Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

A ambivalência na perturbação dos comportamentos alimentares

Iqbeaute-eating-disorders.jpg

 

Este texto foi escrito pela Inês (nome fictício) sobre a sua luta contra a perturbação dos comportamentos alimentares. A Inês escreve de uma forma explicita e especifica sobre a relação consigo própria, os hábitos alimentares e a sua doença. Na perturbação dos comportamentos alimentares a vida do individuo orienta-se pela imagem, corpo, peso. Obrigado Inês pela partilha.

Depois de comer: Eu vi qualquer miniatura na vitrina que me chamou a atenção, mas não me recordo qual foi. Não tenho fome, mas apetece-me qualquer coisa doce. (Já na caixa para pagar e ao telemóvel) aquela miniatura de chocolate é muito maçuda para mim, pois não tenho fome. A castanha de ovos é mais leve. Também posso, pois até sinto as calças mais largas.

Logo vou comprar kinders... Não vou nada, pois já comi a minha dose de doces por hoje (ansiedade). Mas apetecia-me tanto os kinders... (ansiedade)

Saída da escola: E se eu fosse comprar uma caixa de kinders? Não, tenho de me controlar com os doces (ansiedade). É verdade, ali vendem gomas e se eu fosse lá...? Mesmo que fosse só ver... Não, nem posso pensar nisso (ansiedade). E se eu fosse comprar a torta de canela para comer ao jantar? Não, tenho de comer a sopa que lá tenho. Mas também podia fingir que comia sopa e ela (colega de casa) nem se apercebia o que realmente comia. Mas para isso teria que abrir a sopa que lá tenho e isso não me apetecia... Se não a abro, ela fica cada vez desconfiada que não como.  Não, não posso continuar a alimentar-me assim. Não posso comer a torta. (ansiedade)

 

Supermercado: Vou só ver se tem kinders... Oh não, tem! Vou levar destas barras para o fim de semana. Mas é só para o fim de semana mesmo ou para o feriado que é quando ela (colega de casa) não está.

Tantos chocolates, apeteci-me provar aqueles de menta. Devem ser mesmo bons, mas não posso mesmo. Já sei que se levo não aguento e acabo por comer a caixa inteira numa noite.

Aqui tem destes cereais com chocolate, mas tem tantas calorias (680). Não levo mesmo! Vou ao continente comprar os kinders, mas só como 1 ou 2, não mais.

À noite, enquanto comia os kinders: Oh, é só mais um... estão-me a saber bem, vou comer mais um... (depois de ter comido tudo) Se tivesse aqui mais chocolates devorava tudo. Até já abria o pacote de bolachas de chocolate para comer uma ou duas... Mas tenho de me aguentar, pois eu na realidade sei que depois acabava por comer o pacote inteiro e depois fico muito cheia. (ansiedade).

Pequeno-almoço: Tomo ou não tomo o pequeno-almoço? Ela (colega de casa) está aí e depois fica a pensar que nunca tomo o pequeno-almoço. Mas eu não tenho fome... Ela já foi embora... vou tomar, pois só me faz é bem e acordei que iria tomar o pequeno-almoço, mas não como a fruta... Não consigo.

Intervalo da manhã: hoje podia ir comprar a torta de canela para comer ao jantar, ou ao almoço. Mas eu prometi a mim mesma que ia começar a comer comida saudável às refeições. Por isso não posso mesmo (ansiedade). Mas só vou lá ver... Não, pois eu sei que se vou lá ver acabo por comprar, ou porque me apetece e compro sem pensar muito, ou porque não consigo dizer que não quero nada ao senhor... tudo me serve de desculpa. (ansiedade) Mas apetecia-me tanto... E se eu comprar para só comer à noite ao jantar? Não, lá estou eu a não querer comer comida saudável... qualquer dia tenho diabetes pois é só açúcar que como....”