Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Dependência emocional - " O amor é cego"

  

A dependência emocional é um tipo de patologia emocional e de relacionamentos, recentemente descrita por estudiosos do comportamento humano nos EUA. È uma experiência comportamental patológica alteradora o estado de humor. Este designação faz parte do jargão profissional, que é incompreensível para as pessoas que se encontram fora desta actividade e incoerente para alguns que trabalham nesta área. Todavia, considero mais importante observarmos o significado desta patologia que afecta milhares de homens e mulheres.

Todos nós, seres humanos, precisamos de criar e desenvolver vários tipos de elos/ligações com os outros. Somos seres gregários. Precisamos de relações amorosas, criar vínculos, laços de pertença. Contudo, surge um serio problema quando esses vínculos e laços se tornam padrões disfuncionais repetitivos de insatisfação, insegurança, infelicidade e rejeição, de vergonha e culpa, baixa auto estima, isolamento, raiva e ressentimento e dependência.

Isto significa que o amor levado a um extremo pode conduzir ao sofrimento e desgoverno a que podemos designar de dependência emocional – “o amor é cego”. Por vezes, evocamos e abusamos da palavra/conceito Amor quando na realidade o comportamento é o oposto. A nossa cultura/sociedade reforça a crença disfuncional de que devemos procurar a felicidade “mágica” no amor-paixão e/ou no parceiro/a ideial (principe perfeito e/ou princesa perfeita).

Consideramos perfeitamente natural que a exaltação amorosa seja o tema principal na literatura, no espectáculo, na canção. Somos constantemente bombardeados, através dos media, através de promessas de uma relação apaixonada que nos traga satisfação e realização pessoal. Diariamente, assistimos a telenovelas, programas de televisão, revistas, romances, anúncios que apelam às nossas emoções (à imaginação, ao sonho, à sedução e à sensualidade) e às relações perfeitas e fáceis.

Quase que dependemos dos relacionamentos de “sucesso” para conseguimos um propósito e sentido na vida. O amor apaixonado é aquilo que alguém sente geralmente por um parceiro/a impossível. De facto, é exactamente, por ser impossível que existe tanta paixão. Para que exista a paixão, terá de existir uma luta continua, obstáculos a ultrapassar e um desejo de obter mais do aquilo que é oferecido. Literalmente, paixão significa sofrimento, e frequentemente, quanto maior é o sofrimento maior é a paixão. A prioridade e a razão da felicidade gira em torno da conquista, da sedução, do romance, do flirt, do sexo. A intensidade emocional, de um caso de amor apaixonado não é comparável ao conforto mais subtil, de um relacionamento estável, de confiança e empenhado. Assim se o parceiro/a, finalmente recebesse por parte do alvo da sua paixão, que tão ardentemente deseja, o sofrimento terminaria e a paixão em breve se esfumaria. Nessa altura, provavelmente iria deixar de gostar dessa pessoa, porque a magoa doce-amarga teria desaparecido.

 A sociedade prepara-nos para o desafio da vida; adquirir a liberdade, autonomia e espiritualidade, (não religioso, sem dogmas e divindades), sem ser a “custa” de outra pessoa/, parceiro/a ou coisas materiais? Como é que aprendemos a amar, sem que a nossa propria identidade se dilua na dependencia do amor?
A nossa tradição ocidental de amar e ser amado é na minha perspectiva um conceito ultrapassado e disfuncional que promove a dependência emocional. Actualmente não existe tempo suficiente para amar e ser amado. Vivemos para a posse das coisas (materiais) e o poder sobre os outros. Aprendemos que ser homem é reprimir sentimentos e ser “duro” (macho) as únicas emoções permitidas são a raiva, a excitação e o desejo sexual. Quando o homem se sente embaraçado, inseguro e triste sente-se inadequado e zangado.
Ser mulher é agradar, ser submissa, saber satisfazer e adaptar-se ao parceiro e casar, mesmo que não seja feliz no casamento. Por vezes, é a mulher que se preocupa em comunicar e zela pela saúde da relação. Ser mulher é ser dependente da paixão amorosa. Tanto os homens como as mulheres sofrem nas relações amorosas. Como o homem e a mulher são diferentes aprendemos erradamente que as diferenças significam desigualdade, incompatibilidade, competição exacerbada e afastamento.

Os dependentes emocionais são pessoas reactivas. Sobre-reagem ou sub-reagem, mas raramente agem poderadamente, na area dos afectos e das relações. Reagem aos problemas, sofrimento e comportamentos dos outros. Reagem aos seus próprios problemas, dor e comportamentos. Muitos comportamentos impulsivos são reacções ao stress e à incerteza e à impotência de viver ou crescer. Não é necessariamente anormal , mas é heróico, salvaguardando a sua identidade, e pode salvar a vida saber como não reagir e actuar de formas mais saudáveis e construtivas. Porém a maioria das pessoas dependentes do amor precisa de aprender a fazê-lo.

Na dependência emocional, uma das razões pelas quais este tipo de problema é uma realidade, deriva do facto de ser progressivo, isto é, à medida que os parceiros ficam mais disfuncionais, o dependente emocional começa a reagir de forma mais intensa à pressão. Um tipo de acontecimento que tenha gerado uma pequena preocupação pode desencadear isolamento, depressão, ansiedade, doença física e ou emocional e ou fantasias suicidas. Um evento conduz instabilidade emocional.
Na minha experiência profissional, alguns pacientes referem que quando as coisas não resultam nas relações sentem-se deprimidos, desorientados, deprimidos, ansiosos e confusos. Muitos comportamentos destrutivos e disfuncionais nas relações tornam-se hábitos (padrões), adquirem vida-própria. É um padrão característico de pensar, de sentir e de agir que gera sofrimento. O dependente emocional, frequentemente reage às pessoas que se auto-destroem, aprendendo a auto destruir-se. Este padrão de comportamentos podem conduzir ou permanecer em relações disfuncionais. A obsessão e a compulsividade pode sabotar os relacionamentos, que de outro modo podiam funcionar. O dependente emocional fica impedido de encontrar a paz e a felicidade,acima de tudo com as pessoas mais importantes – eles mesmo.



Algumas características de dependência emocional

Viver em função da própria relação. Não restam energias para outros compromissos e/ou actividades.

Limites débeis nas fronteiras do ego. (A noção errada de que os dois devem ser um).

Abuso físico e/ou emocional.

Após a perda do amor ficar incapaz de terminar a relação.

Medo de assumir riscos saudáveis e resistência exacerbada à mudança. Sente-se ameaçado/a.

Limitados na evolução/desenvolvimento individual.

A verdadeira intimidade é percepcionada como uma ameaça. Sente-se exposto, defensivo e vulnerável.

Representação de jogos psicológicos (a relação é um palco de representações) – vitima, salvador e perseguidor.

Falta de espontaneidade na troca de afectos – “Só dou se receber em troca...

O dependente emocional foca-se (fixação) nos outros e naquilo que eles precisam de mudar.

Depender dos outros para se sentir completo, seguro e equilibrado.

Procurar “milagres” externos para resolver os problemas na relação – "Ainda acreditam no Pai Natal e/ou na cegonha e o recém nascido?"

Desenvolver expectativas irreais (exigências, promessas) em receber amor incondicional. “Se eu sofrer por ti, amas-me?

Assumir uma atitude de auto-controlo e recusa de compromisso na relação. – “È mais confortável rejeitar do que ser rejeitado.

Depender dos outros quanto à própria auto-afirmação e vigor (auto conceito distorcido)

Sentimentos de abandono, solidão e extrema insegurança na relação.

Antecipar situações catastróficas e negativas (ansiedade, depressão, excitação, controlo, culpa e baixa auto-estima).

Evitar aquilo que receia, por ex. medo da intimidade.

Esperar que o parceiro/a adivinhe, bem como seja o responsável pelo bem estar do outro (necessidades, sentimentos, dificuldades)

Comportamentos manipuladores/controlo (jogos de poder) de forma a manter a desigualdade na relação. “A melhor defesa é o ataque.

Segundo Greenberg e Bornstein (1988b) um indivíduo com orientação de personalidade dependente encontra-se em risco para variadas condições psicopatológicas, inclusive depressão, alcoolismo, obesidade e dependência do tabaco.

“As relações são como uma dança, com energia visível a correr de uma parceiro para o outro. Algumas relações são uma dança de morte lenta e obscura.” Colette Dowling

“Não é correndo atras do amor que o encontramos; basta abrir o nosso coração e encontrar-lo-emos dentro de nós “ Charlotte D. Kasl



Como recuperar da dependência emocional

Não existe uma solução mágica para este tipo de patologia. Não existe um medicamento. Acredito que a recuperação seja um processo de avanços e recuos graduais e constantes no proprio diagnostico, nas crenças disfuncionais sobre intimidade, confiança e entrega. Recordo vários casos que acompanho cujas pessoas procuram, de uma forma genuína, viver segundo padrões saudáveis e construtivos, todavia longe daquilo que consideram que é a perfeição. Não existem pessoas perfeitas, assim como não existem relacionamentos perfeitos. Existem valores morais (confiança, intimidade, liberdade, altruísmo, respeito, desapego) que promovem o individuo e a relação com o/a parceiro/a.
Aprenda a desenvolver competências cognitivas (informação/consciência) que aumente a sua motivação para a mudança/acção com o apoio pessoas significativas/profissionais de confiança. Aprenda a perdoar-se através de caminhos espirituais, não religiosos sem dogmas e divindades. È importante centrar-se no positivo e largar a rigidez de pensamento. Conheça e examine honestamente a sua historia pessoal,a sua familia de origem, as crenças e os mitos e os medos.

Faça meditação e oração.

Faça exercício físico

Escreva diários

Pratique leitura sobre o tema

Aprenda a desfrutar de estar na sua própria companhia

Aprecie o contacto com a natureza.

Aprecie e pratique hobbies (pintura, musica, jardinagem, voluntariado, etc.)

Faça afirmações positivas diárias (Eu sou uma pessoa..................)

Envolva-se com pessoas positivas e autenticas.

Frequente grupos de ajuda mutua

“Juntos conseguimos aquilo que sozinhos não fomos capazes”

Referencias:Norwood, Robin “Mulheres que amam demais” Editora sinais de fogo; Beattie, Melody “Vencer a codependência “ Editora sinais de fogo; Scheaffer, Brenda “Será amor ou dependência?” Editora Bizâncio ; Carnes, Patrick “Out of the shadows” Hazelden, Pauwels, Louis “Aprendizagem da Serenidade” Verbo



 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.