminino. Apesar dos fatores culturais, das questões familiares e ou eventos traumáticos, estarem associados à perturbação do comportamento alimentar, de acordo com a investigação mais recente, não são assim tão relevantes como se pensava, os fatores determinantes que contribuem para o PCA estão localizados no cérebro (funcionamento de algumas estruturas cerebrais – circuitos neuronais). É fundamental, compreender os fatores associados à doença, a fim de, desenvolverem-se abordagens inovadoras ao tratamento. Para a maioria das pessoas, sentar-se à mesa, proporciona sensações agradáveis, contudo para as pessoas com perturbação do comportamento alimentar, a mesma situação proporciona sensações desconfortáveis e preocupantes. Aparentemente, isso acontece por questões biológicas (International Journal of Eating Disorders, 2012).

 

 

Carta ao Jack, amigo do pai.

 

O pai de Laura tinha um problema com o alcool, nesse sentido, ela decidiu escrever uma carta ao « Jack, amigo do pai». Sabia que as crianças, são negligenciadas nos casos em que o progenitor ou ambos abusam do álcool?  São o elo mais fraco.

 

As mulheres estão mais vulneráveis, do que os homens, às consequências do álcool

Ao visualizar este video, recordo as variadíssimas historias de mulheres, que acompanhei em tratamento do alcoolismo (e abuso do álcool), ao longo dos últimos vinte anos, em que todas, são poucas as excepções, referem os danos causados pela doença da adicção e a impotência para travar os abusos físicos, emocionais e sexuais. Traumas que permanecem para a vida e com os quais aprendem a viver, o melhor possível. Enquanto outras mulheres, também sujeitas ao abuso, permanecem em silencio, vitimas do estigma e da vergonha.

 

Ao contrario do que acontecia há vinte anos, actualmente, o numero de mulheres com problemas com o álcool tem  aumentado significativamente. Isto significa que a cultura e os padrões de consumo (e abuso) de bebidas com teor alcoólico, por parte das mulheres, tem sofrido algumas alterações significativas, na minha opinião profissional, para pior, resulta em perda de qualidade de vida.

Veja o video e faça os seus comentarios.

 

Recuperar é que está a dar.

 

Sou mãe de um adicto

baby_hand_held.3.JPG

 

“Sou a mãe de um adicto*” por dfdwilkins

 

Ser mãe de um adicto não é a mesma coisa que ser mãe de um filho com cancro, diabetes ou VIH.

Ser mãe de um adicto não é a mesma coisa que ser mãe de um filho que serve o seu país no estrangeiro com honra.

Ser mãe de um adicto não é a mesma coisa que ser mãe de um filho que já não vive em casa, é chorado e lembrado todos os dias, pelos seus entes queridos

 

Sou a mãe de um adicto

Não existem maratonas, campanhas de angariação de fundos ou campanhas de sensibilização com pessoas bonitas e famosas sobre os efeitos trágicos desta doença

Não existem bandeiras hasteadas ou pulseiras coloridas que sirvam para reconhecer, orgulhosamente, as acções do meu filho

Só existem lagrimas, gritos silenciosos e angustia quando alguém bater à porta ou através de uma chamada telefónica com uma notícia trágica de algo que possa ter acontecido ao meu filho

 

Sou a mãe de um adicto

Vejo o meu filho todos os dias, mas não estou feliz, embora ache, com um certa dose de alívio, que a melhor maneira de o ajudar, não é querer controlar, pelo contrário, é deixar que ele tenha a sua própria vida e aprenda com as consequências das suas decisões

Quando oiço aquilo que ele diz, antecipo com medo e preocupação o futuro do meu filho, apesar de tudo, ainda tenho uma réstia de esperança

Quando olho para o meu filho, questiono-me se algum dia irei voltar a ter uma relação de confiança com ele, abraça-lo ou em último caso, se irei voltar a vê-lo outra vez

 

 

 

O jogo problemático é um problema de saúde publica

 

Este artigo foi publicado no Jornal de Negócios (17 de Fevereiro de 2014)e está disponível só para assinantes online , nesse sentido, disponibilizo-o para si que é seguidor do blogue Recuperar das dependencias.

 

Jornal de Negócios: Nos últimos anos, o volume de jogos de fortuna e azar e apostas desportivas foram aumentando quer em locais físicos, mas como através da Internet. Esse crescimento foi acompanhado pelo registo de incremento de pessoas com adicção de jogo?

O incremento de pessoas com adicção ao jogo e o jogo patológico, através da internet tem sido exponencial. Por exemplo, no final dos anos 90 a maioria dos indivíduos adictos ao jogo, em casinos, eram adultos na casa dos 40 e dos 50 anos. Hoje em dia através do acesso online, chegam às consultas indivíduos com problemas associados ao jogo com idades entre os 24 e os 30 anos. Todavia, isso não quer dizer que todos sejam adictos ao jogo, isto é, alguns são indivíduos com problemas associados ao jogo que varia entre moderado e grave. Na sua pergunta refere adicção, nesse sentido, importa saber o que é a adicção. A adicção afecta a saúde do indivíduo, os vínculos familiares, incluindo das crianças, o desempenho profissional e a qualidade de vida. Ser adicto não é uma escolha pessoal. Ao longo de vinte anos de experiência profissional, na área da adicção, nunca ouvi nenhum individuo afirmar que escolheu ser adicto. Não é um acto voluntario, o individuo perde o controlo, a compulsividade, o craving (desejo intenso e irracional pela actividade) e continuação do comportamento apesar das consequências negativas. A Sociedade Americana da Medicina da Adicção define a adicção como uma doença primária, crónica que interfere e afecta o sistema/estrutura do cérebro responsável pelo prazer e recompensa, pela motivação e memoria e os circuitos neuronais adjacentes. Sabemos que uma alteração e disfunção destes circuitos neuronais conduzem ao aparecimento de sintomas a nível biológico, psicológico, social e espiritual no indivíduo, que se reflectem na busca e recompensa patológica do prazer. Por outras palavras, a adicção funciona como uma “almofada” perante determinadas situações e adversidades ao longo da vida do indivíduo. Este fenómeno repete-se com a adicção às substâncias psicoactivas lícitas, incluindo o álcool, as ilícitas, vulgo drogas, com o jogo, o sexo, as compras, o furto. A fim de ficar esclarecido existe um critério que identifica o jogo problemático (moderado a severo) e um critério para a adicção (doença primária e crónica). A adicção não é um vírus.  

Segundo estudos (American Medical Association, EUA, 2000) existem factores genéticos em comum entre os indivíduos jogadores patológicos do sexo masculino e o álcool. Todavia, também gostaria de referir que nas últimas duas décadas, com os avanços tecnológicos e a investigação, principalmente nos EUA e Canadá, ainda estamos a aprender sobre o que é a adicção; as causas, a identificar aqueles indivíduos mais vulneráveis e os tratamentos disponíveis mais adequados.

 

Jornal de Negócios: É possível traçar o perfil do jogador compulsivo?

Segundo uma investigação no Canadá, os indivíduos com problemas associados ao jogo compulsivo (patológico) apresentam quatro vezes mais probabilidades de serem diagnosticados com doença mental, relacionado com perturbação do humor e ansiedade, do que os indivíduos não jogadores. A actividade associada ao jogo começam na adolescência, com mais prevalência no sexo masculino do que no sexo feminino.

Na minha experiencia profissional o perfil do individuo jogador compulsivo oscila entre os 24 e os 56 anos. Sexo masculino, classe media/alta, licenciados com carreiras profissionais estáveis, trabalham em excesso, têm dívidas, gostam de quebrar regras e correr riscos, são impulsivos e egocêntricos. Acreditam que o dinheiro é a causa e/ou a solução para os seus problemas. Alguns deles afirmam, em situações de desespero, ideações e tentativas de suicídio. Alguns destes indivíduos são oriundos de famílias desestruturadas com problemas de álcool, jogo e violência doméstica.    

 

 

 

Recuperar da adicção - "The Anonymous People"

 

 

 

 

A Adicção veio para ficar com consequências trágicas. Todavia, existe a esperança, milhões de pessoas encontraram as respostas para os seus problemas.

 

Veja este vídeo (trailer) do filme "The Anonymous People" siga o link


Recuperar É Que Está A Dar

26/6 Dia para reflexão aprofundada sobre a consciência da realidade

O dia 26 de Junho assinala o Dia Internacional Contra o Abuso de Drogas e o Trafico Ilícito. Este dia, para mim, é de reflexão, onde dedico algum tempo à pesquisa de artigos publicados forma a manter-me actualizado sobre a evolução deste fenómeno avassalador, para uns representou uma verdadeira tragedia. Nomes sonantes vítimas das dependências, recordo, Micael Jackson, Amy Winehouse e Whitney Houston, só para enumerar alguns, sem esquecer os indivíduos desconhecidos e as suas famílias.

 

Em Portugal, estou em crer, que este dia, nunca mereceu a devida atenção e até posso acrescentar que para a maioria da população portuguesa passa despercebido, principalmente devido ao estigma, à negação e à vergonha associados à dependência de substâncias psicoactivas, vulgo toxicodependência. Estamos atrasados duas décadas em relação ao que se pratica, se ensina, investiga e no tratamento das dependências a nível internacional. Trabalho nesta área, desde 1993, e ainda constato, por parte dos profissionais de saúde, um certo tipo de ignorância e/ou desinteresse. Por exemplo, as universidades portuguesas ainda não possuem as condições e os recursos necessários a fim de motivar os seus alunos para a área das dependências. Tenho outro exemplo, mais concreto, conheci vários psicólogos e são unânimes em afirmar que aquilo que aprendem, sobre as dependências nas universidades, é insuficiente. Já para não referir a questão da prevenção das dependências, que tal como o tratamento do abuso e dependência de drogas, é uma matéria que ainda não mereceu por parte dos responsáveis políticos, dos media, dos tribunais e dos advogados, das mais diversas Ordens de profissionais da saúde e da sociedade em geral a devida atenção. Todos nós, eu e você, negamos as evidências óbvias.

 

 

 

Ecstasy (MDMA) pode ser perigoso e letal

As aparências podem iludir

Jazmín de Grazia (04 de Julho de 1985 / 05 de Fevereiro de 2012)

 

Uma notícia no jornal (JN)de 07 de Fevereiro, atraiu a minha atenção, o título referia o seguinte “Modelo argentina afogou-se na banheira. Jazmín de Grazia, de 27 anos, foi encontrada morta em casa pelo namorado. Droga pode ser a causa.”

 

Após pesquisar, pela internet, soube que Jazmín após a sua participação num reality show argentino, na altura com 18 anos, tornou-se modelo, mais tarde chegou a ser capa da revista Playboy, também era apresentadora de vários programas de televisão. Mais um caso, de uma jovem que alcançou o estrelato, de rápida ascensão, através dos tão badalados e afamados programas denominados reality show. Todavia, com um trágico desfecho aos 27 anos.

 

De acordo com a notícia, teria sido encontrado restos de cocaína no seu apartamento, todavia a autópsia revelou que a causa da morte foi “asfixia devido a imersão na água”. Foi também referido que Jazmín terá deixado uma mensagem no espelho da casa de banho, afirmando “Vocês não têm culpa que este mundo seja tão feio.”

 

Evitando especular sobre as causas da morte desta rapariga gostaria de realçar o fenómeno, sobejamente conhecido, sobre a vulnerabilidade dos jovens em relação ao flagelo associado ao consumo e abuso das drogas lícitas, incluindo o álcool, e/ou ilícitas.

Actualmente em Portugal, o consumo e o abuso das drogas lícitas, incluindo o álcool, e/ou ilícitas fazem parte integrante do convívio, acto social, de um numero significativo de jovens. Felizmente, não são todos os jovens. Na minha opinião, este fenómeno é encarado como um ritual de passagem para a idade adulta. Isto é, a negação, pressupõe que os consumos de drogas são de curta duração, todavia, não podemos negligenciar os factos; para alguns jovens os consumos esporádicos, aparentemente inofensivos, revelam-se uma via (porta aberta) ao abuso das drogas com graves consequências para as suas vidas a médio e longo prazo. Infelizmente, o caso de Jazmín foi mais um a acrescentar a muitos outros.

 

Aparentemente, através da suposta mensagem que Jazmín que terá deixado, no espelho da casa de banho, parece revelar algumas fragilidades de cariz emocional. Para alguns jovens o consumo de drogas surge como uma almofada às pressões e ao stresse do dia-a-dia. Nesse sentido, o consumo de substâncias psicoactivas lícitas, incluindo o álcool, e/ou ilícitas, poderá assumir um estatuto significativo, semelhante ao de auto medicação e controlo das emoções/oscilação do humor na busca do alivio e bem-estar.

 

Dica:

Caso identifique pressão e/ ou a sensação de vazio em relação aos afectos acompanhado de sentimentos de inadequação, evite consumir substâncias psicoactivas lícitas, incluindo o álcool e/ou ilícitas, visto a sensação que proporcionam ser somente sensações falsas e efémeras de prazer e bem-estar. Com a agravante de puder agravar ainda mais os sintomas de algum eventual problema emocional, por exemplo: depressão, solidão, tristeza.

 

Se identificar mudanças de humor e/ou vazio emocional evite o consolo no consumo de substâncias psicoactivas lícitas, incluindo o álcool e/ou ilícitas. Procure outras alternativas para se mimar. Procure pessoas genuínas, honestas e expresse os seus sentimentos. Invista mais nos afectos, menos nas coisas materiais e/ou nas aparências.

 

Não corra riscos desnecessários. O que, aparentemente, resulta para uma pessoa pode não resultar para outra. Não avalie o seu interior pelo exterior dos outros. Se considera que gosta de explorar o lado bom da vida, invista na sua literacia emocional. A vida encerra segredos que só são revelados aqueles que arriscam.

 

Caso reconheça que o problema que o/a atormenta toma conta da sua vida peça ajuda profissional. Você não está sozinho/a.

 

“O suicídio é uma solução definitiva para problemas provisórios, passíveis de mudar a qualquer momento” José Carlos Santos, psiquiatra.

 

 

 

Vitimas do estigma, da negação e da vergonha

O alcoolismo é um problema de saúde pública em Portugal. Na minha opinião, é uma epidemia (doença), que assume proporções graves e é negligenciada pelas autoridades competentes; políticos, tribunais, ordem dos médicos, ordem dos psicologos, ordem dos advogados e comunicação social.
Quais são os custos económicos e sociais do abuso do álcool e do alcoolismo em Portugal? Não creio que existam estudos que respondam a esta questão. Quais as consequências para a família, incluindo as crianças inocentes? Não creio que existam estudos que respondam a esta questão. Cada caso um caso, convém recordar que por detrás dos números/estatísticas existem pessoas, incluindo as crianças, que assistem, impotentes, diariamente ao drama do abuso do álcool e do alcoolismo. Sabia que o abuso do álcool e do alcoolismo é um fenómeno transversal na nossa sociedade?

Existem mais óbitos associados ao álcool do que com o vírus da gripe mais letal. Quantas vítimas mais são necessárias para que as autoridades competentes e a sociedade civil despertem para este pesadelo realista? Caso você conheça alguns estudos que contemplem estas questões, peço que envie para o email: joaoalexx@sapo.pt. Bem haja

 

Pertencemos a uma cultura que bebe. Os números/vítimas não param de aumentar perante a passividade e o consentimento das autoridades (in)competentes. Os numeros divulgados neste blogue são apenas a ponta do icebergue.

  • 2017

53. Noticia no JN (14/10/17) - Espinho, Paramos. "Agressão entre irmãos. Uma discussão entre irmãos (...) terminou com um a desferir golpes sobre o outro. Os cortes foram superficiais, pelo que a vitima não corre perigo de vida. O agressor, de 41 anos, com dependencia do alcool, agrediu o irmão, de 43 anos, com uma faca de cozinha dentro da habitação."  

52. Noticia no Porto Canal (25/09/2017) Arcozelo. "Homicidio em barcelos ocorreu num quadro de droga e alcool. (...) Segundo a fonte o agressor e a vitima partilhavam um barraco numa quinta eter-se-ão desentendido na noite de domingo. No meio da discussão a vitima terá sido esfaqueada acabando por morrer."

  •  2016

51. Noticia no JN (07/12/16) Vila Verde. "Agressor da mãe aceitou tratar-se. Luís, 40 anos, sofre de alcoolismo, aceitou fazer um tratamento, incluindo ser internado, para não ser preso três anos e meio por agredir a mãe. O arguido, foi acusado de agredir a propria mãe, entretanto falecida, a quem furtava galinhas para vender e com o dinheiro consumir bebidas alcoolicas."

  •  2015

50. Segundo o Instituto Nacional de Estatística refere que, em 2014, foram registados 89 mortes devido ao abuso do álcool - 20,2% em Lisboa e 8,o% Porto. A idade media do óbito para esta causa de morte foi de 63,1 para os homens e 65,8 para as mulheres.

49. Noticia no JN (12/4/15) Linda-a-Velha - "João Pedro está indiciado pelo homicídio do filho Henrique de seis meses". De criança "adorável" a homem "violento". Segundo alguns testemunhos "O álcool constituía o maior problema. Era violento quando bebia. Quando bebia ele perdia-se completamente."

48. Noticia no JN (10/1/15) Guimarães - "Atropelado depois de beber 4 bagaços. Um homem com 64 anos morreu atropelado (...) na via rápida que liga as vilas de Brito e Pevidém. A dona do café, onde o homem almoçava e jantava todos os dias, recorda-o como boa pessoa, apesar do vicio do álcool"

  • 2014 ( 5 vitimas)

47. Noticia no JN (20/12/14) Ílhavo - "Mãe confessa ter bebido uma garrafa no carro. Foi ontem a tribunal a mulher que conduzia alcoolizada com os quatro filhos - de dezassete, oito e quatro anos e um de cinco meses."

 

46.  Noticia no JN (25/09/14) Guimarães - " Alerta foi dado pela empregada de limpeza do prédio no bairro social. Homem viva sozinho e tinha problemas de álcool. Um homem de 50 anos estava há 15 dias morto em casa. O corpo estava em decomposição avançada. Cirrose matou-o."

 

45. Noticia no JN (23/08/14) Aveiro - "Bêbado abusava da filha menor. Libertado por juiz de instrução criminal após ser ouvido no DIAP. Quando estava embriagado, um homem de 50 anos, abusava da filha, menor de idade. O caso aconteceu no seio do ambiente familiar, em casa,  e veio a ser descoberto por outros membros da família, que denunciaram o pedófilo às autoridades."

 

44. Noticia na TVI24 (19/06/14) - Aveiro - A Polícia Judiciaria de Aveiro anunciou esta quinta feira a detenção de um homem, de 47 anos, suspeito de ter ateado, na passada quarta feira, um incêndio na casa onde residia com a mãe, em Anadia. « O suspeito , a residir em casa da mãe, com um quadro de forte alcoolismo e outros problemas psiquiátricos, ao inicio da noite, presumivelmente utilizando um isqueiro, etrá iniciado um foco de incêndio no quart onde se encontrava (...)»

 

 

43. Noticia no JN (19/01/14) - Porto - "Corpo de António R. estava há três semanas por reclamar. Falecera no Hospital de Santo António, trazido de emergência da pensão onde fora instalado pela Segurança Social, e ali continuava à espera de quem o reclamasse. António R. tinha 61 anos e era dono de uma vida desregrada pelo álcool (...)"

  • 2013 (12 vitimas)

42. Noticia no JN (02/11/13) - Valongo - "Alcoólico doente morreu ao cair da ponte pedonal. Era um alcoólico conhecido em Valongo o homem de 40 anos que anteontem, às 18.45 horas morreu (...). David M. (...) foi muitas vezes recolhido pelos bombeiros na rua, derrotado pelo alcool."

 

41. Noticia no JN (27/09/13) - Monção - "Antiga locutora de rádio morta em casa devoluta. Mulher tinha problemas de alcoolismo e vivia há varios anos como sem-abrigo."

 

40. Noticia no JN (24/09/13) - Aveiro - "Perdi a cabeça e espanquei-a. Ela era alcóolica. (...) O casal vivia num quadro de violência, álcool e droga. (...) Com um pau Carlos desferiu-lhe varios golpes em todo o corpo, principalmente na cabeça e no pescoço."

 

39. Noticia no JN (18/09/13) - Alvaiázere (Leiria) - "Matou a tiro ex-mulher a o novo namorado. (...) Um autarca local ouvido pelo JN, que pediu para não ser identificado, diz que «para perceber o crime é preciso ter em atenção o facto de se tratar de uma família desestruturada, com alguns elementos a sofrerem de atraso cognitivo e/ou problemas de consumo excessivo de alcool.»

 

38. Noticia no JN (16/07/13) Loures - "Josefina foi morta pelo marido. O casal já se tinha separado uma vez, devido a zangas ligadas ao álcool, mas Josefina voltara." Segundo um amigo do casal afirmou "Ele tomava uns comprimidos, não sei porquê, mas sei que ele era bom homem."

 

37. Noticia no JN (07/07/13) Moita - "Ligue à GNR e diga que matei a minha mulher. A luta por uma garrafa terá levado A. de 60 anos, a matar a mulher, de 49 anos. Há muito que o casal viva em conflito. Nelita era vista com frequência completamente alcoolizada e a vaguear pelas ruas."

 

36. Noticia no JN (25/06/13) Estarreja - "Pai detido por álcool socorrido na GNR por filho bêbado. Detido por conduzir com uma taxa de álcool no sangue superior a 1,20 grama de álcool por litro no sangue (g/l) e depois de ameaçar e injuriar militares da GNR, um homem de 53 anos, telefonou ao filho a contar o sucedido (...) O filho de, de 32 anos, pôs-se de imediato ao volante do carro que conduziu até ao posto da GNR par auxiliar o pai. Mas esqueceu-se de um facto: também estava alcoolizado. Acabou igualmente detido, após acusar uma taxa de 2,43 g/l no teste de alcoolemia." 

 

35. Noticia no JN (16/05/13) Braga - "Matou  marido à facada e quis suicidar-se um dia depois. As discussões e agressões entre ambos eram constantes por causa de problemas de alcool." Este casal tem um filho de 10 anos que foi retirado  pela Segurança Social "O menino vive com a tia".

 

34. Noticia no JN (10/05/13) Amarante - "Pegou fogo à casa e foi beber vinho para o café. As autoridades reuniram 13 queixas de violência domestica que a vitima foi fazendo ao longo dos 24 anos que leva de casamento." "Ele não trabalha, quer que eu lhe dê o dinheiro. Nós vivemos do abono do meu filho e do dinheiro que vou ganhando a coser sapatos em casa. Na semana passada, recebi 150 euros do Rendimento Social de Inserção, gastou-o todo em vinho."

 

33. Noticia no JN (16/3/13) Cinfães - "Matou o pai por não o deixar beber vinho. Mãe assistiu ao crime e diz que teve de fugir para não ter o mesmo fim que o marido. O meu filho bebe muito e não ajudava em casa."

 

32. Noticia no JN (13/3/13) Barcelos - "Mulher levou a filha à escola com 2,85 de alcoolémia. PSP de Barcelos intercepta, condutora de 30 anos, com taxa crime de alcoolémia às 9 horas da manhã." Taxa máxima permitida por lei - 0,5. O risco de envolvimento em acidente mortal aumenta duas vezes a partir da taxa máxima permitida por lei e a partir da taxa considerada crime (1,2) o risco de acidente mortal aumenta 16 vezes mais.

 

31. Noticia no JN (30/01/13) Paços de Ferreira – “Dez anos para jovem que matou cliente” De acordo com a notícia este jovem matou uma pessoa “ao tentar socorrer a patroa da agressão de um cliente…” No dia do crime a vitima mortal tinha um valor elevado de alcoolemia no sangue (2,99). O jovem empregado estava proibido de servir bebidas alcoólicas à vítima, que não sendo atendido, “terá desatado a partir cadeiras.” Mais tarde a patroa do jovem e a vítima envolveram-se em confrontos, foi nesta altura que o jovem agarrou numa faca a espetou-a no ombro da vítima que faleceu no local.

 

Nota: Só para você ter uma ideia do elevado nível de alcoolemia da vítima (2,99) podemos comparar com o limite permitido por lei em relação aos condutores de viaturas 0, 50. 

 

 

30. Noticia no JN (06/01/13) S. Pedro do Sul "Amigos atropelados na estrada em que estavam deitados." Segundo um conhecido afirmou "Muito animados após beberem uns "copitos". Outra pessoa conhecida fez referencia a uma das vitimas "Era bom rapaz, mas coitado, gostava de pinguita"

 

  • 2012 (23 vitimas)

 

29. Noticia no JN (01/11/12)  Sertã “Assassinado por dizer mal de namorada de colega. Um individuo cabo verdiano, de 34 anos, não gostou nada das bocas que ouviu sobre a sua namorada e, após uma troca azeda de palavras, que terá sido agravada pelo álcool, esfaqueou mortalmente um português, de 47 anos.”

 

28. Noticia no JN (27/10/12) Mira Sintra “Discussão sobre um copo de vinho estará na origem de homicídio. Morto com um golpe de tesoura. Os moradores garantem que a casa não tinha agua nem luz e que os quatro moradores, em ocupação definida, eram conhecidos por estarem frequentemente alcoolizados.”

 

27. Noticia no JN (21/10/12) - Alvor - "Bêbada mata amante com um fio elétrico. A agressora telefonou para a GNR de Alvor,(....) para participar uma ocorrência de violência domestica, mas acabou por confessar aos guardas, no local, que tinha morto um homem. A agressora estava alcoolizada e os militares suspeitam que tivesse usado estupefacientes."

 

26. Noticia no JN (13/10/12) - Marco de Canavezes - "Matou o marido bêbado que a queria asfixiar. As discussões entre o casal eram diarias e não passavam dois ou três dias sem haver violência entre o casal. (...) António e a mulher envolveram-se num confronto físico  na presença dos dois filhos menores, com 13 e 14 anos." Este caso aconteceu a 3 de Fevereiro de 2011 e encontrava em fase de julgamento no tribunal.

 

 25Notícia no JN (09/09/12) Estarreja - "Pedreiro esfaqueou idoso que o criou e foi detido. (...) em Pardilhó, as ameças, roubos e danos de D. à família Silva não são novidade, ainda que causem alguma estranheza, já que o pedreiro foi acolhido e criado pelo casal desde os seis anos. Ele quando bebe fica agressivo e já fez muito mal. Há meses esfaqueou um GNR" contam A. L. e R. S."

 

24. Noticia no JN (30/06/12) Coimbra - "Guerra entre dois grupos rivais acaba com homicídio de um homem. Vitima: Jorge (nome fictício). desempregado, mais conhecido pelo O Garrafão, vivia com o irmão, também toxicodependente, em casas abandonadas. Pontualmente, trabalhava na construção civil." De acordo com pessoas conhecidos afirmavam "O Zé metia-se nos copos e a na droga, vivia em casas abandonadas, mas não fazia mal a um mosca"

  

23. Noticia no JN (06/06/12 Matosinhos - "Lésbica agredia companheira quando estava bêbada"De acordo com os relatos da vitima, na mesma noticia. Arguida volta diariamente a casa onde houve agressões para almoçar "Há dois anos que continuávamos a viver juntas, mas já não tínhamos uma relação amorosa. Quando ela bebia ficava descontrolada. Uma vez ameaçou-me com um taco de basebol e uma garrafa de cerveja."

 

22. Noticia no JN (25/04/12) Vieira do Minho - "Suspeito de matar irmão com quem dividia mulher. Um dos suspeitos do homicídio é o próprio irmão(...). Viviam com a mesma mulher, num cenário de miséria e violência agravado pelo álcool. Ambos com cadastro por atos violentos e com forte dependência do álcool que se exteriorizava em caracteres agressivos" Segundo os vizinhos, "Eram bons moços e até trabalhavam, mas o vinho dava cabo deles" Com a agravante e de acordo, com a referida a noticia "A mulher, P., com duas filhas que a Acção Social de Vieira do Minho lhe retirou(...)"

 

21Noticia no JN (28/02/12) Vagos - "Alcoolizado suspeito de incendiar a própria casa. As ameaças de C.Z., de 48 anos, conhecido por problemas de alcoolismo, agressividade e desavenças familiares, já eram antigas. Bate na família e ameaçou matar alguns com uma espingarda. Já disse à mulher "Vais ter um desgosto. Ainda hei de ver te a pedir esmolas pelas portas" contou ao JN um familiar."

 

20. Noticia no JN (18/02/12) Beja - "Bêbado era um terror. Segundo os vizinhos era brincalhão e educado, mas quando estava com os copos desviavam-se dele. Bêbado era um terror." As vitimas foram: a mulher, a filha e a neta. O individuo acabou por cometer o suicídio na cadeia.Noticia no JN (19/02/12) referente ao mesmo caso. "Relatório medico já apontava doença e álcool e aconselhava acompanhamento. Tratamento a homicida de Beja recusado há 20 anos.Violência e álcool começaram após guerra na Guiné"

 

19. Noticia no JN (08/02/12) Montemor-O-Velho - "Discussão por causa de boleia acaba em morte. Problemas com a bebida. O falecido era pessoa conhecida na zona por beber em excesso e, de acordo com um familiar directo, criar problemas e inimizades nos cafés por onde passava. "Era um infeliz.Levava porradinha que dava pena. Quando estava com os copos ninguém o aturava."

 

18.  Noticia no JN (23/01/12) Viseu - “Assassinado à facada pela companheira. O crime terá ocorrido num quadro de violência doméstica e alcoolismo. Segundo uma testemunha, as discussões entre casal eram habituais por causa do álcool”.

 

17.  Noticia no JN (19/01/12) Aveiro - “ Bateu na mulher, baleou cunhado e suicidou-se. Chegou a casa embriagado, causando cena de violência que terminou em tragédia.”

 

16. Noticia no JN (17/01/12). "Um terço dos mortos tinha álcool no sangue. Quase metade das vitimas mortais (41,2%) resultantes de acidentes de viação, em 2010, encontravam-se sob o efeito de álcool e 31,1% apresentavam níveis superiores a 0,5 - limite permitido - revelou o Instituto de Medicina Legal"

 

  • 2011 (15 vitimas)

 

15. Noticia no JN (16/12/11) "Famalicão - Fogo mata homem na cama. Foi encontrado sem vida, assim como dois cães que lhe faziam companhia. Ele fumava muito e, por vezes, abusava do álcool, garantiram alguns vizinhos."

 


14.
 Noticia no JN (12/12/11) "Santa Maria da Feira - Amigos lamentam morte de Carlinhos. Vitima de duplo atropelamento que ocorreu ao final da tarde. Há muito que amigos e família temiam um desfecho trágico para Carlos Manuel. Os copos deram cabo dele. Bebia e andava pelas ruas."

 

13. Noticia no JN (23/11/11) “Tarouca – Alcoolizado ateou fogo à própria casa. Mulher e filho de cinco anos estavam em casa de familiares”

 

12. Noticia no JN (14/11/11) “Tondela – Queimado e assassinado por amigo dos copos. Espancado e queimado na lareira de um barracão isolado, homem acabou por morrer na noite de anteontem, a caminho do hospital.”

 

11. Noticia no JN (31/10/11) “Acordou bêbado a pensar que tinha matado a mulher. O casal tinha ido jantar a casa de uma filha (…) mas o homem abusou do álcool. A mulher farta de o aturar acabou por deixar na rua e foi dormir a casa de uma vizinha. O homem adormeceu onde estava e ao acordar entrou em pânico por não ver a mulher e pensou que tivesse assassinado e resolveu avisar a filha”

 

10. Noticia no JN (30/10/11) “Amarante – Trolha esfaqueado pelo ex-cunhado numa emboscada. Questões antigas mal resolvidas à mistura com algum álcool pode ajudar a explicar o crime.”

 

9. Noticia no JN (29/10/11) “Povoa do Lanhoso – “Aterroriza restaurante por não poder fumar. Sacou de navalha, ameaçou clientes e insultou padre. Ele é bom rapaz e trabalhador, mas com um copito a mais não se controla.”

 

8. Noticia no JN (28/10/11) “Tarouca – Repudiado após 20 anos na cadeia. População tem receio de homem que em 1991 matou a mulher. Quanto ao consumo do álcool, que não nega, justifica prontamente: Se deixar de beber fico doente.”

 

7. Noticia no JN (23/10/11) “Guimarães – Feriu a tiro o filho que defendia a mãe. Um homem de 35 anos, foi baleado pelo próprio pai quando interveio numa discussão em defesa da mãe. Depois de disparar o pai alcoolizado fugiu e acabou por se entregar, ontem, na esquadra da PSP”

 

6. Noticia no JN (20/10/11) – “Aveiro – Medico detido pela PSP por agredir a mulher.” Segundo a noticia o medico fez quatro tratamentos de desintoxicação alcoólica e tentou três vezes o suicídio. Os seus crimes de violência domestica, muitos deles na presença da filha menor de 12 anos, ocorrem desde 2009.”

 

5. Notícia no JN (18/10/2011) “Tábua - Morto à facada por mulher a cair de bêbeda. Discussão por causa de lixo terá estado na origem do crime. Homicida não se lembra de nada. A filha e o seu companheiro assistiram à cena de violência. 

 

 

4. Notícia do JN (17/10/2011) "Abação – Guimarães. Pedida pena suspensa para jovem que matou o padrasto para defender a mãe. Na altura do incidente o homem, de 54 anos, tinha uma taxa de alcoolemia de 2,93"  Nota: Só para ter uma ideia a taxa de alcoolemia limite legal para condução de veículos é de 0,5.

 

3. Notícia do JN (5/10/2011) "Idoso matou a mulher a tiro na rua e suicidou-se". Testemunhas afirmaram "Era uma pessoa que levava um vida desafogada, sem qualquer tipo de problema económico, tido pelos vizinhos como pessoa simpática mas a quem reconheciam apenas um defeito: a bebida"

 

2. Noticia no DN (16/9/2011) "Matou o amigo que o esfaqueou". Segundo a notícia o conflito "...começou durante a tarde quando começaram a dizer que a família de um era melhor do que a do outro...", algumas testemunhas afirmaram que eles estavam "...com um copito a mais"

 

1. Notícia do DN (17/9/2011) "Imolou-se por não aceitar a separação" Segundo a noticia este indivíduo ateou fogo a si próprio, e à sua casa por não aceitar a separação da mulher." Segundo algumas testemunhas a origem deste comportamento terão estado problemas conjugais e "Ele é muito bom rapaz, mas o problema dele são os ciúmes e beber muito"