Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Codependência (Relações de Dependência)

Codependência  é um tipo de patologia emocional e de relacionamentos, recentemente descrita por estudiosos do comportamento humano. O termo Codependência surgiu na cena da terapia, no final dos anos setenta nos EUA

 

 

De inicio, a descrição deste quadro incluía apenas familiares de pacientes alcoólicos mas com o tempo o seu significado foi ampliado e actualmente o termo codependência também inclui a conduta de familiares e/ou pessoas significativas que têm um problema de comportamento no relacionamento de intimidade.

 

“Um individuo codependente é alguém que permite que o comportamento de outra pessoa o afecte, e sente obcecado por controlar o comportamento do outro.” Melody Beattie “Vencer a Co-dependencia

 

“Uma situação emocional, psicológica e comportamental que se desenvolve como resultado da exposição individual prolongada à pratica de um conjunto de regras opressivas – regras que impedem a expressão aberta dos sentimentos bem como a discussão directa de problemas pessoais e interpessoais” Robert Subby “Co-dependency, An Emerging Issue

 

“Comportamento autoderrotistas, aprendidos ou devido a defeitos de caracter, que resultam numa capacidade reduzida de iniciar ou participar em relações amorosas” Earnie Larsen

 

Tudo começa com o facto de uma pessoa se envolver (por amor, obrigação ou dever) com outra disfuncional que adopta comportamentos auto destrutivos, por ex a adicção (substâncias psicoactivas lícitas e/ou ilícitas, jogo, sexo, compras, furto, distúrbio alimentar) e precisa, aparentemente, do ponto de vista do dependente do seu apoio para se curar. Essa pessoa, pode ser um adulto deprimido, uma esposa ou amante bulímica, um irmão que não se sai bem na vida, um marido que tem problemas financeiros, uma irmã que tem a sua vida num caos e parece frágil para resolvê-las, um pai alcoólico ou um namorado que é adicto ao jogo ou ao sexo. Enfim, o importante não é o grau de parentesco ou a sua doença, o  aspecto central do problema está no codependente, não nos outros, na forma como permite que o comportamento do outro o/a afecte e como o codependente tenta influenciar e controlar através de jogos psicológicos (manipulação, desonestidade, mentiras, agressividade). Por ex. "Se gostasses verdadeiramente de mim não fazias uma coisa dessas. Por tua causa estou a sofrer imenso." ou ameaças vãs que não são concretizadas.

 

Uma reacção à autodestruição do outro que acaba afectar o codependente a nível físico e emocional. Isto é, o codependente torna-se vítima da sua própria atitude disfuncional, sem o reconhecer, e vitima da doença "alheia" recorrendo a estratégias disfuncionais, justificadas em prol da mudança de comportamento disfuncional do outro, ex abandonar o vicio/adicção activa. A relação entre o codependente e o adicto no activo fica extremamente afectada; por ex, perda de limites e papeis (ex. agressividade, mentiras), o codependente sente-se impotente (ansioso e deprimido) por não conseguir obter os resultados desejados. Existem casos  de codependentes que iniciaram o consumo de drogas ilícitas através de um relacionamento de intimidade com um individuo consumidor de drogas, responsabilizando este pelo seu infortúnio. Conheço codependentes que boicotam o processo de abstinência/recuperação do seu parceiro adicto, por considerarem que o seu tipo de de ajuda é mais eficaz do que a ajuda profissional. Conheço codependentes que só pedem ajuda para o problema da adicção quando as crises no relacionamento são frequentes, severas, por ex o codependente sofre de stress pós-traumático.