Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

O Medo na recuperação dos comportamentos adictivos


Todos sabemos que o medo tem uma perspectiva positiva e uma perspectiva negativa, ocupa ambos lados da mesma “moeda”, na recuperação dos comportamentos adictivos. Quem gosta de sentir o medo? Ninguém.

Também sabemos que o medo faz parte das nossas emoções; quer gostemos dele ou não. Não é evitar e/ou fugir dos nossos “demónios" e fantasmas que conseguiremos vence-los. Conforme vamos vencendo uns “fantasmas”... outros surgiram. Esta é uma verdade da qual não podemos descurar. Todavia é através da coragem, da esperança e da fé num Poder superior, não religioso sem dogmas e ou divindsades, que conseguimos reforçar a autoestima e auto conceito. È confrontando e enfrentando os medos que vamos descobrindo as virtudes e habilidades em recuperação da adicção (vitorias e sucesssos).

Através do exemplo positivo dos outros adictos em recuperação, o adicto pode colher “ferramentas” e experiencias úteis para o dia-a-dia. A recuperação é um processo de avanços e recuos, ao longo da vida, em muitos casos a adicção activa pode “mascarar” outro tipo de problema (comorbildiade, depressão, problemas de ansiedade, adicção cruzada, compulsividade, etc.). 

 

Pessoalmente, já passei por um processo profundamente doloroso onde fui confrontado pelos meus “fantasmas” em que senti que não iria conseguir encontrar “forças” suficientes para “sobreviver” ao longo de aproximadamente três anos. Pensamentos catastróficos e irracionais, choque/dor, pânico, desilusão e frustração, depressão e ansiedade extrema invadiram-me e abalaram toda a “estrutura”. Foram tempos muito difíceis.

Em recuperação da adicção, seja o que for, haverá para cada problema, uma solução. A solução pode exigir sacrifício, determinação, honestidade, entrega, tolerância, humildade, inspiração e motivação.

O medo é um sentimento em que permanecemos alerta, ansiosos e com medo (sofrimento) por antecipação (preocupaçãpo e pensamentos catastróficos) causado pela expectativa de perigo eminente, desastre e/ou dor. È também uma das emoções crónicas mais conhecidas e até chega a ser epidémico na nossa sociedade. Adicionando, o medo é um factor preponderante na adicção quer seja para o adicto ou para a sua família. È uma energia activa e dinâmica que afecta todos e cada um.

Alguns tipos de medo mais comuns


Medo do abandono

Medo do próprio medo

Medo da rejeição

Medo do falhanço/sucesso

Medo do desconhecido

O medo é uma emoção que se aprende ao longo da vida; a re-educação cognitiva é o factor chave para se lidar com o medo de uma forma construtiva e saudável.

Pensamento negativo (pessimismo) é o “terreno” perfeito para o ciclo catastrófico do medo.