Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

A adicção não escolhe parceiros; são todos afectados

Sabia que o alcoolismo e/ou a dependência de substâncias psicoactivas ilícitas afectam o sistema familiar ao longo de varias gerações. Todos, sem excepção são afectados pela adicção, incluindo as crianças, por exemplo, através da negligência e/ou abuso de menores.

 

Consequências prováveis, mas em muitos casos negadas pelo sistema familiar: Abuso físico, sexual e emocional, as necessidades físicas, psicológicas e sociais das crianças são negligenciados.

 

Sabia que muitas famílias, não são todas, afectadas pelo alcoolismo e ou dependência de outras drogas são incongruentes derivado à negação dos sentimentos e à posse de um ou mais segredos entre membros da família.

 

Sabia que as famílias perturbadas tendem a negar os sentimentos, principalmente, os dolorosos. Alguns membros da família, incluindo as crianças, não é permitido exprimir o que que sentem, por exemplo, o sentimento de raiva.

 

As consequências negativas, óbvias da adicção, observadas por todos, como um problema é negada. Acrescenta-se um novo modelo ou sistema falso de crenças de forma a negar a realidade dolorosa, alguns exemplos, o problema é a falta de dinheiro, a relação conflituosa entre cônjuges, o problema é o filho/a que é irresponsável e que exige demasiada atenção, dificuldades no emprego, demasiado stress, etc. etc.

 

A negação da realidade, na família desestruturada, aliado ao sistema de crenças, oculta e retarda o desenvolvimento e o crescimento dos jovens e das crianças, nas áreas fundamentais da sua vida (Brown, 1986). Este tipo de constatação pode ser doloroso, mas caso haja mudança de comportamentos, pode ser o princípio do fim do sofrimento e da confusão.

Algumas características da família disfuncional: negligente, desrespeitadora, incongruente, imprevisível, rígida e por vezes caótica.

 

 

Algumas mensagens negativas na família disfuncional:

  • "Que vergonha! O teu irmão/ã, é melhor que tu. Nunca fazes nada de jeito"
  •  "As tuas necessidades não interessam, cresce e aparece, porta te como um homem ou como uma menina bonita. Não chateies.”
  • "Estou a fazer sacrifícios por ti, és tão estúpido/a, assim deixamos de gostar de ti,"
  • “ Nunca irás conseguir nada na vida,"
  • "Queríamos tanto que fosses um rapaz, em vez de uma rapariga ou vice-versa",
  •  "Como é que podes fazer uma coisa dessas? Os problemas da família ficam dentro da família."
  • Algumas regras negativas:
  •  Não te zangues,
  • Não chores,
  • Faz como te digo; não como eu faço,
  • Evita o conflito,
  • Não faças essas perguntas,
  • Não me desmintas,
  • Estou sempre certo e tu estás sempre errado,
  • Faz sempre um ar bem-disposto, os assuntos da família; não se falam na rua (segredos),
  • Não respondas, porta-te bem e fica sossegado, limita te a fazer aquilo que te mandam

 

Sabia que os comportamentos adictivos afectam seriamente o sistema familiar, incluindo as crianças. As pessoas desenvolvem padrões de comportamento disfuncionais e rígidos (ex. negação, raiva, vergonha, medo), criam alianças/tramas contra o indivíduo doente, distanciam-se ou envolvem-se demasiado (codependência). Estão criadas as condições para uma crise, em muitos casos, ocultada.

"A família é um organismo complexo composto por diversas partes que compõem o todo” Dra. Claudia Black. Este todo, complexo, funciona quando as partes estão sintonizadas (equilíbrio). Nos comportamentos adictivos activos a dor aguda exige modificações e adaptações em muitos casos radicais, sacrificando o equilíbrio das relações.

 

Século XXI - Estigma, a vergonha e a negação em acção. Sociedade preconceituosa.

  • "Eles (bêbados/drogados) são uns fracos".
  • “Eles (bêbados/drogados) são uns marginais".
  • "Eles (bêbados/drogados) não têm força de vontade"
  • "Eles (bêbados/drogados) são assim porque a família não quer saber deles"
  • "São (bêbados/drogados) porque não têm recursos (vitimas)"
  • " São (bêbados/drogados) porque nunca lhes faltou nada e não sabem o que é a vida"
  • "Ele é assim (bêbado/drogado) por causa da família"
  • "Ela é assim (bêbada/drogada) sai ao pai. Ele também teve os mesmos problemas"
  • "Não vale a pena dizer nada, eles (drogados/bebados) não se querem tratar"
  • "Se um filho meu fosse assim (bebado/drogado) punha o logo na rua"
  • "Esta gente (bêbados/drogados) devia ir todos presos..."

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.