Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Recuperar das Dependências (Adicção)

Contra o estigma, a negação e a vergonha associados aos comportamentos adictivos. O silêncio não é seguramente a melhor opção para a recuperação; ninguém recupera sozinho.

Manual sobre os princípios de Recuperação da Adicção

  • Existem preferências individuais sobre os vários estilos de recuperação.
  • Recuperação é direccionada para o individuo com vista a incutir-lhe competências individuais e sociais.
  • Recuperação é um compromisso pessoal que exige mudança a longo prazo.
  • Recuperação é holística.
  • Recuperação integra questões culturais.
  • Recuperação é um processo e um compromisso contínuo gerador de bem-estar e de um estilo de vida saudável.
  • A recuperação é apoiada pelos pares e aliados/parceiros.
  • Os fundamentos da recuperação estão enraizados na esperança e na gratidão.
  • A recuperação é um processo de transformação (resiliências) e orientado para o desenvolvimento pessoal do individuo.
  • A recuperação contempla uma abordagem construtiva contra a discriminação e rejeita a vergonha e o estigma.
  • A recuperação consiste em fazer parte ativa na comunidade.
  • Recuperar é uma realidade, significa que é possível recuperar. É um fenómeno diário; acontece todos os dias

Fonte: Center for Substance Abuse Treatment (CSAT)  White Paper: Guiding Principles and Elements of Recovery-Oriented Systems Care

 

Comentário: É possivel recuperar do estigma, da vergonha e da negação.

 O termo recuperação surge com o propósito de contrariar o estigma associado às dependências e a toda a carga simbólica e moralista negativa, onde a sociedade cataloga os indivíduos adictos como pessoas marginais e fracas associado aos mitos, preconceitos e também visa reforçar uma identidade social proactiva (cultura). Porque recuperar a dignidade e a confiança outrora danificada é um longo processo.

 

O termo recuperação é abrangente, apesar de ainda não ser devidamente difundido em Portugal, todavia, não é sinónimo de cura ou controlo sobre o consumo das substâncias psicoactivas e/ou comportamentos adictivos. No tratamento e na recuperação da adicção não se aplica o termo cura, porque não se trata de um vírus que se remove do organismo do individuo. A adicção é uma doença. O conceito de recuperação da adicção é oriundo dos grupos de ajuda dos Doze Passos (Alcoólicos Anónimos), nos EUA, desde os anos 30. Em Portugal, os  termos adicção e recuperação também surgiram associados aos grupos de ajuda-mutua (Alcoólicos Anónimos, no final dos anos 70, e mais tarde, com os Narcóticos Anónimos nos anos 80).

 

Sabia que o termo recuperação da adicção é objecto de investigação nos Estados Unidos da América e em Inglaterra?

 

Provavelmente, devem existir dezenas, senão centenas de instituições, profissionais e individuos que actualmente, também adoptaram o conceito de recuperação da adicção em vez de cura.

 

Recuperação está intrinsecamente relacionado:

  • Esperança,
  • Decisões,
  •  Propósito,
  • Pertencer a algo e
  • Felicidade.

As probabilidades de recuperar da adicção, refiro-me a uma recuperação duradoura, são reduzidas se um/a adicto/a não for feliz. Se você está em recuperação, pertence a uma classe de indivíduos especiais que escapam às estatísticas daquelas pessoas que sofrem desta doença através da negação, estigma e vergonha. Recuperar é que está a dar; isso significa que você está a explorar outras opções mais viáveis, espirituais e criativas para ser feliz.

 

Caso pretenda saber mais sobre o conceito e o plano de Recuperação envie um email para joaoalexx@sapo.pt

Saiba mais sobre recuperação e a investigação no EUA.

 

 

 

Compreender o distúrbio alimentar

Perturbação do Comportamento Alimentar Sem Outra Especificação

 

Para além da Anorexia Nervosa e da Bulimia Nervosa segundo o Manual de Diagnostico e Estatística das Perturbações Mentais (DSM-IV)  refere a Perturbação do Comportamento Alimentar Sem Outra Especificação, do Inglês EDNOS, é uma categoria para perturbações que não preencham os critérios completos para uma Perturbação do Comportamento Alimentar específica. Os exemplos incluem:

1. Para mulheres, todos os critérios de Anorexia Nervosa estão presentes excepto a amenorreia (ausência da menstruação)

2.Todos os critérios de Anorexia Nervosa, estão presentes excepto que, apesar de uma perda de peso significativa, este encontra-se dentro dos valores normais.

3. Todos os critérios de Bulimia Nervosa estão presentes excepto que os episódios de ingestão compulsiva e os mecanismos compensatórios inapropriados ocorrem numa frequência inferior a 2 vezes por semana, ou têm uma duração inferior a 3 meses.

4. Uso regular de comportamentos compensatórios inapropriados por uma pessoa de peso normal após ingestão de pequenas quantidades de alimentos (por exemplo, indução de vómito após comer 2 bolachas).

5. Mastigar ou cuspir repetidamente, mas não engolir, grandes quantidades de alimentos.

6. Perturbação de ingestão alimentar maciça: episódios recorrentes de ingestão alimentar maciça na ausência dos comportamentos compensatórios inapropriados característicos de Bulimia Nervosa.

 

Critério de investigação para a Perturbação de Ingestão Compulsiva:

A. Episódios recorrentes de ingestão compulsiva.

1. Um episódio de ingestão compulsiva é caracterizado pelas seguintes condições: Ingestão, num período de tempo isolado (por exemplo, qualquer período de 2 horas), de uma quantidade de comida francamente superior à que a maioria das pessoas poderia consumir no mesmo espaço de tempo e sob circunstâncias singulares;

2. Sensação de perda de controlo sobre a ingestão de durante o episodio (por exemplo, sensação de que não pode parar de comer ou controlar o quê ou quanto se está a comer).

B. Os episódios de ingestão compulsiva associam-se a 3 (ou mais) dos seguintes sintomas

1. Ingestão muito mais rápida do que habitual;

2. Comer até se sentir desagradavelmente cheio;

3. Ingestão de grandes quantidades de comida apesar de não sentir fome;

4. Comer sozinho para esconder o embaraço pela sua voracidade;

5. Sentir-se desgostoso consigo próprio, depressão ou grande culpabilidade depois de ingestão compulsiva.      

C. Profundo mal-estar ao recordar as ingestões compulsivas.

D.As ingestões compulsivas têm lugar, em media, pelo menos 2 dias por semana durante 6 meses.

E. A ingestão compulsiva não se associa ao uso regular de estratégias compensatórias inadequadas (purgantes, jejum, exercício físico excessivo) e não aparecem no decurso de uma Anorexia Nervosa ou uma Bulimia Nervosa.

* Se identifica um problema de comportamento na relação com a comida, você não é a único/a,  fale com o seu medico.

 

 

Investigação sobre o Jogo

 



Estudo sobre jogo a dinheiro e família

PARTICIPE!

Preencha os questionários em:


http://form.jotformeu.com/form/23446824395360


 

 

A sua participação é fundamental para a realização e sucesso desta investigação.

 

Qualquer adulto (> 18 anos) pode participar.

 

A participação é anónima e confidencial!

 

Gostariamos que o maior numero possivel de pessoas, afectadas pelo jogo pudesse ter uma palavra a dizer sobre esta temática, nesse sentido propomos que partilhe este post/publicação pelos seus contactos.

Dica: Também pode partilhar pelos seus amigos nas redes sociais; Facebook, Google +, Linkedin, etc. Em rodapé faça clic no "link do post" e partilhe. 

 

Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra

Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa

Doutoramento Inter-Universitário em Psicologia Clínica, Psicologia da família e Intervenção Familiar.

Fundação para a Ciência e a Tecnologia 

 

Obrigado!