Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

O Dinheiro Também Fala

Relacionamento Individual com o dinheiro.


Ao longo da minha experiência profissional, considero importante para aqueles que estão em recuperação da adicção identificarem  crenças disfuncionais e/ou emoções dolorosas, muitas vezes inconscientes, sobre questões financeiras e económicas. Sabemos que durante o processo activo da adicção a drogas, incluindo o álcool, o jogo, o sexo, distúrbio alimentar, shoplifting - furto e shopaholics - compras uma das consequências mais significativas e dolorosas, na vida de um individuo, estão relacionado com a perda de controlo relativamente a uma gestão responsável dos seus recursos financeiros e a falta de autonomia, bem como a necessidade de viver dependente, do ponto de vista financeiro, de outras pessoas, por ex. a família. 

 

Conheço casos de famílias, que do ponto de vista financeiro, viviam acima da media alta, todavia durante o processo activo da adicção ficaram reduzidos a zero. Existem um grande numero de pessoas que durante o seu passado tiveram experiências negativas com dinheiro. Também é comum observarmos que em torno do dinheiro parece haver negativismo, desconfiança, ressentimento e dor. Contudo, sabemos que na realidade o dinheiro é um recurso inofensivo e inocente. Segundo um perito financeiro americano Dick Wagner “ O dinheiro foi originalmente criado com base na generosidade e dignidade e não na ganância, medo ou dor”. Mas quando alguém tem emoções por resolver e desconfortáveis, normalmente age na defensiva, desconfiado e encontra dificuldades na relação com o dinheiro. Recordo um caso de um individuo numa consulta, onde abordamos a questão do dinheiro e a sua reação foi de supresa e choque. Aparentemente, era um assunto tabu, recheado de preconceitos, onde não contemplava partilhar sentimentos com as outras pesspas. Era um tema secreto. Acredito que o dinheiro ou a falta dele contribua para processos e dinâmicas relacionados com a recaída. Partilhar sentimentos e ou pensamentos de uma forma honesta e autentica com alguém de confiança pode ajudar a adquirir uma nova perspectiva sobre este assunto tão importante. 

 

 

Todas as pessoas tem uma relação com o dinheiro e todos os dias lidamos com dinheiro. Todas as pessoas, sem excepção, precisam de dinheiro para viver. Queremos ter dinheiro nas nossas carteiras e contas bancarias. De qualquer maneira, para uma grande maioria de pessoas a relação com o dinheiro pode apresentar questões que podem ser inconscientes e/ou não são explorados. Situações estas que contribuem para um desgoverno e ou incapacidade de controlar ao nível dos comportamentos.

 

Eis algumas situações de perda de controlo:

1. Gastar mais do que aquilo que possui,


2. Dívidas crónicas,


3. Compras compulsivas,


4. “Comprar” pessoas ou favores,


5. Jogo (ex. casinos),


6. Sabotar planos financeiros (ex. inviabilizar a estabilidade financeira, poupanças),


7. Comportamentos relacionados com dinheiro que não coincidem com valores, crenças, ideais e ou objectivos (ex mentiras, roubo, fraude,


8. Compulsão em relação ao trabalho,


9. Obsessão em relação ao dinheiro (prestigio, poder e controlo),


10. “Representar” um status financeiro (mentiras, viver ideais irreais e acimas das suas possibilidades.)

 

11. Prostituição e/ou pornografia

Tem-se dito que o dinheiro “É a força mais poderosa e traiçoeira ao cimo da terra” . Enquanto força poderosa e traiçoeira existem pessoas que têm sentimentos de vergonha tóxica em relação ao tópico do dinheiro. Nestes casos, a vergonha manifesta-se quando as pessoas identificam uma sensação desconfortável quanto a ter muito dinheiro ou não ter o suficiente. Esta vergonha tóxica pode gerar um tipo de condição/problema, por exemplo, segredos na relação de intimidade em relaçãpo ao dinheiro. Não se fala sobre sentimentos e atitudes relacionadas com o dinheiro. Existem mitos e tabus. Existe nas salas de alguns grupos de ajuda-mutua uma frase que refere “Somos tão doentes quanto os nossos segredos”.

 


Sabia que nos EUA o dinheiro é a causa nº 1 dos divórcios nos primeiros 7 anos de casamento e a causa n.º 1 na área dos conflitos e discussão nas relações. Atraves da Associação Americana de Psicologia, foi efetuado um inquérito que revela que os americanos identificam o dinheiro como o indicador mais stressante, colocando à frente de questões tais como; trabalho, saúde e as crianças.


Sabemos que algumas pessoas iniciam relacionamentos e ou casamentos em que a necessidade básica é o dinheiro. Por dinheiro, as pessoas afastam-se ou aproximam-se.

Questão: Quais as suas crenças sobre o dinheiro ? Escreva numa folha de papel pensamentos e sentimentos sobre a pergunta. O que aprendeu ao longo da vida sobre o dinheiro? Infância, adolescência e idade adulta.

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.