Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar da adicção ao jogo

Chamo me Rogério Lima, moro em Alagoinhas/BA, Brasil, jogador compulsivo em recuperação há 270 dias, graças ao meu Poder Superior[i],  às minhas reuniões de ajuda mutuo, aos meus amigos e ao amor que sinto pela minha família.

 

 É com muita felicidade e gratidão que aprendi a viver um dia de cada vez, e tem dado certo. Sei o quanto preciso do meu ontem, para fazer julgamentos de minhas imperfeições. Tenho muitas ferramentas para fazer o meu hoje em abstinência, reformulando meus antigos comportamentos e acreditando positivamente que só eu posso, mas não posso sozinho. Quanto ao meu amanhã e seus resultados, somente meu Poder Superior poderá traçar este caminho.

 

Sei que tenho erros e acertos; tristezas e alegrias; desânimo e vitalidade; isso acontece porque sou humano e carrego um turbilhão de sentimentos. Hoje, vivendo o programa de doze passos, sei o quanto é importante identificar e trabalhar essa intensidade de emoções que passam por mim diariamente. Compreendo que felicidade completa não existe, e também não teria graça. Preciso encher minha alma de aceitação e renuncia, parece contraditório, porém a vida é assim, viver o lado positivo e me manter invadido de fé e serenidade para os problemas que venham a acontecer.

 

Aprendi a acreditar no tempo de Deus[ii], durante esse 270 dias sem qualquer tipo de aposta, situações que imaginava demorar a acontecer, simplesmente aconteceram. Defino isso como entrega! Algo jamais praticado por mim.  

Estou consciente o quanto é importante para mim, um jogador compulsivo em recuperação, chegar aos nove meses; deixo a euforia de lado, e abro espaço para crença, onde tenho e posso levar a mensagem, a outro dependente que ainda sofre. Sinto muita satisfação quando isto acontece.

 

 

 

Gratidão

 

Após anos e anos de insanidade em busca de prazer imediato, cansei-me. Cansei-me de tanta dor, desespero, mentira e solidão...

 

Quis morrer... Baixei os braços e desisti da vida a preto e branco que levava. Estava tão cansada…

 

 

 Mais tarde, aceitei que tinha um problema, aceitei que tinha uma doença que me estava a levar à loucura e à falência de todo o meu Ser…

 

Pedi ajuda…

 

Apesar do vazio que sentia, lutei e ultrapassei a angústia, o medo e a confusão inicial.

 

Comecei a pegar as pontas soltas quase perdidas, da minha vida, e regressei a muito custo ao mundo dos vivos…

Aos poucos fui percebendo que a energia pesada ia saindo de mim, do meu corpo e da minha alma. Agora eu senti que me estava a libertar de um buraco negro, quis ligar-me com o Sol e com a sua Luz.

 

Sempre fui demasiado frágil e sensível, a minha vivência mostrou-me que existe algo demasiado forte, mais forte que a matéria. Acredito que somos parte de um Universo imenso com dois pólos, o negativo e o positivo, o Amor e o Ódio, o yin e o yang, o sim e o não. Coincidências que não são apenas coincidências… Decidi escolher ligar-me ao Sol e à Luz, ao sim…Agora podia escolher, estava livre!

 

Arranjei um trabalho bem diferente do que tinha, menos remunerado e sem a “imagem” ou “status” que o meu emprego perdido tinha, mas, estava feliz. Foi duro voltar ao local onde trabalhara e começar de novo, numa outra empresa, noutro mundo, noutro patamar e até posso acrescentar “inferior” na língua humana falada. Estranhamente, este emprego e o contrariar esses pensamentos negativos, pré-concebidos, pela minha cultura e sociedade do que é e não é, colocou-me longe de tudo isso, mais centrada em mim e menos naquilo que os outros pensam. Afinal nunca me sentira muito parte desta sociedade e destes ideais todos que se auto denominam correctos. Quem disse que é assim?!

 

Conheci pessoas que gostei e que gostei menos. Reencontrei pessoas que gostava mais e outras que gostava menos, mas agora só mantinha na minha vida quem não me tirava a luz, quem me respeitava enquanto ser. Fui a sítios que me traziam prazer outros que nem tanto, passei a escolher o meu próprio rumo.

 

Perdão, perdoei-me… Pedi perdão a quem fiz sofrer, selei na Luz com Amor. Apenas ficou quem tinha que ficar…

Passei a respeitar o que sinto e não o que é suposto. Aprendi que tenho limites para estar confortável, comecei a conhecer-me… Foi a coisa mais maravilhosa que me podia ter acontecido, reencontrar-me.

 

Voltei a sonhar, meti acção e já concretizei alguns desses sonhos e ambições, afinal tenho valor…

 

Agora tiro prazer do cheiro que chega da primavera, do sol que sinto na minha face, do arco-íris que as vezes tenho a felicidade de contemplar, de um sorriso que rasgo sentido e sou feliz, muito feliz! O meu mundo voltou a ser a cores! Aprendi a sentir-me e ao que me rodeia.

 

Todos os dias quando acordo sinto-me grata pela paz interior que sinto. Saboreio calmamente cada instante e não me apresso. Sinto o agora… Sinto-me grata por estar viva. Sinto-me grata pelo pesadelo que tantas noites me assombram, mas felizmente já não fazem parte da minha realidade, sim, sonho muito. Mas são apenas sonhos, pesadelos, reboliços do meu inconsciente. Fico serena nesta realidade calma e cheia de amor por mim e pelos que mais amo. Não me inquieto com o futuro, nem me torturo nem culpo pelo passado, afinal estou aqui e agora e, é esse agora que interessa, esse agora que eu vivo. Cabe-me a mim fazer esse agora da melhor forma, eu agora posso escolher, sou livre e, só por hoje vou viver o meu dia da melhor maneira. Quando um pensamento mais negro se aproxima eu contrario-o porque há sempre um outro cheio de luz mais belo e mais intenso e eu posso escolhe-lo, ele está lá. Vou tirar prazer dos sons do mundo e dos seus cheiros.

 

Sou livre!

Só por hoje estou serena

Só por hoje estou feliz

Só por hoje vou amar-me

Só por hoje vou respeitar-me e, ao outro

Só por hoje estou grata por viver um dia de cada vez

Só por hoje vivo na verdade

 

Abraço de Luz

Namasté

Patrícia Bento

 

Comentario: Os meus parabéns à Patrícia pela sua participação, escrita e imagem, no Recuperar das Dependências. A gratidão é sem sombra de duvida um valor moral da qual nos "agarra" às pessoas e à vida. Permanecemos num estado de agradecimento pelo (re)nascimento e transformação após um período conturbado do nosso devir. Aprendemos uma lição de vida de algo que nos transcende e da qual estamos cá para partilhar, agradecimento idêntico ao sobrevivente de um acidente e ou doença. Através da gratidão valorizamos as coisas e as pessoas, para além do nosso Ego frenético e egocêntrico. Mais uma vez bem hajas Patrícia.

O exercicio fisico é uma mais valia garantida (Indoor Cycling)

 

 

 

A modalidade de Indoor Cycling, surge através de Johnny Goldberg (Johnny G) na década de 80. É uma de aula de grupo, realizada em ginásios e health club’s em bicicletas estacionárias com resistência manual e ao ritmo de música, cujo lema adoptado foi: “As pedaladas mais importantes que podes dar na tua vida são as que direccionas para ti próprio".

 

Os praticantes são conduzidos por um instrutor/a, que vai criando um envolvimento “imaginário”, por ex. rectas, subidas e descidas, visando a motivação do grupo. Cada participante, ajusta a resistência da bicicleta, em função da música, imaginando o cenário e tendo em conta as suas próprias capacidades.

 

 

No entanto, apresentando-se como uma aula de grupo, o Indoor Cycling não possui grande vocação para responder às exigências e necessidades individuais dos praticantes sendo a intensidade de esforço, habitualmente, determinada pelo professor em função do ritmo musical “imposto” (Batimento Por Minuto) e não em função das capacidades e/ou objectivos dos praticantes (Garganta, 2005).

 

 

Desde o seu lançamento, seguiu-se uma ampla proliferação de programas de Indoor Cycling, alguns deles associados a fabricantes de bicicletas: TrebiSpin, RPM, Cycle Reebok, Tomhawk, Schwinn Indoor Cycling, Top Ride, entre outros.

 

 

Nas aulas de Indoor Cycling, existe um planeamento específico do desenvolvimento da capacidade anaeróbia. A pertinência do treino com componente anaeróbia justifica-se pelo facto deste ser requisitado, inclusivamente, nas tarefas do quotidiano, em momentos de realização de esforços de curta duração e de máxima intensidade, nomeadamente em situações de stress ou lazer onde subitamente, é necessário fazer uma corrida curta e rápida. Aliás, estudos recentes têm demonstrado a importância do exercício vigoroso para a saúde, afirmando-se inclusive que as actividades físicas vigorosas possuem inúmeros benefícios para a saúde (Jjogaard et al., 2008; Swain & Franklin, 2006). Este exercício denominado vigoroso (ACSM, 2006) comporta repetições ou séries de trabalho com predomínio do metabolismo anaeróbio. Não obstante, um dos problemas que se coloca à utilização de trabalhos de elevadas intensidade advém da heterogeneidade das classes e principalmente do desconhecimento relativo à possível falta de aptidão de alguns dos sujeitos para a prática deste tipo de exercício.

 

 

Retiro Espiritual Online - PDI@

 

 

Plano Desenvolvimento Individual Online (PDI@) - Retiro Espiritual um Programa de Meditação pioneiro e inovador – “Alimento pró Pensamento.”

O conceito espiritual referido neste blogue não é religioso sem dogmas e divindades. É um conceito imaterial individual que permite a conexão com as pessoas e o mundo à sua volta, principalmente, atravês das fases complexas do devir.

 

Deseja participar no Retiro Espiritual Online? Surpresa!
Transforme a sua caixa de correio electrónico numa uma “fonte” de energia espiritual e inspiradora. Onde quer que esteja em casa, no trabalho, em viagem, em ferias, doença prolongada, padrinho/ madrinha, reunião de grupo de ajuda mútua, etc. Tudo aquilo que precisa é de um computador e acesso a internet. Pode enriquecer as suas competências individuais e sociais. 
  
Se estiver interessado em participar basta enviar um email (joaoalexx@sapo.pt) a solicitar toda a informação. Obviamente, que a sua participação tem custos, mas é um investimento valido e acessível a todas as bolsas. É Confidencial e profissional. Toda a informação é “fruto” da minha experiência em trabalhar com pessoas. Também pode solicitar mais informação.
Estou disponível para ajudar.

Alguns temas do PDI@

 
Defeitos de carácter, Medo e aceitação, Vocação, Vergonha, Desapego Emocional com Amor, Lições da Arte de Bem-Viver, Perdoar e muito mais surpresas, participe já. Envie já o seu email.

 

Como é que lidamos com a critica?

 

No dia a dia somos sujeitos a vários tipos de relacionamentos e criticas. Umas são construtivas outras destrutivas. È inevitável esta exposição na interacção com as outras pessoas, é rpeciso recordar que na comunicação não existem “mundos perfeitos”, “nem castelos com príncipes ou princesas”. A maioria dos seres humanos reage defensivamente à crítica. Por ex. porque ouvimos tanto falar na “guerra dos sexos”? Porque é que fugimos à critica, mesmo que seja construtiva?
Em muitos casos possuímos memórias e recordações, quando crianças, onde fomos fortemente criticados permanecendo um enorme desconforto emocional na idade adulta. Desenvolvemos a crença sobre a crítica que é “Uma coisa ”. Na realidade, não precisa de ser.
Revela-se importante diferenciar a critica do “deita abaixo” que resulta daquilo que os outros são ou dizem e aquele tipo de critica que pode ser construtiva e uma mais-valia para nós e para as outras pessoas significativas à nossa volta capaz de gerar confiança (feedback genuíno, sem julgamento, e saudável). Para isso precisamos, em primeiro lugar, saber avaliar as verdadeiras crenças por trás das nossas palavras (honesta e realista). Avaliar as nossas opiniões, emoções e comportamentos. Depois as opiniões dos outros. No final. somos os únicos responsáveis pelas nossas acções.
Em muitos casos, as crianças não aprendem a se auto avaliar se os adultos somente afirmarem (regras rígidas) que determinado comportamento está certo ou errado, sem haver uma explicação legitima, compreensiva e adequada. Por vezes, as consequências impostas às crianças (castigo) são desproporcionadas em relação ao comportamento considerado problema, pelo adulto. Elas ficam assim dependentes dos outros para se auto avaliarem em vez de aprenderem a se monitorizarem pelos seus próprios padrões (princípios e crenças).
Precisamos de desenvolver os nossos próprios padrões de comportamentos (auto conceito- certo e errado), caso contrário, ficaremos sujeitos e expostos á critica negativa e destrutiva dos outros. Por exemplo, se diariamente afirmarem que não somos um/a bom parceiro/a na relação ou incompetentes em certa área específica do nosso trabalho, embora possamos discordar, é muito provável vir a acreditar nessa critica negativa com a agravante em se começar a justificar determinada atitude e/ou comportamento. Nestas situações se não houver uma dose extra de auto estima será uma tarefa árdua efectuar uma auto avaliação correcta, positiva e realista.

Resiliencia humana; ser espiritual

Ontem após mais uma consulta com um dos clientes fiquei a pensar nas consequências indesejáveis do uso de drogas ilícitas e da forma insidiosa e subtil com que uma pessoa fica "presa" a sua dependência.

 

Esta pessoa falava da forma como os seus impulsos o controlam e o conduzem, por vezes sem pensar nas consequências negativas dos seus actos, na obtenção da dose tão ardentemente e obsessivamente desejada. Ele questionava-se "João, será que algum dia irei sair deste ciclo vicioso que dá cabo da minha vida? Quero ter uma vida normal, sem drogas."

 

Esta afirmação parece legitima e profunda. Resume a constatação da sua ambivalência e  impotência. Da frustração e da dor. Da sua incapacidade de autocontrolo e de falta de auto realização.

 

Ninguém deseja ser adicto. Ninguém deseja ser diabético. Ninguém deseja ter um cancro. Ninguém deseja sofrer de hipertensão. Isto significa que a dada altura da nossa existência jogamos na "roleta russa" por força das circunstâncias, das atitudes e dos comportamentos, do ambiente e da carga genética, Faz parte dos desafios da vida e da descoberta das nossas competências individuais e sociais. senão formos sujeitos a adversidade nunca saberemos realmente quem somos e para onde vamos.

 

Depois do grande confronto, da negação e da ambivalência, da vergonha e do sentimento de culpa, da raiva e do ressentimento, de culpar tudo e todos, incluindo Deus conforme cada um O/A concebe, nasce finalmente a "luz" e o adicto realiza que afinal é um sobrevivente resiliente. A lógica adictiva reforça o controlo. Paradoxalmente na adicção, o adicto muda as suas atitudes e comportamentos,  quando descobre que é impotente. 

 

Durante as consultas, não me canso de insistir na importância da fé e esperança junto daqueles que acompanho e que sofrem de doenças crónicas, e que almejam uma vida saudável e recompensadora . A vida encerra segredos que só são revelados aqueles que se atrevem e correm riscos. Acreditar na fé e na esperança é um risco porque buscamos uma fonte de poder imaterial fora de nós mesmos.

 

Na minha opinião, a maioria do ser humano ignora o grande potencial da realização espiritual, não religioso sem dogmas e divindades, até ser submetido a experiências adversas e/ou traumáticas, onde não existe o ego (orgulho doentio, arrogância, mentira, prepotência, a intolerância, etc.). Admitimos perante os outros que afinal falhamos, erramos, magoamos, nesses momentos "baixamos a cabeça", pedimos para ser perdoados e manifestamos o desejo de mudar - nasce a "luz". Passamos das palavras (promessas quebradas e dos falsos alibis) aos actos (pedir ajuda para a mudança e acreditar no desconhecido). A mudança pode ser um processo sensível - avanços e recuos (recaídas), recorremos à motivação, à inspiração e a orientação espiritual, não religiosa sem dogmas e divindades, que nos guia se nos mantermos no "caminho" do propósito e do sentido.

 

Será que quando ajudamos e servimos os outros (altruísmo, humildade, honestidade, dignidade, empatia) estamos a ser seres espirituais, capaz de gerar conexões necessárias para a ambicionada recuperação duradoura e recompensadora?

 

Alguns estudos realizados nos EUA revelam a importância da espiritualidade, não religiosa, numa abordagem complementar no tratamento da adicção. Juntos conseguimos correr os riscos necessários e obter da vida a realização dos "sonhos" que outrora achávamos impossível.

Dar e receber abraços

 

O abraço é:

Comunicar, pertencer, apoiar, proteger, arriscar, confiar, amor proprio, entregar, respeitar, segurança, amizade... é gratis.~

 

Quem já recebeu um abraço daqueles que nos eleva o espirito, renasce a esperança, reconhece a importancia do calor humano genuino e espontaneo...quem não sabe, experimente!

Vamos dar e receber abraços "iluminados" e abençoados.

Atitudes positivas e motivadoras vs. pensamentos derrotistas irracionais

Por vezes, fruto do nosso passado (familia de origem) desenvolvemos, ao longo da vida, crenças familiares disfuncionais e/ou relacionamentos com pessoas significativas abusivas capazes de potenciar o fracasso e a rejeição, por ex, Não és merecedor..., Não és capaz..., Os outros são melhores que tu...., Não vais conseguir..., Se mostrares quem és os outros não vão gostar de ti.... O sofrimento e a frustação vão tornar-se insuportaveis e não irão passar, nunca "Estou doido/a, devo ser diferente ". Este padrão de crenças negativas podem bloquear o desenvolvimento do nosso potencial (competencias e habilidades), como seres humanos espirituais, não religioso sem dogmas e divindades. 


Pensamentos derrotistas irracionais reforçam o negativo, conduz ao perfecionismo (padrão rigido de pensamento) e ao impossivel, antecipando cenarios/situações catastroficas. Vivemos o medo/ansiedade, por antecipação, e acreditamos nesses mesmos medos irracionais. "

Algumas pessoas afirmam, resignadas e passivas, "Não vale sequer a pena tentar, porque não vou ser capaz. Isto não vai passar."

O que é que pode fazer hoje para mudar de atitudes e comportamentos derrotistas?

Só por hoje
:

Pode valorizar a gratidão, e fé e a esperança.

Pode sentir orgulho da honestidade e da autenticidade. Você é livre, nesse sentido possui a liberdade de escolha para arriscar e sonhar.

Pode sentir as emoções (positivas e/ou as dolorosas) e valorizar a capacidade de estar em sintonia/equilibrio com o Eu interior (sentimentos, ambições, valores e crenças positivas).

Você é um ser unico e excepcionalmente valioso. Ninguem pode enfrentar os seus "fantasmas" e fazer esse trabalho por si.

Pode sonhar "acordado" e acreditar que o impossivel não existe.

Pode definir metas/planos e objectivos de vida.

Pode ter um proposito e um sentido no dia-a-dia (familia, trabalho, amizades, comunidade, hobbies, etc).

Pode arriscar só por hoje... O não está garantido! O que pode acontecer é vencer o medo irracional que o bloqueia. 

Pode mudar...mudando pequenas coisas (palavras, rotinas, atitudes e comportamentos).

Até o ninho estar pronto o passaro tem imenso trabalho...todavia, dia-a-dia vai fazendo aquilo que lhe compete e sabe fazer. Sem ansiedade, sem medo de falhar, sem querer atingir a perfeição, sem competir cegamente. Se o ninho é destruido pela tempestade ele retomará o seu trabalho com mesma motivação. Um dia o ninho estara terminado

 

Dicas iluminadas e construtivas





Algumas dicas inspiradoras que pode aplicar na sua vida (dia-a-dia), retirar algum proveito e vantagem. Por vezes, as coisas simples...assumem um “papel” extremamente especial e valioso. Pode utilizar o seu potencial humano, por vezes adormecido ou dormente, para enriquecer e trazer propósito à sua vida, em vez de ficar acomodar ao básico e às rotinas de conteúdo "pobre" e vazio (zona de conforto.


Como amigo/a
Cada semana, visite um/a amigo/a extra e no final do ano totaliza 52 conversas (cavaqueira) interessantes e fecundas (momentos com “sumo”)


Como marido e/ou mulher
Se o seu parceiro/a, normalmente toma conta das crianças no dia-a-dia, uma vez por mês pelo menos, inverte esse papel (rotina do casal). Assim adiciona quase duas semanas de tempo que ele/a pode utilizar para "carregar as suas baterias” –“na poupança é que está o ganho”. Este gesto pode conduzir a momentos de intimidade – romantismo.

No trabalho
Cada mês, dedique algumas horas extra, para desenvolver as suas competências profissionais, fora do horário normal de trabalho, sabendo que este investimento é o equivalente a uma semana completa de trabalho durante o ano. Este pode ser um investimento precioso... em si mesmo.

Em geral
Elimine meia hora de televisão todos os dias e adquire 182.5 horas extra por ano e aplica esse tempo de uma forma construtiva, relaxante e que proporcione bem-estar (equivalente a 4 semanas e meia de trabalho).

 

  • Enriqueça... o seu verdadeiro Eu interior.

"A nossa vida é assim tão simples?"


 

A nossa vida é tão SIMPLES ASSIM,
Uma noite, um velho índio Cherokee contou ao seu neto sobre uma batalha que acontece todos os dias dentro das pessoas.
 
Ele disse:- Meu filho, a batalha é entre dois lobos dentro de todos nós.
 
Um é mau: é a raiva, a inveja, o ciúme, a tristeza, o desgosto, a arrogância, a pena de si mesmo, a culpa, o ressentimento, a inferioridade, as mentiras, a superioridade.
 
O outro é bom: é a alegria, a paz, a esperança, a serenidade, a bondade, a benevolência, a empatia, a generosidade, a verdade, a compaixão e a fé.
 
O neto pensou naquilo por alguns minutos e perguntou ao seu avô:- Qual o lobo que vence? O velho Cherokee simplesmente respondeu:
- O que tu alimentas.

Comentário: Recebi este pequeno texto num e-mail e adequa-se ao proposito do nosso blog.

Para aqueles que estão em recuperação dos comportamentos adictivos conhecem as consequencias negativas (historia de vida) do impacto do ressentimento. Vale a pena tornar as coisas mais simples.
 
Senão vejamos, os prós e os contra:
O ressentimento molda e interfere negativamente a nossa visão de uma vida satisfatória e plena.
 
Limita escolhas e impede-nos de relacionar com os outros.
 
Ficamos defensivos, desconfiados e sozinhos. Tenho acompanhado adictos/as que na sua senda de liberdade e autonomia buscam a libertação do sofrimento “barato”, aquele que só prejudica e que às vezes, de uma forma subtil  “cultivamos”, como se "lenha para o lume se tratasse".

Já pensou que a energia negativa do ressentimento pode ser equiparada a um vulcão “adormecido”?! O que acontece a um vulcão que está adormecido antes da sua erupção abrupta? A sua energia encontra-se contida, todavia está em ebulição, até ao dia que o vulcão inicia a sua actividade – explodindo e semeando o caos e a destruição.

È importante valorizar as emoções, mesmos aquelas que magoam e que fazem sofrer.

Recuperar dos comportamentos adictivos é sentir, a dor da separação, da perda, da frustração e a desilusão. A adicção activa “adormece” e/ou reprime as emoções genuínas. Os adictos/as ficam dependentes do básico e “animais” irracionais (impulsivos, reactivos, intolerantes, confusos, ressentidos, etc).

Por isso, procure identificar quais são realmente as suas emoções - as que estão à superfície e aquelas que estão escondidas no âmago do “vulcão” inactivo.

E tal como o velho índio afirmava valorize as emoções que enaltecem a nossa existência, a relação com o nosso poder Superior, não religioso sem dogmas e divindades, e as nossas relações. Quebre as “amarras”,  o status dinfuncional,  as tradições, os preconceitos e os estereotipos disfuncionais impostos pela nossa cultura.
Neste caminho, proposito e sentido, somos livres e fortes...