Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

As desculpas e as racionalizações mais engenhosas e os super poderes

unnamed (1)45.jpg

 

 

«A recuperação começa quando interrompemos as desculpas frequentes e iniciamos a mudança de atitudes e comportamentos» Detox Concierge, April Grisham

Os Comportamentos Aditivos (sexo, jogo, shoplifting, dependência de drogas, abuso do álcool, compras, trabalho, dependência emocional, distúrbio alimentar) na sua génese caracterizam-se pela perda do controle do comportamento (padrão de insanidade/crises exacerbadas), esforços repetitivos para interromper o comportamento compulsivo/problema (e as consequências negativas) falham repetitivamente. Qualquer pessoa, independentemente do seu estatuto social, pode desenvolver a compulsão, padrão repetitivo, associado aos comportamentos adictivos. Algumas pessoas mais vulneráveis, apresentam a adicção cruzada (comorbilidade) desenvolvem várias adicções; por exemplo, jogo patológico e a dependência de drogas/abuso de álcool, dependência emocional e a dependência de drogas, lícitas (medicação sujeita a receita medica – benzodiazepinas), distúrbio alimentar e a dependência de drogas/abuso de álcool.  Quando contemplamos a compulsão e a perda de controlo, no tratamento da adicção, precisamos também de contemplar, o contexto social (fatores/forças externas) em que o individuo está inserido, assim como o seu percurso de vida, através de rotinas, sistema de crenças, hábitos e relacionamento com pessoas. Na adicção activa, o dia-a-dia, do individuo gira em torno da compulsão e da perda do controlo. É um processo insidioso de tentativas frustradas, angustias, de interrupções temporárias, de justificações, autoengano e frustração, alibis geradores de ansiedade, angustia, depressão e isolamento (segredos) onde também podemos acrescentar problemas familiares, de saúde, profissionais e problemas em outras obrigações sociais. De notar, que este mecanismo psicológico de defesa de justificações, racionalizações e desculpas não é identificado, unicamente, no individuo adicto, o ser humano, ao longo da vida, também adota esta abordagem diante alguns problemas mais complexos. Todavia, quando se trata da recuperação da adicção isso implica identificar esse sistema de crenças, hábitos, rotinas e encontrar motivação para mudar de atitudes e comportamentos.  Perante a adversidade, se o silencio (incapacidade de abordar o comportamento problema) é sinonimo de negação ou vergonha, são necessárias medidas honestas e concretas a fim de quebrar o processo repetitivo e compulsivo. 

 

Possuímos super poderes, por vezes ocultos, que aguardam para ser despertados

Seja qual for o comportamento adictivo, hoje sabemos que existe a esperança quanto ao tratamento, é possível interromper a progressão da adicção activa e iniciar a recuperação. O conceito de recuperação a que faço questão, está intrinsecamente relacionado com um estilo de vida mais gratificante e pleno, através da mudança de atitudes e comportamentos (sistema de crenças negativas, tomada de consciência, relações de ajuda). Recuperação consiste no desenvolvimento de uma atitude proactiva ( o individuo é o agente de mudança), na re-aprendizagem de competências, na possibilidade de materializar sonhos/ambições pessoais e relacionamentos com outras pessoas que de outra forma jamais seria possível concretizar. A natureza da evolução humana concedeu-nos um sentido (instinto) que perante a adversidade nos impele a agir e a reagir (exemplo, sobrevivência) e nesse sentido podemos utilizar este recurso na aceitação, na honestidade e na motivação necessários para enfrentar a compulsão da adicção. Ao longo de duas décadas em trabalhar na área dos comportamentos adictivos, acompanhei, até à data de hoje, aproximadamente 1000 indivíduos e confirmo, todos são unânimes em afirmar, de acordo com o seu instinto, que 1. Estão em sofrimento devido à adicção 2. Querem interromper o comportamento problemático/compulsão 3. É necessário a mudança de atitudes e comportamentos 4. E precisam de esperança.

Pedidos de ajuda que quebram o estigma, a negação e a vergonha

Pequenos excertos sobre pedidos de ajuda recebidos por email, sendo posteriormente enviadas as respectivas respostas. Todos os dados pessoais foram alterados de forma a manter a confidencialidade dos seus intervenientes. Se identificar com alguma situação e ou comportamento em concreto pode escrever um email e solicitar apoio.
A publicação destes pequenos excertos tem como propósito quebrar o ciclo disfuncional associado ao estigma, à negação e à vergonha. Na sociedade de hoje, é cada vez mais comum o aparecimento deste tipo de problema e questões entre pessoas e famílias. Por vezes, a distancia, entre pessoas com problemas idênticos, pode ser uma porta, um prédio e/ou uma mesa do escritório. A ajuda surge quando o ciclo disfuncional adictivo é interrompido. 

Todos, sem excepção estamos vulneráveis e expostos à adversidade, por ex. comportamentos adictivos. Determinados comportamentos dolorosos podem despoletar o mecanismo (ex. procura do prazer e do alivio através da comida, sexo, substancias psicoactivas lícita e/ou ilícitas, jogo, relacionamento de dependencia, compras, shoplifting - furto) que supostamente nos protege da dor, mas conduz-nos no sentido contrário, da dependência e da perda do controlo.

 

Pedidos de Ajuda

Distúrbio alimentar: "Navegava na Internet para resolver o meu problema de bulimia. Adorei o seu blogue, acho que encontrei uma luz ao fundo do túnel. Amei o texto sobre perdoar e cada vez mais me convenço que tenho que aprender a perdoar e a perdoar-me em vez de viver a apontar o dedo a mim e aos que me estão mais próximos."

‎Distúrbio alimentar: "Desde há uns anos quando acabo uma refeição 90% das vezes fico agoniado/enjoado. Quando tinha 12 anos era gordinho e a família brincava comigo em relação ao meu peso e ao corpo. Não achava piada. Dei por mim, a beber um copo de leite de manhã e a jantar. Sempre que como fico mal disposto. Nunca vomitei após uma refeição, mas tento controlar-me, porque vontade não me falta. Será que posso ter algum tipo de distúrbio alimentar?"
 

 

A busca do alivio imediato pode ter consequências elevadas e dolorosas a medio/longo prazo

Sabia que comer é uma fonte natural de prazer? Porque é tão difícil adaptar a hábitos alimentares regulares e saudáveis? Porque preferimos adiar, para mais tarde, o prazer de comer? Por ex. esperar pelo final do dia pela refeição mais importante, quer esteja ou não consciente ao escolher este tipo de comportamentos/ rotinas, estão criadas as condições e ambiente para o “festim” (ingestão compulsiva, apetite voraz, empanturrar-se - binge eating).


Desde muito cedo nas nossas vidas, descobrimos que existe um tipo de alimentos que quando ingeridos em certas quantidades, proporcionam uma sensação de alívio e bem estar (por ex. doces, e outros alimentos excessivamente caloricos). Para alguns indivíduos, ingerem alimentos porque lhes proporcionam o maior alívio possível. Comemos para aliviar a pressão do dia.
 
 
Caso não consigamos mointorizar pensamentos, sentimentos e comportamentos em relação à comida saudavel e diversificada podemos atingir o ponto crucial para o desenvolvimento da adicção (distúrbio alimentar). Só comemos (ingestão compulsiva, apetite voraz, “festim”, empanturrar-se) porque sentimos uma sensação de alívio, porque se assim se não fosse não o faríamos. Porque é que funciona? Existem determinados alimentos, que ingeridos em certas quantias podem ser responsáveis por uma cadeia de reacções químicas que interferem na regulação e funcionamento numa zona do nosso cérebro responsável pelo alívio da dor, também afecta e reduz a vigilância/estado de alerta.

Só exageramos em certo tipo de comida porque nos proporciona alívio, caso contrário, não o faríamos.

Assim, começamos a acreditar que até conseguimos manipular o nosso cérebro activando determinados “interruptores” que interferem e condicionam o nosso estado físico e emocional. Certos alimentos são a “ferramenta” que despoleta e controla esses “interruptores”. Podemos aprender desde a nossa infância, antes mesmo de nos tornarmos completamente conscientes da pessoa que somos, a controlar e a manipular estes “interruptores”, especialmente se o nosso cérebro apresenta determinada predisposição genética para a adicção. Quanto mais vezes conseguir manipular o processo químico do cérebro, acreditando que está a controlar, mais dependente irá ficar da busca da sensação de alívio e bem-estar. Eventualmente, este “ciclo vicioso” pode torna-lo/a num/a dependente (adicto/a) a este tipo de sensação de alivio e necessidade de controlo pela libertação de químicos no cérebro.
Após o processo adictivo, ser desencadeado o adicto perdeu o controlo, isto é, o seu sistema nervoso central despoleta um desejo, intenso e incapaz de ser controlado, na busca de sensação de alivio. Este mecanismo adictivo que despoleta o desejo intenso e incontrolável só será saciado através de doses regulares de químicos responsáveis pela libertação da sensação de alivio, localizado na zona do cerebro responsavel pelo prazer. Este mecanismo adictivo funciona como um “radar” (pensamento consciente) que incita, e cujo principal objectivo são determinados alimentos. Por outras palavras, o nosso sistema nervoso central está focado para a comida e o comer. Esta necessidade é tão intensa e profunda que pode mesmo manipular para que se salte refeições e assim adiar o apetite desenvolvendo inconscientemente condições para uma refeição, tipo “festim”/”banquete” para mais tarde nesse dia, de preferência quando estiver sozinho, longe dos olhares reprovadores e críticos das outras pessoas.

Este mecanismo complexo está relacionado com a adicção, sendo o responsável pela desordem alimentar. Interpretar e descodificar este mecanismo requer apoio e conhecimento, e acima de tudo motivação para a recuperação (mudança de estilo de vida).

Sozinho não irá conseguir adquirir conhecimento e competências suficientes que permita controlar a adicção. Necessita de ajuda específica e orientação capaz de compreender a complexidade deste problema serio de saúde. Também necessita de aliados (pessoas conhecedoras e experientes) que o/a ajudem a viver com a adicção (desordem alimentar).

Na sua experiencia, qual ou quais os alimentos que você ingere que lhe proporcionam a sensação de alivio referido no texto?
Na sua opinião, qual a diferença entre apetite e fome? Identifica problemas de gestão de stress na sua vida? Identifica problemas de imagem corporal e de assertividade? 
Escreva e envie um email para joaoalexx@sapo.pt . É assegurado completo sigilo de todos os dados pessoais (confidencialidade).
  

Como se sente hoje?

 

Tal como já foi referido varias vezes recuperar dos comportamentos adictivos exige uma aprendizagem empenhada e uma descoberta intensa na identificação e lidar com os sentimentos, quer sejam positivos e/ou dolorosos. Precisamos de “mergulhar” no nosso interior – Atitudes e comportamentos; para nos conhecermos. 
 
Faça um audacioso e meticuloso inventario dos seus sentimentos no seu dia-a-dia.
Não coloque rotulos nos sentimentos, por ex. bons ou maus e certo ou errado. É Ok sentir, de seguida apresento uma lista. “Boa viagem
 
Hoje sinto-me...
agressivo/a, ansioso/a, arrogante,apático,afectuoso,ambivalente,
ambíguo, aborrecido/a, assustado/a,amado/a,agonia,aliviado/a,
acarinhado,arrependido/a,abençoado/a,afortunado,apreensivo/a,
apaixonado/a
 
benevolente,
 
cabisbaixo,cansado/a,caprichoso,confiante,complacente, curioso/a,
ciumento/a,chocado/a, confuso/a,contemplativo/a,comovido/a,culpado/a,
 
determinado/a, desapontado/a, desacreditado/a,desejado/a,desamparado,
desconfiado/a,desonesto,desgostoso,dôr,
 
eufórico/a, extenuado,exausto/a,envergonhado/a,
 
falhado/a,feio/a,feliz,frustrado/a,
 
grato/a,
 
histérico/a,
 
impressionado,inveja, intimidado/a,idiota,indeciso/a,inseguro/a,
ignorante,indiferente,inocente,inadequado/a,
 
luto,
 
magoado/a,miserável,
 
egoísta,
 
negativo/a,
  
obstinado/a,optimista,orgulhoso,
 
perda, paranóico/a,perplexo/a,pensativo/a,
 
ressentido/a, 
 
só, satisfeito/a,sereno/a, surpreendido/a,
 
tímido/a, triste,
 
vencedor/a,

Atitudes positivas e motivadoras vs. pensamentos derrotistas irracionais

Por vezes, fruto do nosso passado (familia de origem) desenvolvemos, ao longo da vida, crenças familiares disfuncionais e/ou relacionamentos com pessoas significativas abusivas capazes de potenciar o fracasso e a rejeição, por ex, Não és merecedor..., Não és capaz..., Os outros são melhores que tu...., Não vais conseguir..., Se mostrares quem és os outros não vão gostar de ti.... O sofrimento e a frustação vão tornar-se insuportaveis e não irão passar, nunca "Estou doido/a, devo ser diferente ". Este padrão de crenças negativas podem bloquear o desenvolvimento do nosso potencial (competencias e habilidades), como seres humanos espirituais, não religioso sem dogmas e divindades. 


Pensamentos derrotistas irracionais reforçam o negativo, conduz ao perfecionismo (padrão rigido de pensamento) e ao impossivel, antecipando cenarios/situações catastroficas. Vivemos o medo/ansiedade, por antecipação, e acreditamos nesses mesmos medos irracionais. "

Algumas pessoas afirmam, resignadas e passivas, "Não vale sequer a pena tentar, porque não vou ser capaz. Isto não vai passar."

O que é que pode fazer hoje para mudar de atitudes e comportamentos derrotistas?

Só por hoje
:

Pode valorizar a gratidão, e fé e a esperança.

Pode sentir orgulho da honestidade e da autenticidade. Você é livre, nesse sentido possui a liberdade de escolha para arriscar e sonhar.

Pode sentir as emoções (positivas e/ou as dolorosas) e valorizar a capacidade de estar em sintonia/equilibrio com o Eu interior (sentimentos, ambições, valores e crenças positivas).

Você é um ser unico e excepcionalmente valioso. Ninguem pode enfrentar os seus "fantasmas" e fazer esse trabalho por si.

Pode sonhar "acordado" e acreditar que o impossivel não existe.

Pode definir metas/planos e objectivos de vida.

Pode ter um proposito e um sentido no dia-a-dia (familia, trabalho, amizades, comunidade, hobbies, etc).

Pode arriscar só por hoje... O não está garantido! O que pode acontecer é vencer o medo irracional que o bloqueia. 

Pode mudar...mudando pequenas coisas (palavras, rotinas, atitudes e comportamentos).

Até o ninho estar pronto o passaro tem imenso trabalho...todavia, dia-a-dia vai fazendo aquilo que lhe compete e sabe fazer. Sem ansiedade, sem medo de falhar, sem querer atingir a perfeição, sem competir cegamente. Se o ninho é destruido pela tempestade ele retomará o seu trabalho com mesma motivação. Um dia o ninho estara terminado

 

Dicas iluminadas e construtivas





Algumas dicas inspiradoras que pode aplicar na sua vida (dia-a-dia), retirar algum proveito e vantagem. Por vezes, as coisas simples...assumem um “papel” extremamente especial e valioso. Pode utilizar o seu potencial humano, por vezes adormecido ou dormente, para enriquecer e trazer propósito à sua vida, em vez de ficar acomodar ao básico e às rotinas de conteúdo "pobre" e vazio (zona de conforto.


Como amigo/a
Cada semana, visite um/a amigo/a extra e no final do ano totaliza 52 conversas (cavaqueira) interessantes e fecundas (momentos com “sumo”)


Como marido e/ou mulher
Se o seu parceiro/a, normalmente toma conta das crianças no dia-a-dia, uma vez por mês pelo menos, inverte esse papel (rotina do casal). Assim adiciona quase duas semanas de tempo que ele/a pode utilizar para "carregar as suas baterias” –“na poupança é que está o ganho”. Este gesto pode conduzir a momentos de intimidade – romantismo.

No trabalho
Cada mês, dedique algumas horas extra, para desenvolver as suas competências profissionais, fora do horário normal de trabalho, sabendo que este investimento é o equivalente a uma semana completa de trabalho durante o ano. Este pode ser um investimento precioso... em si mesmo.

Em geral
Elimine meia hora de televisão todos os dias e adquire 182.5 horas extra por ano e aplica esse tempo de uma forma construtiva, relaxante e que proporcione bem-estar (equivalente a 4 semanas e meia de trabalho).

 

  • Enriqueça... o seu verdadeiro Eu interior.

"A nossa vida é assim tão simples?"


 

A nossa vida é tão SIMPLES ASSIM,
Uma noite, um velho índio Cherokee contou ao seu neto sobre uma batalha que acontece todos os dias dentro das pessoas.
 
Ele disse:- Meu filho, a batalha é entre dois lobos dentro de todos nós.
 
Um é mau: é a raiva, a inveja, o ciúme, a tristeza, o desgosto, a arrogância, a pena de si mesmo, a culpa, o ressentimento, a inferioridade, as mentiras, a superioridade.
 
O outro é bom: é a alegria, a paz, a esperança, a serenidade, a bondade, a benevolência, a empatia, a generosidade, a verdade, a compaixão e a fé.
 
O neto pensou naquilo por alguns minutos e perguntou ao seu avô:- Qual o lobo que vence? O velho Cherokee simplesmente respondeu:
- O que tu alimentas.

Comentário: Recebi este pequeno texto num e-mail e adequa-se ao proposito do nosso blog.

Para aqueles que estão em recuperação dos comportamentos adictivos conhecem as consequencias negativas (historia de vida) do impacto do ressentimento. Vale a pena tornar as coisas mais simples.
 
Senão vejamos, os prós e os contra:
O ressentimento molda e interfere negativamente a nossa visão de uma vida satisfatória e plena.
 
Limita escolhas e impede-nos de relacionar com os outros.
 
Ficamos defensivos, desconfiados e sozinhos. Tenho acompanhado adictos/as que na sua senda de liberdade e autonomia buscam a libertação do sofrimento “barato”, aquele que só prejudica e que às vezes, de uma forma subtil  “cultivamos”, como se "lenha para o lume se tratasse".

Já pensou que a energia negativa do ressentimento pode ser equiparada a um vulcão “adormecido”?! O que acontece a um vulcão que está adormecido antes da sua erupção abrupta? A sua energia encontra-se contida, todavia está em ebulição, até ao dia que o vulcão inicia a sua actividade – explodindo e semeando o caos e a destruição.

È importante valorizar as emoções, mesmos aquelas que magoam e que fazem sofrer.

Recuperar dos comportamentos adictivos é sentir, a dor da separação, da perda, da frustração e a desilusão. A adicção activa “adormece” e/ou reprime as emoções genuínas. Os adictos/as ficam dependentes do básico e “animais” irracionais (impulsivos, reactivos, intolerantes, confusos, ressentidos, etc).

Por isso, procure identificar quais são realmente as suas emoções - as que estão à superfície e aquelas que estão escondidas no âmago do “vulcão” inactivo.

E tal como o velho índio afirmava valorize as emoções que enaltecem a nossa existência, a relação com o nosso poder Superior, não religioso sem dogmas e divindades, e as nossas relações. Quebre as “amarras”,  o status dinfuncional,  as tradições, os preconceitos e os estereotipos disfuncionais impostos pela nossa cultura.
Neste caminho, proposito e sentido, somos livres e fortes...

 

Recuperar dos comportamentos adictivos


 

Recuperar dos comportamentos adictivos é:

Entregar...,  partilhar...,  seguir sugestões...,  arriscar...  sonhar...  cometer erros e aprender com eles...,  tomar decisões, é confiar...,  pertencer...,  realização pessoal..., dar e receber (abraços)...,  fazer afirmações positivas..., auto-avaliação...,  discordar..., sorir (gargalhadas)...,  produzir e descansar...  chorar...viver um dia de cada vez...,  ser diferente...  dormir... tratar do fisico...alimentação saudavel... gostar de si proprio...é meditar...

Ser corajoso/a..., ser humilde..., ser honesto/a..., ser responsável..., ser pai/mãe..., filho/a..., marido e mulher..., ser membro de família..., ser falível..., ser um “exemplo” para os outros..., ser feliz..., ser realista..., ser assertivo/a..., ser tolerante..., ser bondoso/a, sentir aprovação, ser divertido/a..., ser parceiro/a ...ser genuíno/a...ser resiliente...,

Ter fé e esperança..., ter família..., ter amigos/as..., ter planos e objectivos..., ter auto-estima..., ter segurança..., ter um propósito e um sentido na vida..., ter limites saudáveis nas relações..., ter orgulho saudável (dignidade)...,ter dinheiro..., ter trabalho..., ter sexo e intimidade..., ter tempo livre...ter gratidão...ter motivação...ter ética...ter uma comunidade... ter intuição...ter alimento...

Estar confuso/a..., estar com medo..., estar com raiva e ressentido/a..., estar desconfortável..., estar ambivalente e desconfiado/a..., inseguro/a e desiludido/a..., estar magoado/a..., estar com auto piedade, estar desorganizado/a e descontrolado/a...

Sentir vergonha e culpa..., sentir rejeição e frustração..., sentir solidão e inadequação..., sentir perda e o luto...sentir embaraço..., sentir tristeza e magoa...,


Recuperação é Ser..., é Ter..., é Estar e Sentir...viver a vida plena, tal como é.

Quando nascemos recebemos este dom e esta benção da própria natureza.

Só os que desenvolvem a capacidade de se adaptar e resistir a adversidade é que conseguem ter sucesso e usufruir da espiritualidade. Somos os “arquitectos” do nosso destino.

A vida tem um fim...

Imagine este cenário e responda às questões:
Você está dentro do caixão, no seu próprio velório, morto, claro!!...
Quais os comentários que ouve das pessoas sobre si?! Sobre as suas características (qualidades e defeitos) enquanto estive vivo.

Está satisfeito/a com a sua vida (recuperação) agora?! 

Compras / Gastar dinheiro compulsivamente

 

"Não são somente as pessoas com comportamentos adictivos à comida, jogo e/ou substâncias psicoactivas ilícitas que se confrontam com questões serias a nivel financeiro e económico, muitas pessoas encontram dificuldades quanto à forma como gerem e gastam (tomam decisões) os seus recursos financeiros. Gastam para além das suas possibilidades. Podem ter tendências para comprar/gastar de uma forma impulsiva, comparar preços e/ ou produtos de uma forma obsessiva e sentirem-se culpadas, por causa da sua baixa auto estima, por comprarem artigos para si próprias, ex. “Não mereço comprar aquilo para mim.” ou sentir pânico se encontrar um artigo/produto idêntico aquele que compraram no dia anterior numa loja. Este tipo de comportamentos podem não ser necessariamente adicção mas revela-se urgente, fazer alguma coisa construtiva e saudável, de forma interromper e inverter este tipo de atitudes e comportamentos disfuncionais.

A Adicção
Todavia, o limite pode ser ultrapassado, quando existe a tendência impulsiva para gastar/comprar ou a obsessão de gastar dinheiro, entra-se no domínio dos comportamentos adictivos. Tal como qualquer outra adicção existem sinais ou sintomas, tais como por ex. perda de controlo, desonestidade, sentimento de culpa ou um desejo intenso (luta/batalha interior) para manter os comportamentos e atitudes sob controlo.

 
Gastadores compulsivos (shopaholics) referem comportamentos e atitudes semelhantes a outro tipo de adicções: por ex. baixa auto estima, comprar coisas para se sentirem melhor consigo próprio, expectativas altas quanto à relação com os pais e/ou maridos/mulheres (procurar a atenção, ser o centro das atenções), dormência emocional (ex. reprimir emoções) ou falta de assertividade.
 

Addiction-nary” - Jan R. Wilson e Judith A. Wilson

http://www.debtorsanonymous.org/

Comentario: Em Portugal este fenomeno da adicção às compras ainda é desconhecido, apesar das evidências. Tem sido divulgado, quase diariamente, nos noticiários sobre o aumento do endividamento dos consumidores em Portugal acompanhando uma mudança de hábitos de consumo que reflectem uma alteração de comportamentos culturais e sociais. Todos queremos ter um apartamento, um carro ultimo modelo, um telemóvel topo de gama, as roupa de marca, um computador portátil “xpto2, uma TV, um Mp3 etc. e a lista continua. Qual é o preço desta “factura mensal alta” no nosso sistema de valores morais e na qualidade de vida?

Num relatório publicado recentemente sobre o consumo de ansioliticos e anti-depressivos, em Portugal, um dos motivos que justificam o nível elevado de consumo destes produtos, é o endividamento.

Sabemos que o endividamento excessivo, é um fenómeno transversal à sociedade portuguesa afectando quer os consumidores de fracos recursos quer os de recursos elevados. Todas classes sociais podem ser afectados por este fenómeno.

Sabemos que a publicidade ao crédito é extremamente agressiva, apelativa e desresponsabilizante. É fácil ter dinheiro. Basta ir a uma instituição de credito. Entramos com recursos precários e saímos uns “vencedores” com dinheiro na conta. O que mudou nas nossas atitudes e comportamentos perante o endividamento? Sabemos que hoje, também em virtude da utilização dos cartões de crédito, os consumidores não têm apenas dois empréstimos, o do carro e o da habitação, mas seis ou sete em simultâneo.

http://www.consumidor.pt/portal/page?_pageid=34,1&_dad=portal&_schema=PORTAL

http://www.iseg.utl.pt/

 
A adicção às compras é normalmente um tipo de adicção à excitação, as alterações bioquímicas, no cerebro (estrutura do cerebro responsavel pela recompensa), despoletadas pela antecipação, o medo e uma sensação de alivio temporário de outro tipo diferente de problemas, por ex. emoções dolorosas. Gastar dinheiro passa a ser considerado uma prioridade, que interfere com outras actividades profissionais, ludicas, familiares, e um preocupação diaria (fixação): perda do controlo

Roubar artigos nas lojas de comercio.
Numa fase agravada e avançada da adicção às compras os adictos roubam produtos em lojas. Pode-se começar por furtar algo que seja necessário, porque naquele momento não existe dinheiro disponível. Todavia o medo e a excitação (risco) são altamente estimulantes, adopta-se um “status” e um padrão adictivo (entra-se nos estabelecimentos já com o intuito de roubar algo). Os adictos a drogas e ou bulímicos após terem despendido somas significativas na sua adicção (drogas ou comida) esgotam os seus recursos financeiros e quando desejam algo roubam nas lojas. Se o roubo em lojas se torna mais do que um meio de obter as drogas ou comida será necessário tomar medidas especificas, visto despoletar comportamentos adictivos, isto se o objectivo desejado for a recuperação da adicção.

A Recuperação da adicção às compras
Para iniciar a recuperação é importante interromper o comportamento problema e a lógica adictiva. É urgente pedir ajuda profissional. Outro recurso, pode ser envolver-se em grupos de ajuda mutua e trabalhar o programa dos Doze Passos dos Alcoolicos Anónimos. É necessario enfrentar a ambivalência e “travar” o padrão repetitivo e compulsivo de gastar dinheiro.
Para recuperar é preciso optar. Será muito difícil, continuar a gastar dinheiro de uma forma compulsiva e ao mesmo tempo, não haver criterios instituidos para uma gestão correcta e responsavel dos recursos financeiros (por ex. orçamento mensal, despesas diarias, ordenado, cartão de credito). Podemos acrescentar que a adicção também afecta a relação de confiança com a família, incluindo as crianças (por ex. crises conjugais, separação e/ou divórcio, neglgênciar a educação das crianças). Se o adicto continuar a comprar coisas de forma a evitar as emoções dolorosas, será preciso identificar quais os mecanismos psiclogicos que interferem na sua autoestima, autonomia, relações de intimidade, isolamento, vergonha e sentimento de culpa. 

Mitos e factos sobre relações amorosas

Quando iniciamos um relacionamento romântico/amoroso com alguém, seja porque razões forem, iniciamos um processo/projecto de vida – a dois.
Como costumo afirmar, numa relação a dois, ambos parceiros levam “o pacote todo” - as características positivas, os talentos, e também os defeitos de caracter.
 
Nas relações de intimidade podemos revelar todo o nosso potencial (qualidades e competências individuais) como seres humanos, espirituais não religioso sem dogmas e divindades, e gregários, mas por outro lado também pode ser revelador do nosso egoísmo, do orgulho doentio, da dependência amorosa, a raiva, a competição, o controlo e o medo, o ciúme e a inveja.

Ao longo do processo de sociabilização, desde a infância até à idade adulta, podemos desenvolver crenças e conceitos (mitos disfuncionais) quer sejam adquiridos e desenvolvidos na família de origem, ou com outras pessoas significativas. Mais tarde, se nao estivermos atentos podem tornar as nossas relações em “ralações” sérias e negativas.

Alguns Mitos (crenças internas) e alguns factos (realidade)

Mito: Crença"Se me envolver com outra pessoa numa relação irei perder a minha individualidade."
Facto: As relações saudáveis enaltecem o verdadeiro Self/Eu em vez de o anular.

 

Mito: Crença "Se realmente souberes quem sou, não irás gostar de mim."
Facto: Nas relações saudáveis o parceiro/a gosta de nós tal como somos. Somos amados dessa forma.

 

Mito: Crença "Se descobrires que não sou perfeito; irás abandonar-me."
Facto: Ninguem é perfeito; não existem relações perfeitas.