Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Linguagem dos Sentimentos

A Linguagem dos Sentimentos (gestão intrapessoal e interpessoal)


Como é do senso comum qualquer ser humano tem sentimentos. Fazem parte de nós, é algo que não conseguimos ver, tocar, cheirar, ouvir, mas que conseguimos sentir, isso mesmo, tão simples. Por vezes tão divertido e relaxante e/ou confuso e desconfortável (atabalhoado). Diferente da lógica ou raciocínio, por ex. 2+2=4. Resumindo, na linguagem dos sentimentos 2+2 pode ser igual a 7.

 

Na linguagem dos sentimentos podemos amar alguém, mas também podemos odiar e voltar a amar. Quantas vezes as nossas paixões ultrapassaram a razão ao longo da vida? Por vezes, temos a sensação que não conseguimos controlar aquilo que sentimos, e isso pode ser desconfortável e/ou confuso. Noutros casos, passamos uma imagem (exterior) aos outros, diferente daquilo que sentimos (interior). Também avaliamos, na minha opinião erradamente, a aparência exterior dos outros através do nosso interior, comparando e desvalorizando os nossos talentos, por ex. se conhecemos alguém que tem uma bela casa, um emprego e um ordenado excelente, automaticamente assumimos, que essa pessoa é feliz e tem sucesso na vida. A realidade não bem assim.

 

Aquilo que gostaria de reforçar é a importância em ser honesto/a e verdadeiro/a com os nossos sentimentos, sonhos, paixões e desejos, sejam divertidos ou desconfortáveis. É importante valorizar o nosso interior emocional, como algo do qual aprendemos a aceitar, a conhecer e a respeitar. Não é novidade, que monitorizar os sentimentos dá trabalho, mais, os resultados não são imediatos e/ou gratificantes, todavia, aprendemos a sentir e a não fugir de nós. Negando, minimizando, mentindo quanto aquilo que somos sendo meio caminho para a desonestidade e da irresponsabilidade. 

 

Segundo a abordagem da psicologia cognitiva, aquilo que pensamos (Atitudes) criam os nossos sentimentos, que por sua vez afectam aquilo que fazemos (comportamentos). Atitudes + Sentimentos = Acções (comportamentos). Nós somos aquilo que fazemos com os nossos pensamentos.


O âmago dos sentimentos reside numa zona do cérebro chamada (Sistema Límbico). O modelo tríunico da estrutura do cérebro foi desenvolvido por Paul McLean. Este modelo, baseia-se em três partes;

 

1. cérebro reptiliano ou arcaico (instinto);

 

2. cérebro mamífero ou sistema límbico (emoção) e o

 

3. cérebro humano ou neocórtex (razão),

cada uma delas foi desenvolvida em alturas diferentes, ao longo da evolução do Homem e em varias centenas de milhões de anos. Também sabemos que ambos os Hemisférios do cérebro apresentam formas diferentes de pensamento – o hemisfério da esquerda é o intelectual, racional, analítico, objectivo. O hemisfério da direita é intuitivo, imaginativo metafórico, holístico[1], segundo estudos efectuados ao longo de 25 anos por Sperry e Ornstein.