Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

O que é que aconteceu à felicidade da mulher?

Recue uns 40 ou 50 anos e imagine-se, como mulher, a viver nos anos do Portugal do Estado Novo. Nesse passado não tão longínquo, as mulheres casadas não podiam ausentar-se do país sem autorização escrita do marido e as enfermeiras não podiam casar. A gestão dos bens do casal, incluindo da mulher, pertenciam ao marido e numerosas profissões estavam legalmente vedadas às mulheres.

 

 

Hoje os tempos são outros e, comparativamente, a situação da mulher melhorou muito, mesmo que ainda haja muito a fazer culturalmente. As mulheres são mais independentes, têm mais direitos e liberdades, formam-se em maior número nas universidades, distinguem-se em diversas profissões e ascendem a lugares de adminstração ou cargos politicos.

 

 

Com estas mudanças, teriamos, assim, muitos motivos para ter elevados índices de felicidade nas mulheres, mas paradoxalmente tal não acontece. Segundo alguns estudos* de referência, desde a década de 70 que o nível geral de felicidade da mulher nos EUA e na Europa, tende a cair e acentua-se à medida que a mulher avança na idade, contrariamente ao do homem. Em Portugal, as mulheres trabalham mais e dormem menos, as doenças associadas ao estilo de vida e ao stress, assim como o consumo de tabaco e anti-depressivos tendem a aumentar.

 

 

O que é que aconteceu?

 

Podemos associar vários factores que comprometem a saúde e o bem-estar da mulher, tais como factores biológicos mais propensos à depressão, a sobrecarga de trabalho resultante da desigualdade na distribuição das tarefas domésticas e responsabilidades familiares, o dilema carreira - família, as exigências da educação dos filhos na sociedade actual, a pressão cultural para corresponder a padrões de beleza e de desempenho irrealistas, entre outros.

 

 

 

Mas quando falamos de felicidade existem outras variáveis a considerar. Na perspectiva do psicólogo e investigator Martin Seligman, pioneiro da Psicologia Positiva, a felicidade é medida pela regularidade de emoções positivas que uma pessoa experiencia, pela qualidade das relações que fazem parte da sua vida, pela concretização de objectivos significativos, pelo grau de envolvimento e gratificação no trabalho e pelo sentido que dá à sua vida, geralmente associado a um sentido de missão através da religião ou de uma filosofia espiritual e serviço ao próximo.

 

 

Na prática, e aplicando à mulher actual, estamos a falar de atitudes, valores e comportamentos. Ou seja, o conceito que tem de si própria, a forma como define sucesso e fracasso, belo e feio, suficiente e insuficiente e como vive o dever e o prazer. Falamos da relação que desenvolve com o seu corpo, respectivas necessidades e limites, com as suas emoções, se reprime a raiva, disfarça a tristeza ou martiriza-se pela culpa; referimo-nos às capacidades, dons e talentos que são ou não utilizados; à importância das amizades e da intimidade, à qualidade de tempo que investe nas relações vitais e à quantidade de tempo que desperdiça nas relações disfuncionais; falamos dos objectivos que quer realizar na sua vida e do risco e determinação que envolve concretizá-los, do legado que quer deixar e do sentido de vida que quer dar.

 

Hoje a mulher tem mais oportunidades e opções. As leis e as políticas ajudam mas não fazem o caminho da felicidade por ela. Super-mulheres que tudo podem e tudo conseguem, princesas que precisam de ser salvas por príncipes e beleza que não envelhece, são mitos que fazem mal à felicidade.

 

 

Gloria Steinmen, escritora, jornalista e conhecida feminista americana disse, com muito sentido, que o futuro da mulher está em deixar de fazer tudo: “Nós mulheres sabemos que conseguimos fazer o que os homens fazem, mas ainda não sabemos que os homens podem fazer o que as mulheres fazem, e isso é fundamental não se pode continuar a fazer os dois trabalhos.”

 

A fada do lar provou que pode deixar de ser a vítima mas transformou-se num super - herói. Talvez agora tenha chegado a hora de simplesmente ser pessoa…

 

 

Texto escrito por Paula Serpa – Terapeuta, Coach e Formadora, responsável pelo projecto Ser Pessoa

 

Leitura Recomendada: "Perdas e Ganhos" da autora: Lya Luft 


Email: paula.serpa@serpessoa.com

 

Saiba mais sobre os cursos e grupos de mulheres em www.serpessoa.com

 

Fontes: * the United States General Social Survey (46,000 people, between 1972-2007); * the Eurobarometer analysis (636,000 people, between 1973-2002, covering fifteen countries),*and the International Social Survey Program (97,462 people, between1991-2001, covering thirty-five developed countries.)~

 

 

Comentário: Os meus agradecimentos à terapeuta Paula Serpa pela sua participação no  Recuperar das Dependências. O seu texto é dedicado à mulher e vem expor o papel da mulher na nossa sociedade, e em especial, a importância da felicidade. Infelizmente, ainda teimam existir tradições, preconceitos e estereótipos, na cultura portuguesa, que condicionam e restringem  a liberdade de expressão e o livre arbítrio, do qual, um numero significativo de mulheres precisa de desafiar, a fim de conquistar os seus direitos e responsabilidades a nível individual (por ex. felicidade, assertividade, honestidade, auto estima), da família, na comunidade e sociedade.  

 

 

Em relação aos comportamentos adictivos, na minha opinião, quando a mulher se confronta com problemas de adicção sente vergonha e tende a negar a necessidade de receber ajuda, esta situação está relacionada com o estigma em termos culturais. À mulher não é permitido determinadas atitude e comportamentos, por exemplo, o abuso do álcool, o alcoolismo, e a dependência de substâncias psicoactivas são um problema dos homens. Por exemplo, infelizmente, achamos imensa graça e consideramos normal os homens "portarem-se mal" enquanto estão sob o efeito do álcool e ou de outras drogas. Às mulheres, não. 

 

 

Facto: A adicção não escolhe géneros, mulher ou homem, nem a mulher nem o homem escolhem ser adictos. Tanto um como o outro estão expostos e vulneráveis, nesse sentido, ambos merecem receber o mesmo tipo de tratamento, salvo de preconceitos e estereótipos.

 

 

 

 

 


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.